Análise à microbiota intestinal para diagnóstico de distúrbios intestinais

Cerca de 30% da população sofre de problemas digestivos por diagnosticar e tratar, uma situação que está a aumentar nos países industrializados. Uma análise simples da composição da microbiota intestinal pode determinar o diagnóstico e o tratamento.

0
Laboratório
Laboratório. Foto: Rosa Pinto

Diversos distúrbios intestinais, como a síndrome do intestino irritável, doenças inflamatórias intestinais e doenças extraintestinais como a obesidade e diabetes que são consideradas epidemias do nosso século, podem ser diagnosticados, para poderem ser tratadas, com uma simples análise da composição da microbiota intestinal.

No entanto, aproximadamente 30% da população sofre de problemas digestivos não diagnosticados e por isso também não tratados. O número de pessoas que sofre de patologias ou sintomatologia relacionada com o sistema digestivo está a aumentar, em particular nos países industrializados.

Alguns dos transtornos do sistema digestivo possuem um diagnóstico médico claro, como as doenças inflamatórias intestinais, que são cada vez mais frequentes na população, mas na grande maioria dos casos os sintomas não estão associados a uma doença específica e apesar de não serem graves afetam o bem-estar, diminuem a qualidade de vida e se não forem tratados podem levar a situações mais graves.

Vitória Rodrigues, microbiologista clínica do grupo SYNLAB, assinala o Dia Mundial da Doença Inflamatória do Intestino, como o alerta de que “é importante estar atento a todos os sintomas digestivos para que seja feito um diagnóstico adequado e atempado, assim como o respetivo tratamento”.

Causas e fatores de risco

Uma alimentação inadequada, o stress, o uso de antibióticos, hábitos pouco saudáveis como o sedentarismo, o consumo de álcool e tabaco e até viagens ao estrangeiro são algumas das causas relacionadas com alterações e sintomas gastrointestinais. Para a especialista “as queixas gastrointestinais, não relacionadas com uma doença específica, podem estar relacionadas com a alteração da microbiota intestinal essencial à nossa defesa, saúde e bem-estar”.

A microbiologista clínica explicou: “A microbiota intestinal é um conjunto de microrganismos, principalmente bactérias, que colonizam o intestino numa relação de simbiose. O seu desequilíbrio, a chamada disbiose, é uma situação desfavorável à saúde, pois está relacionada com a inflamação da parede intestinal e alteração da sua permeabilidade, bem como com o desenvolvimento de intolerância a determinados alimentos. Todos estes processos produzem sintomas. Inúmeros estudos têm vindo a relacionar o desequilíbrio da microbiota intestinal com alterações gastrointestinais, e com doenças extraintestinais como a obesidade, diabetes e até com alterações neurológicas.”

Digestões difíceis, dores abdominais, flatulência, prisão de ventre, diarreia e intolerâncias alimentares, são apenas alguns dos sintomas de alteração na microbiota intestinal apontados pela especialista. “Muitas vezes, estes sintomas são desvalorizados e a sua causa não chega a ser diagnosticada e tratada”.

Análise para diagnóstico preciso e tratamento

Para identificar a causa destas queixas gastrointestinais, acaba de ser lançado em Portugal um teste que permite conhecer a microbiota intestinal de cada individuo e identificar possíveis desequilíbrios. “O Estudo Funcional da Microbiota Intestinal é um teste de prescrição médica, que se realiza através de uma simples amostra de fezes, e que permite verificar o estado da microbiota intestinal através da análise de grupos de microrganismos. Os resultados irão permitir um diagnóstico preciso e uma abordagem terapêutica mais adequada e personalizada”.

A especialista lembrou ainda para a importância de uma consulta a um especialista a “todos os que sofrem de distúrbios gastrointestinais” e “que a avaliação da microbiota intestinal pode ser um instrumento importante no diagnóstico e tratamento”. Vitória Rodrigues lembrou que o teste pode ser executado a partir dos 5 anos”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!