Escolas Artísticas estão de regresso ao Teatro Nacional São João

Leitura dos textos dos alunos da pós-graduação em Dramaturgia da ESMAE e apresentação de Woyzeck marcam arranque das atividades. A partir de 14 de julho, no Mosteiro de São Bento da Vitória.

0
Escolas Artísticas estão de regresso ao Teatro Nacional São João
Escolas Artísticas estão de regresso ao Teatro Nacional São João

A ligação à comunidade escolar tem sido um dos emblemas da atividade do Teatro Nacional São João (TNSJ). No seguimento desta estratégia, o Mosteiro de São Bento da Vitória prepara-se para receber apresentações de projetos desenvolvidos por diferentes Escolas Artísticas.

Nos dias 14 e 15 de julho, às 19h00, vai decorrer a leitura dos textos do curso de pós-graduação em Dramaturgia da Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (ESMAE). Já a 22 e 23 de julho, à mesma hora, será apresentada Woyzeck, uma peça do alemão Georg Büchner, que conta com dramaturgia e encenação de Luísa Pinto e Roberto Merino e com interpretação dos alunos finalistas de Teatro da Escola Superior Artística do Porto (ESAP).

Os dias 14 e 15 de julho ficam marcados pelas leituras dos textos dramáticos criados, ao longo dos últimos meses, pela terceira turma da pós-graduação em Dramaturgia da ESMAE – curso lecionado em parceria com o Teatro Nacional São João e a RTP.

Em tempos de repetidas quarentenas, um dos temas recorrentes das ficções apresentadas será o do começo de uma caminhada, um movimento que promete cativar não só o interesse de ficcionistas, mas também do público. A atividade conta com coordenação de Nuno Cardoso, diretor artístico do São João, e do dramaturgo e professor Jorge Louraço Figueira. O preço dos bilhetes é de 5 euros.

Fragmentário e inacabado, situado na confluência do romantismo e do realismo social, Woyzeck é acima de tudo um manifesto em forma teatral que continua ainda hoje a identificar as estratégias de perversão da dignidade humana.

Criada por Georg Büchner (que faleceu em 1837, aos 23 anos de idade), a peça é o mais eloquente exemplo de “drama aberto” da dramaturgia pré-moderna, refletindo sobre a miséria e a dor como cernes fundadores das sociedades ditas democráticas.

É com esta “ferida Woyzeck”, a “ferida aberta”, como lhe chamava Heiner Müller, que os encenadores e professores Luísa Pinto e Roberto Merino constroem o espetáculo dos alunos finalistas de Teatro da ESAP. O espetáculo pode ser visto nos dias 22 e 23 de julho, às 19h00. O valor dos bilhetes é de 5 euros.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!