No Palácio de Sintra lendas Arturianas e Cantos Mediterrânicos

Ciclo “Reencontros”, no Palácio de Sintra, com concertos dia 13 de julho, L’Arpeggiata, que traz sonoridades arcaicas da bacia mediterrânica, e dia 14 de julho, os Ala Aurea recriam música para a lenda medieval de Parzival.

0
No Palácio de Sintra lendas Arturianas e Cantos Mediterrânicos
No Palácio de Sintra lendas Arturianas e Cantos Mediterrânicos. L’Arpeggiata. Foto: DR

A quarta edição do ciclo “Reencontros” prossegue no Palácio Nacional de Sintra, com dois concertos nos dias 13 e 14 de julho, às 21h30. O primeiro, dia 13, protagonizado por L’Arpeggiata, agrupamento de prestígio mundial, é um dos espetáculos mais paradigmáticos de toda a Temporada de Música Erudita da Parques de Sintra.

“Mediterraneo – Música de Espanha, Itália, Grécia, Turquia e Macedónia” é uma combinação de música erudita e popular oriunda da bacia mediterrânica. Uma amálgama de culturas, povos e civilizações operada ao longo de muitos séculos no sul de Itália proporciona um itinerário transversal, que tem como ponto de partida os “canti greci-salentini”, canções e tarantelas de origem grega (muitas delas no idioma ‘griko’ local) que se ouvem na Apúlia e na Calábria.

Dia 14 de julho, sábado, há um rumar a Norte, aos reinos Francos da França oriental e Alemanha ocidental, berço das lendas do ciclo arturiano enquanto obras de valor literário. O agrupamento Ala Aurea recupera, neste concerto, a lenda de Parzival, surgida no final do século XII, na qual se inclui a personagem feminina de Cundrîe, que será a Kundry de Richard Wagner na sua ópera ‘Parsifal’.

No Palácio de Sintra lendas Arturianas e Cantos Mediterrânicos
No Palácio de Sintra lendas Arturianas e Cantos Mediterrânicos. Ala Aurea. Foto: DR

Sob o título “‘Cundrîe la Surziere’ – Um trajeto medieval em busca de Chrétien de Troyes e Wolfram von Eschenbach”, os músicos improvisam sobre as escassas canções medievais relacionadas com esta temática que sobreviveram até aos nossos dias, recriando assim o que poderia ser a narração do poema original na altura. O português Tiago Mota é o responsável pela recitação dos textos selecionados.

O ciclo “Reencontros – Memórias Musicais no Palácio de Sintra” é uma iniciativa conjunta da Parques de Sintra e do Divino Sospiro – Centro de Estudos Musicais Setecentistas em Portugal (CEMSP), tendo por diretor artístico o maestro Massimo Mazzeo.

“Reencontros – Memórias Musicais no Palácio de Sintra” dá continuidade à 4.ª Temporada de Música Erudita da Parques de Sintra, que iniciou em março com os “Serões Musicais no Palácio da Pena”, e termina, em outubro e novembro, com o ciclo “Noites de Queluz – Tempestade e Galanterie”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!