António Maio, piloto de todo-o-terreno e capitão da GNR, no Rali Dakar

Aproxima-se a partida para o Peru onde vai disputar o Rali Dakar. António Maio, que para além de piloto de motociclismo de todo-o-terreno, é capitão da GNR, fez a apresentação do seu projeto no Rali no quartel da GNR-3º esquadrão a Cavalo.

0
António Maio, piloto de todo-o-terreno e capitão da GNR, no Rali Dakar
António Maio, piloto de todo-o-terreno e capitão da GNR, no Rali Dakar. Foto: DR

António Maio, piloto de todo-o-terreno e capitão da GNR apresentou o seu projeto de participação na edição 2019 do Rali Dakar que vai ser disputada integralmente no Peru.

O Piloto fez a apresentação num cenário singular dado que foi feita no quartel da GNR-3º esquadrão a Cavalo e na presença do Brigadeiro-General Miguel Andrade da Fonseca Lopes comandante da Unidade de Segurança e Honras de Estado de que o 3º esquadrão faz parte.

Também se associaram à iniciativa Manuel Marinheiro, presidente da Federação de Motociclismo de Portugal e o Município de Borba, de onde António Maio é natural.

O piloto da Yamaha Fino Motor Racing conquistou recentemente o seu quarto título no Campeonato Nacional de Todo-o-Terreno e vai ser o primeiro alentejano piloto de moto na prova rainha do todo-o-terreno.

António Maio vai pilotar uma WR450F Rally e conta com o apoio da Dragon, a estrutura oficial francesa de clientes Yamaha e ainda de Bruno Pires, o mecânico que dará assistência à moto.

A participação de António Maio no Merzouga Rally em 2017 deu “o pontapé de saída” para poder estruturar todo um projeto de aposta na internacionalização que, este ano, reunidas as verbas necessárias e contando com todo o empenho da equipa Yamaha Fino Motor Racing conseguiu ver concretizar-se o sonho que de qualquer piloto de todo-o-terreno possui.

“Estou a concretizar um sonho”, referiu António Maio e acrescentou: “Só quando arrancar é que terei verdadeiramente a noção de que é real”.

“Vou enfrentar uma prova que este ano terá as características menos adequadas a quem como eu ainda tem muito poucos quilómetros de dunas. Irei dar como sempre o meu melhor e o primeiro grande objetivo é terminar cada etapa e entregar a moto ao Bruno nas melhores condições possíveis”, afirmou o piloto, e concluiu: “É para mim um orgulho muito grande que esta apresentação tenha tido lugar nesta casa e ter sentido o apoio de todos aqueles que foram e são fundamentais para que este enorme desafio esteja a ser possível de concretizar.”

A 41ª edição do Rali Dakar é disputada de 6 a 17 de janeiro, no Peru. A partida tem lugar em Lima, a capital peruana, bem como a chegada, e envolve um total de 5 mil quilómetros, 3 mil dos quais cronometrados.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!