Obra “Geographia d’entre Douro e Minho e Trás-os-Montes” apresentada em Braga

Obra quinhentista sobre o Norte de Portugal, a "Geographia d'entre Douro e Minho e Trás-os-Montes" é apresentada em Braga, no Museu Nogueira da Silva. A sessão de apresentação inclui a atuação do Trio ImPar. A entrada é livre.

0
Obra
Obra "Geographia d'entre Douro e Minho e Trás-os-Montes" apresentada em Braga no Museu Nogueira da Silva. Foto: DR

A obra “Geographia d’entre Douro e Minho e Trás-os-Montes” – que transcreve os manuscritos quinhentistas de João de Barros e tem análise crítica de Joana Lencart – é lançada dia 31 de outubro, às 18h00, no Museu Nogueira da Silva, em Braga.

A apresentação da obra está a cargo de Viriato Capela, professor catedrático da Universidade do Minho, e de Luís Cabral, antigo diretor da Biblioteca Pública Municipal do Porto (BPMP).

A sessão de apresentação inclui a atuação do Trio ImPar, composto por Pedro Costa (flauta), Rita Fernandes (viola d’amor) e Andreia Marques (violoncelo). A iniciativa é organizada pela Biblioteca Pública de Braga, uma unidade cultural da Universidade do Minho apostada em divulgar obras antigas e o seu espólio, e tem entrada livre.

Obra "Geographia d'entre Douro e Minho e Trás-os-Montes" apresentada em Braga
Obra “Geographia d’entre Douro e Minho e Trás-os-Montes” apresentada em Braga

João de Barros é considerado o primeiro grande historiador português e pioneiro da gramática da língua portuguesa. A obra é uma importante fonte histórica e literária do século XVI, sobretudo para o Norte de Portugal. Foca a proposta de viagem do autor pelas comarcas de Entre Douro e Minho e Trás-os-Montes, que lhe eram familiares. Além da toponímia, descreveu mosteiros, comendas, torres, morgados, personalidades, relíquias e lendas, entre outros elementos. Por exemplo, sobre Braga, refere o seu peso católico junto de Roma, os principais espaços e eventos e elenca os trinta coutos, entre outros aspetos.

O livro de 128 páginas condensa dois grandes manuscritos de João de Barros, um à guarda da Biblioteca Nacional de Portugal e outro da BPNP, a qual é responsável pela presente edição e que surge no âmbito do centenário da primeira edição daquele manuscrito portuense. A leitura, transcrição, anotação e análise crítica dos conteúdos cabem a Joana Lencart, investigadora do Laboratório de Paisagens, Património e Território (Lab2PT) da Universidade do Minho, que se tem debruçado sobre temas como Idade Média, ordens militares, paleografia e ofícios e mesteres.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!