Polícias enfrentam diverso stress que pode levar a eventos adversos

Estudo mostra que os polícias sujeitos a stress contínuo podem ver afetada a capacidade de responder à atividade e sofrer de eventos adversos durante o desempenho de funções. É necessário mitigar os fatores de stress que afetam saúde mental geral.

0
Polícias enfrentam diverso stress que pode levar a eventos adversos
Polícias enfrentam diverso stress que pode levar a eventos adversos. Foto: © Rosa Pinto

A exposição repetida a chamadas de serviço de alto stress e a exposição contínua ao stress sem qualquer alívio do mesmo são dois dos fatores que podem levar os polícias a tornarem-se suscetíveis a eventos adversos durante o desempenho de funções.

Um novo estudo de investigadores da University of Texas Health Science Center (UTHealth), em Houston, EUA, e já publicado no BMC Public Health, permite o desenvolvimento de modelos de intervenção que possam abordar e ajudar a prevenir que os fatores de stress multifacetados afetem a capacidade de um polícia responder a chamadas de alto stress com confiança.

Para Katelyn Jetelina, da Escola de Saúde Pública da UTHealth, em Dallas, e autora principal do estudo, se for possível desenvolver intervenções inovadoras para os polícias que respondem a chamadas de intervenção, então é possível “ajudar a mitigar os fatores de stress que afetam saúde mental geral” dos agentes policiais.

A equipa de investigação recolheu dados de três esquadras de polícia, uma de grande dimensão urbana, uma suburbana e uma rural. Os investigadores identificaram os fatores de stress e recolheram informações sobre como prevenir futuros efeitos adversos, como uso da força, ferimentos em polícias ou civis, reclamações de civis ou disparo de uma arma.

A participação no estudo foi: 86% homens e 14% mulheres, com uma média de estabilidade de funções de 12 anos. Emergiram cinco temas que influenciaram a perceção de um nível de stress numa chamada de intervenção – características do polícia, experiência militar anterior ou do género, comportamento civil, fatores de supervisor, como tendência a gerir situações, fatores ambientais e fatores situacionais.

Os dados revelaram vários fatores que contribuíram para o acumular de stress nos policias, incluindo não “redefinir” os níveis de stress após uma ligação muito stressante, esgotamento por atender várias chamadas consecutivas e sensação de pressão para passar para a próxima chamada rapidamente. A experiência de um evento adverso anterior também foi um fator que contribuiu para o stress cumulativo. No entanto, de acordo com as respostas do grupo focal, comportamentos como fazer uma pausa entre chamadas, praticar exercícios respiratórios e cuidar da saúde mental ao longo do tempo podem ajudar a reduzir os níveis de stress crónico.

Os investigadores observaram que a combinação do nível de stress percebido de uma chamada e outros fatores de stress cumulativos aumentam a probabilidade de eventos adversos entre a polícia e o público. Se o ciclo de stress crónico for abordado e as limitações forem colocadas no número de chamadas de alto stress às quais um polícia responde durante um turno, os eventos adversos também podem ser limitados. Estudos anteriores mostraram que, para outras ocupações, níveis reduzidos de stress aumentam a produtividade e a satisfação no trabalho.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!