Autorizações de residência na União Europeia beneficiaram ucranianos e chineses

Em 2018, 527.000 cidadãos da Ucrânia receberam primeiras autorizações de residência na União Europeia bem como 206.000 cidadãos da China. Do espaço lusófono o maior número veio do Brasil com 88.000 a receberem licenças.

0
Autorizações de residência na União Europeia beneficiaram ucranianos e chineses
Autorizações de residência na União Europeia beneficiaram ucranianos e chineses. Foto: DR

Os Estados-Membros da União Europeia emitiram em 2018 um total de 3,2 milhões de primeiras autorizações de residência para cidadãos de países terceiros, e os principais beneficiários das foram os cidadãos ucranianos e chineses.

O número de autorizações aumentou 0,4%, ou seja, 13.000, em comparação com 2017, tendo mantido a tendência nos três anos anteriores. Os motivos familiares representaram quase 28% de todas as primeiras autorizações de residência emitidas na UE em 2018, os motivos de emprego 27%, os motivos educacionais 20%, enquanto outros motivos, incluindo a proteção internacional, representaram 24%.

O aumento no número total de primeiras autorizações de residência em 2018 em comparação com 2017 deveu-se principalmente ao número crescente de primeiras autorizações emitidas por razões educacionais, que foi de 110.000 ou 21% e por razões familiares, em 83.000, ou 10%, enquanto o número de primeiras licenças emitidas por razões de emprego diminuiu 124.000, ou -12% e por outras razões de 56.000, ou -7%.

Fonte: Eurostat

Polónia, Alemanha e Reino Unido emitiram o maior número de primeiras autorizações de residência

Em 2018, uma em cada cinco primeiras autorizações de residência foi emitida na Polónia, registando 635.000, ou 20% do total de permissões emitidas na UE, seguida pela Alemanha com 544.000 ou 17%, do Reino Unido com 451.000 ou 14%, França com 265.000 ou 8%, Espanha com 260.000, também 8%, Itália com 239.000 ou 7% e Suécia com 125.000 ou 4%.

Em comparação com a população de cada Estado-Membro, as taxas mais altas de licenças de primeiro residente emitidas em 2018 foram registradas em Malta com 35 licenças emitidas por mil habitantes, Chipre com 24, Polónia com 17, Eslovénia com 14 e Luxemburgo com 13.

Para emprego na Polónia, para educação no Reino Unido

A Polônia emitiu 328 000 licenças, ou 37%, de todas por razões de emprego. Foi o principal país para licenças relacionadas a emprego. O Reino Unido, com 190.000 licenças, ou 30%, foi o principal país da UE por razões relacionadas à educação.

Por razões familiares, os quatro Estados-Membros com o maior número de licenças emitidas, em 2018 foi a Alemanha com 191.000, a Espanha com 134.000, a Itália com 122 000 e o Reino Unido com 101.000.

A Alemanha também foi o principal país da UE por outras razões, com 219.000 autorizações, emitidas em 2018, das quais a maioria era para refugiados e proteção subsidiária (185.000) e proteção por razões humanitárias (23.000).

As razões de emprego tendem a prevalecer em cada Estado-Membro

Em 2018, em treze Estados-Membros, o maior número de licenças foi emitido por razões de emprego, com as maiores participações observadas na Croácia que foi de 90% de todas as autorizações de residência emitidas neste país, Lituânia com 77%, Eslovénia com 71% e a Eslováquia com 66%.

Em dez Estados-Membros, o principal motivo para a emissão de autorizações de residência estava relacionado com a família, sendo as maiores participações registadas em Espanha com 52% de todas as autorizações de residência emitidas neste país, Itália com 51% e Bélgica com 50%.

A educação foi o principal motivo na Irlanda com 60% de todas as autorizações de residência emitidas neste país e no Reino Unido com 42%. A percentagem de outras razões (incluindo a proteção internacional) foi mais elevada em três Estados-Membros: Áustria com 54% de todas as autorizações de residência emitidas neste país, Bulgária com 44% e Alemanha com 40%.

Fonte: Eurostat

Cerca de metade das autorizações de residência foram concedidas a dez nacionalidades

Em 2018, 527.000 cidadãos da Ucrânia receberam autorizações de residência, dos quais quase 78% na Polónia, à frente dos cidadãos da China com 206.000, dos quais quase metade no Reino Unido.

Da Índia receberam 197 000, dos quais 38% no Reino Unido, da Síria foram 174.000, dos quais 71% na Alemanha, da Bielorrússia foram 138 000, dos quais 92% na Polónia, de Marrocos 127.000, dos quais 45% em Espanha, dos Estados Unidos foram 120.000, dos quais 36% no Reino Unido, do Brasil foram 88.000, dos quais 32% em Portugal, da Turquia 80.000, dos quais 29% na Alemanha e da Rússia foram 75.000, dos quais 18% na Alemanha. Cerca de metade, ou 54%, de todas as primeiras autorizações de residência emitidas na UE em 2018 foram emitidas para cidadãos desses dez países.

Ucranianos por emprego, chineses por educação e marroquinos por razões familiares

As razões para a emissão de autorizações de residência diferem entre as cidadanias. Entre as 10 principais cidadanias concedidas na UE em 2018, os ucranianos beneficiaram de autorizações de residência principalmente por razões de emprego, ou seja, 65% de todas as primeiras autorizações de residência concedidas a ucranianos em 2018, chineses para educação com 67%, enquanto marroquinos, com 61% beneficiaram de autorizações de residência emitidas por razões familiares. Outras razões foram predominantes entre bielorrussos com 74% e sírios com 68%.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!