Faltam profissionais de Proteção de Dados em Portugal e na Europa

Falta de profissionais em Proteção de Dados está a colocar em causa a segurança em Portugal e na Europa. A empresa de consultoria portuguesa, DPO Consulting, reforça parceria com AEP para propiciar formação específica na área da Proteção de Dados.

0
Faltam profissionais da Proteção de Dados em Portugal e na Europa
Faltam profissionais da Proteção de Dados em Portugal e na Europa. Foto: © Rosa Pinto

Em Portugal a falta de Profissionais de Proteção de Dados pode por em causa a segurança das pessoas e das empresas, e estima-se que, em toda a Europa, as necessidades sejam superiores a 35 mil especialistas em Proteção de Dados. A DPO Consulting, consultora portuguesa especializada em privacidade, proteção de dados e segurança da Informação, em parceria com a Associação Empresarial de Portugal (AEP), está a lançar duas novas edições do seu programa de formação em Data Protection Officers.

A 9ª edição da DPO PRO terá início já no próximo dia 22 de março no Porto, na sede da AEP em Leça da Palmeira, e a 4ª edição em Lisboa, no dia 25 de março, no IAPMEI, no Lumiar. Uma formação que tem como objetivo preparar e legitimar os Responsáveis de Proteção de Dados do futuro.

A DPO Consulting tem vindo a realizar formação de preparação dos especialistas junto de várias empresas como a Salvador Caetano, Auchan, Parfois, Câmara Municipal da Maia ou a Câmara Municipal de Matosinhos.

Para Elsa Veloso, CEO da DPO Consulting, “a opção por um Responsável da Proteção de Dados externo devidamente qualificado, conhecedor do RGPD e das metodologias, inteirado das orientações europeias sobre as melhores práticas em matéria de proteção de dados, traz às organizações um acervo de vantagens que são inquestionáveis.”

A responsável da DPO Consulting alerta para a necessidade urgente de ser implementada legislação nacional sobre a proteção de dados, pois “parece pouco compreensível que, tendo o Estado tido dois anos para estudar e preparar a legislação, não tenha considerado como prioritária a questão da proteção de dados. Com ou sem legislação de concretização, primordial é também que as organizações procurem aconselhamento e apoio especializado junto de quem pode informar e aconselhar com pleno conhecimento de causa, quer na lei, nos conceitos ou nas diversas orientações que existem em matéria de proteção de dados”.

O Programa DPO PRO aborda as designadas fases fundamentais na formação de um Data Protection Officer, desde o enquadramento histórico, à apresentação presencial de trabalhos, passando pela cibersegurança e outros temas criteriosamente selecionados. O curso DPO PRO está estruturado para manter um ritmo de aprendizagem adequado ao conteúdo e à disponibilidade dos participantes, com uma duração de 48 horas de formação, ou seja, 6 semanas x 2 dias x 4 horas.

O corpo de formadores do curso DPO PRO é constituído por especialistas atualizados nas áreas a tratar, que preparam os novos técnicos na implementação do RGPD nas Empresas, através de uma componente prática, integrando a vertente da auditoria, e abordando os diversos temas fundamentais na formação dos especialistas em proteção de dados do futuro.

A formação vai permitir capacitar os participantes para a implementação das Políticas Organizacionais de Privacidade, Proteção de Dados e Segurança da Informação exigidas pelo RGPD, já que todas as Organizações, independentemente da sua dimensão, têm de respeitar os novos direitos dos titulares dos dados pessoais, quer sejam trabalhadores, fornecedores, clientes ou utilizadores.

A DPO Consulting faz notar que as empresas e entidades públicas necessitam de um DPO especializado para garantir o cumprimento das novas regras e obrigações, de acordo com o artigo 37º do RGPD, pelo que o DPO PRO destina-se essencialmente aos seguintes públicos-alvo:

Profissionais que ocupem ou ambicionem ocupar o cargo de Encarregado de Proteção de Dados – Data Protection Officer – DPO.

Responsáveis da Área Administrativa, Conformidade, Jurídica.

Administradores ou Diretores que serão os responsáveis internos de projetos de implementação do RGPD.

Responsáveis de Marketing ou de Inovação que pretendam desenvolver novas soluções para os seus consumidores/clientes, de acordo com os novos paradigmas da Privacy by Design

Diretores de Sistemas e Tecnologias de Informação e Auditores.

Responsáveis de Recursos Humanos e da Qualidade, que pretendam compreender como o RGPD irá impactar as funções existentes na organização.

Empreendedores que pretendam desenvolver soluções inovadoras, em conformidade com as novas regras do RGPD.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!