Investimentos em Trás-os-Montes com apoio do Portugal 2020 superiores a 370 M€

Mais de mil projetos para Trás-os-Montes receberam, até ao momento, apoios dos fundos europeus, através do Programa Portugal 2020 da CCDR-N. Os investimentos de projetos públicos e privados ultrapassam os 370 milhões de euros.

0
Investimentos em Trás-os-Montes com apoio do Portugal 2020 superiores a 370 M€
Investimentos em Trás-os-Montes com apoio do Portugal 2020 superiores a 370 M€. Foto: Rosa Pinto

Trás-os-Montes alcançou um volume de investimentos de 373 milhões de euros, apoiados pelos fundos europeus do Portugal 2020. Os dados foram apresentados pelo Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), António Cunha, em reunião, dia 4 de maio de 2021, com autarcas dos nove municípios que integram a Comunidade Intermunicipal de Trás-os-Montes.

No domínio da cultura e do património, é destacado o investimento de 4,4 milhões de euros do projeto do Município de Bragança de reabilitação dos antigos silos da EPAC para o Museu de Língua Portuguesa.

Também em Bragança e, na dimensão da mobilidade, um investimento de 4,2 milhões de euros nas infraestruturas de mobilidade suave e no serviço de transportes coletivos, como referiu António Cunha o investimento na eficiência energética do Hospital de Bragança, num montante de 3,8 milhões de euros, bem como na requalificação da Escola Secundária de Mirandela no montante de 3,1 milhões de euros.

No atual ciclo de financiamento comunitário, a sub-região de Trás-os-Montes regista um total de 1.140 projetos aprovados. A maior fatia é destinada ao investimento público, mas o investimento empresarial ascende já a um terço do total apoiado. António Cunha assinalou que os maiores projetos aprovados, em valor, são desenvolvidos por empresas.

Para o Presidente da CCDR-N, os pacotes de investimentos assegurados em Trás-os-Montes “fazem um retrato muito expressivo da aposta dos fundos estruturais no desenvolvimento da qualidade de vida destas regiões de baixa densidade”, considerando ainda que estes promovem não só a “coesão territorial e social”, mas também o “seu potencial humano e a competitividade da sua base económica”.

Entre os maiores projetos estão os investimentos da empresa FAURÉCIA, sistemas de escape, e da CATRAPORT em componentes metálicos, em Bragança, para a criação de unidades produtivas. O investimento da FAURÉCIA ascende aos 40 milhões de euros e o investimento da CATRAPORT a mais de 6,2 milhões de euros.

O Gestor do NORTE 2020 destacou que, “no ranking dos investimentos”, os projetos ligados ao setor do Turismo merecem também um grande destaque nesta subregião, em particular a construção do Premium Bragança Hotel & Spa, um investimento de 4,5 milhões de euros.

No setor público, são assinalados os investimentos ligados à qualificação das pessoas e à empregabilidade, naquela que é considerada “uma aposta muito relevante da região”, assim como os investimentos associados à qualificação das infraestruturas de serviços públicos. O investimento em formação profissional para jovens ascende a 34 milhões de euros, com 29 milhões de financiamento comunitário, distribuído em 60 projetos, e o apoio à empregabilidade de grupos vulneráveis apresenta um investimento que ronda os 9 milhões de euros.

Para António Cunha o grande desafio é acelerar a execução dos projetos contratualizados no NORTE 2020, “sem perder um euro que seja”, ao mesmo tempo que é preparado o próximo ciclo de ajudas comunitárias para o NORTE 2030 e os outros programas do Portugal 2030.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!