Marinha está a mapear e investigar Mar dos Açores

Navio hidrográfico D. Carlos I está leva a cabo missão de mapeamento do mar dos Açores. Em doze dias foram recolhidos dados de profundidade de 14 mil quilómetros quadrados. O D. Carlos I suporta também apoio a equipa hidrográfica.

0
5
Partilhas
Navio hidrográfico D. Carlos I
Navio hidrográfico D. Carlos I. Foto: Marinha

O navio hidrográfico D. Carlos I continua nos Açores na missão de mapeamento do mar e nos levantamentos hidrográficos no Arquipélago do Açores. Agora, desde o dia 24 de julho, navega “a oeste da Ilha de S. Miguel a efetuar a aquisição de dados relativos aos valores de profundidade do mar”.

Uma equipa da Brigada Hidrográfica está a trabalhar numa embarcação de sondagem projetada a partir do D. Carlos I, “a efetuar um levantamento hidrográfico em fundos de baixa profundidades, numa área entre a Ponta da Ferraria e os Mosteiros”, indicou a Marinha.

Equipa de hidrografia e investigadores e alunos da Universidade dos Açores
Equipa de hidrografia e investigadores e alunos da Universidade dos Açores. Foto: Marinha

A Marinha indicou também que “os trabalhos estão a ser acompanhados por uma equipa de 5 investigadores e alunos do Departamento de Biologia da Universidade dos Açores.”

Durante doze dias, o navio hidrográfico da Marinha D. Carlos I recolheu informação do fundo do mar nos Açores numa área de 14 mil quilómetros quadrados, referente a profundidades médias de 3 mil metros.

Nesta missão de mapeamento a Marinha está a utilizar um sistema moderno de sondador multifeixe de grandes fundos, para a aquisição de dados de profundidade.

A Marinha indicou que os levantamentos hidrográficos oceânicos efetuados durante os doze dias “foram circunscritos a áreas ao largo dos grupos Oriental e Central dos Açores, e ao mesmo tempo “uma equipa de militares da Brigada Hidrográfica do Instituto Hidrográfico realizou levantamentos multifeixe e topográfico do porto da Praia da Vitória, na Ilha Terceira.”

Os dados recolhidos são processados a bordo e sujeitos a um processo de controlo de qualidade e validação pela Marinha, e através do Instituto Hidrográfico vão permitir verificar a evolução do fundo do mar e atualizar as cartas de navegação, documentos essenciais para a segurança da navegação, esclareceu a Marinha.

Para além da atualização das cartas de navegação feita pelas medidas de profundidade, o levantamento hidrográfico contribui com informação de carater científico e de utilidade económica em diversas vertentes, nomeadamente o do planeamento de atividades zonas de baixas profundidades junto à costa.

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!

wpDiscuz