É seguro tomar a vacina COVID-19 durante a gravidez?

As mulheres grávidas são consideradas de alto risco para COVID-19 grave, mas não foram incluídas nos ensaios clínicos para as vacinas. Especialista da Rutgers University-New Brunswick, EUA, esclarece algumas das questões sobre gravidez e vacinação.

0
É seguro tomar a vacina COVID-19 durante a gravidez?
É seguro tomar a vacina COVID-19 durante a gravidez?. Foto: © Rosa Pinto

As mulheres grávidas são consideradas de alto risco no caso de serem infetadas com o novo coronavírus e contraírem a COVID-19, no entanto, não foram incluídas nos ensaios clínicos para as vacinas atuais contra a COVID-19.

Sem dados de ensaios clínicos sobre segurança e eficácia das vacinas contra a COVID-19 as dúvidas e receios aumentam entre as mulheres grávidas sobre a toma da vacina.

O especialista Justin Brandt, da Divisão de Medicina Materno-Fetal da Rutgers Robert Wood Johnson Medical School, EUA, e diretor de qualidade e segurança do departamento de obstetrícia e ginecologia, responde a algumas questões sobre se as mulheres grávidas devem considerar a decisão de tomar ou não a vacina contra a COVID-19.

1.O que sabemos sobre a segurança de receber a vacina durante a gravidez?

Mulheres grávidas foram excluídas dos ensaios de vacinas e por isso não há dados sobre a segurança da vacina na gravidez. O uso das vacinas Moderna e Pfizer na gravidez é, porém, amparado pelo mecanismo da plataforma de vacinas, que teoricamente é seguro para mães e filhos nascituros. A vacina não contém vírus vivo. Não possui adjuvantes para aumentar a eficácia. O RNA mensageiro viral, que provoca a resposta imune para lutar contra o vírus SARS-CoV-2, que causa a COVID-19, não entra no núcleo das células, onde o DNA é armazenado. Isso sugere um perfil de segurança tranquilizador para as grávidas. Além disso, a vacina leva à criação de anticorpos que podem atravessar a placenta e fornecer alguma proteção ao bebé.

2.Como é que os médicos estão a aconselhar as grávidas ou mães que amamentam sobre a vacinação?

Os ensaios das vacinas mostraram um alto grau de segurança e eficácia em mulheres não grávidas. Dada a segurança teórica das plataformas das vacinas e os resultados dos testes clínicos, é provável que o perfil de segurança e eficácia sejam semelhante para as mulheres grávidas. Embora as pacientes devam considerar o potencial de riscos desconhecidos da vacina na gravidez, há outros fatores importantes que também devem ser considerados, como o impacto da gravidez na gravidade da doença, como os seus fatores de risco pessoais para doença grave e o seu potencial de exposição.

A gravidez é um fator de risco para COVID-19 grave. Mulheres grávidas com COVID-19 têm maior probabilidade de serem admitidas em Unidades de Cuidados Intencivos, serem intubadas e de morrer em comparação com mulheres não grávidas com COVID-19. As mulheres grávidas com doença grave também apresentam risco aumentado de complicações obstétricas, como o parto prematuro. Algumas mulheres têm fatores de risco individuais que podem aumentar ainda mais o risco. Condições médicas, como obesidade e diabetes, podem aumentar substancialmente o risco de doenças graves.

As mulheres precisam de considerar o risco de exposição. Os trabalhadores essenciais, incluindo os profissionais de saúde nas linhas de frente, provavelmente serão expostos ao vírus, mas todos correm risco quando saem de casa, especialmente considerando o surgimento de variantes do coronavírus que são mais infeciosas. O Centro de Controlo de Doenças (CDC) considera a gravidez uma condição de alto risco, e o Comité Consultivo em Práticas de Imunização (EUA) recomendou priorizar a gravidez com outras doenças de alto risco. Isso significa que as grávidas devem decidir se sentem que os benefícios da vacinação superam os riscos.

3.A vacina deve ser evitada no primeiro trimestre?

No momento, não há recomendações para as grávidas evitarem a vacina no primeiro trimestre da gravidez. As gestantes priorizadas para vacinação e que desejam a vacina podem recebê-la em qualquer trimestre.

4.Existe um benefício potencial para bebés expostos à vacina no útero?

Sabemos que há transferência de anticorpos pela placenta. Um artigo recente da JAMA Pediatrics analisou o sangue do cordão umbilical de bebés de mães que tiveram infeções naturais, e havia quantidades significativas de anticorpos no sangue do cordão umbilical. Os bebés com os níveis mais altos foram, na verdade, aqueles que foram expostos à infeção no início da gravidez. Ainda estamos a aprender sobre o que isso significa em termos de vacina, mas os dados sugerem que a resposta passiva de anticorpos é uma estratégia que pode proteger os bebés antes da vacinação infantil. Isso deve proporcionar algum conforto para as grávidas durante a pandemia.

5.As sociedades profissionais apoiam a vacinação durante a gravidez, mas não recomendam a vacina?

Sem dados de segurança, é difícil para as sociedades profissionais recomendar a vacina. Dito isso, muitas sociedades profissionais publicaram declarações em apoio à vacinação durante a gravidez e defendem que a vacina não deve ser negada aos pacientes por causa da gravidez e da lactação. Muitas dessas sociedades também pediram a inclusão de pacientes grávidas nos ensaios clínicos.

6.Por que não temos mais dados sobre a segurança da vacina na gravidez?

As mulheres grávidas foram excluídas de ensaios clínicos como uma estratégia para evitar a exposição de grávidas a riscos desconhecidos associados a terapias experimentais. Como resultado, estamos nesta posição, falando sobre riscos desconhecidos na gravidez da vacina que os especialistas em saúde pública acreditam possa acabar com a pandemia. Estão a ser planeados mais estudos, o que é importante se quisermos proteger as grávidas e bebés em gestação.

7.Existem ensaios clínicos em andamento que incluem mulheres grávidas?

Dados sobre estudos pré-clínicos de desenvolvimento e toxicidade reprodutiva sugerem um perfil de risco favorável para as vacinas da Pfizer e Moderna. Esses estudos não sugeriram efeitos adversos na reprodução ou no desenvolvimento fetal. As grávidas foram excluídas dos ensaios das vacinas Moderna e Pfizer, mas algumas grávidas, inadvertidamente expostas à vacina, estão a ser monitoradas. Estão a ser planeados mais estudos com grávidas. Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infeciosas, EUA, anunciou que a vigilância da vacina pelo FDA de mais de 10.000 mulheres grávidas que receberam a vacina não identificou nenhum “sinal de alerta”. Embora esses dados sejam limitados, os primeiros resultados são tranquilizadores.

 

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!