Quebrajazz.Fest, um festival de jazz ao ar livre

Coimbra é Jazz de 23 de junho a 2 de setembro, o Quebrajazz.Fest decorrer todas as sextas-feiras e sábados, com 12 concertos diferentes e 22 apresentações. Um festival urbano de jazz a começar sempre às 22h30, e de entrada livre.

0
50
Partilhas
QUEBRAjazz.Fest 2017 COIMBRA
QUEBRAjazz.Fest 2017 COIMBRA

O palco do Quebrajazz.Fest são as Escadas do Quebra Costas, no Centro Histórico de Coimbra. Este palco está incluído no Património Mundial, Universidade de Coimbra, Alta e Sofia.

Durante todo o verão Coimbra vai ter do melhor jazz nacional num anfiteatro natural. Um lugar num degrau que dá acesso a uma atividade regular e dinâmica, que já é uma marca no panorama cultural da região centro do país.

O Quebrajazz.Fest já vai na sua 6ª edição e já tem lugar no calendário “dos amantes de jazz, espetadores cosmopolitas, visitantes inesperados, noctívagos melómanos ou meros apreciadores de noites de verão ao ar livre”.

A organização (e o público) sabe das razões que levam os artistas, ano após ano, a quererem atuar naquele que quase parece ser o palco mais pequeno do mundo, uma área de cinco por três metros, em que o recinto em arena permite uma incrível proximidade músico-público e respeita o primado de uma acústica única.

A Associação Cultural Quebra Costas, organizadora do festival, e o público que todos os anos enche o espaço, sabem que o recinto em arena permite uma incrível proximidade músico-público e respeita o primado de uma acústica única, justificação porque os músicos de jazz se têm também vindo a ‘apaixonar’ pelo ‘mais pequeno’ palco do mundo, uma área de cinco por três metros.

“Alguns dos melhores músicos portugueses, como Mário Laginha, em três inesquecíveis concertos, André Fernandes, Carlos Barretto, Pedro Moreira, João Paulo Esteves da Silva, Jeffery Davis e músicos internacionais como Perico Sanbeat e Marc Miralta, que são dois dos melhores músicos espanhóis da atualidade, entre muitos outros”, já passaram pelo Quebrajazz.Fest e deram nota das condições ímpares do local de atuação.

O programa do Quebrajazz.Fest 2017

Em 2017 há no cartaz grandes nomes do panorama musical do Jazz, desde músicos que se vão estar pela primeira vez em projetos consagrados, “de um ensemble promovido para esta iniciativa à apresentação pública de novos discos, de criadores recentemente premiados internacionalmente à junção de artistas de diferentes gerações.”

5TETO, Lokomotiv, Zzaj Trio, Gonçalo Leonardo Quarteto, Bittersweet – Marta Hugon, CBF Trio, Quinteto Luís Cunha, Maria João / OGRE (electric trio), Amplectors, Círculo, Trio João Barradas e Quebra Ensamble.

Nas Escadas do Quebra Costas o QUEBRAjazz.Fest 2017 COIMBRA de 23 de junho a 2 de setembro, vai haver “Voz, saxofone, piano, contrabaixo, bateria, guitarra, hammomd, fender rhodes, acordeão, trompete e uma bebida aqui no degrau de baixo, por favor!”

Programa

23 e 24 de junho

5TETO: João Fragoso – Contrabaixo João Mortágua – Saxofone João Freitas – Guitarra José Diogo Dias – Piano Paulo Bandeira – Bateria

Com um repertório à base de originais, este grupo é constituído por referências do jazz português que se conhecem bem, tendo tocado juntos com inúmeras formações do jazz nacional. Em 5TETO interpretam temas originais e de outros compositores.

30 de junho

Lokomotiv: Mário Delgado – Guitarra Carlos Barretto – Contrabaixo José Salgueiro – Bateria

O projeto Lokomotiv, criado por Carlos Barretto, reúne três talentos num só espetáculo. Ao longo de 15 anos de existência, editaram cinco álbuns de enorme sucesso. O último destes registos, “Labirintos”, é o resultado do cruzamento inteletual e criativo destes artistas, que tem merecido elogios da crítica especializada nacional e internacional. Um dos mais antigos e prolíficos trios do jazz português vai estar no Quebrajazz.fest.

1 de julho

Zzaj Trio: Carlos Barretto – Contrabaixo Ricardo Toscano – Saxofone Paulo Bandeira – Bateria

Um trio que tem como base um reportório bastante vasto de standards, com arranjos atuais dos seus elementos. Os concertos caracterizam-se por uma forte improvisação, apresentando vários temas com profunda influência, dos ambientes onde estão a serem executados.

Com a genialidade de Carlos Barretto, o fantástico Ricardo Toscano e o virtuosismo de Paulo Bandeira, o anfiteatro urbano das Escadas do Quebra Costas vai ser a inspiração para uma performance inesquecível.

7 e 8 de julho

Gonçalo Leonardo Quarteto: Gonçalo Leonardo – Contrabaixo André Matos – Guitarra Yago Vasquez – Piano Tommy Crane – Bateria

Após uma estadia de dois anos em Nova Iorque, Gonçalo Leonardo regressa a Portugal com o seu disco de estreia. Apresenta-se em quarteto com André Matos, Yago Vazquez e Tommy Crane, com quem gravou do outro lado do Atlântico. Faz parte de uma nova geração de músicos de jazz portuguesa, apresentando-se agora como líder. As suas composições demonstram a sua personalidade e seus gostos musicais, que não esquecem as raízes nacionais.

14 e 15 de julho

Bittersweet – Marta Hugon: Marta Hugon – Voz Nelson Cascais – Contrabaixo Óscar Marcelino da Graça – Piano André Sousa Machado – Bateria

“Bittersweet”, o novo trabalho de originais de Marta Hugon, é um disco de emoções, sólido na interpretação, na composição e nos arranjos, onde pressentimos desde o início a dualidade que marca o repertório que lhe deu nome. É na individualidade da escrita das canções – em parceria com Filipe Melo – e na elegância e riqueza dos detalhes que nos deixamos seduzir. Acompanhada por músicos de créditos reconhecidos, Marta Hugon transporta-nos num passeio estilístico de charme, mas cheio de substância, onde espreitam as origens jazzísticas da cantora.

21 e 22 de julho

CBF Trio: Pedro Calero – Hammond Paulo Bandeira – Bateria André Fernandes – Guitarra

A união destes três músicos, em 2015, criou um projeto onde a exclusividade do som do órgão Hammond marca a personalidade do trio, dando lugar a sonoridades e matrizes muito diferentes de uma formação de jazz com baixo ou contrabaixo. O repertório é uma combinação de composições próprias e standards de jazz clássico com um sabor de blues, próprio deste tipo de instrumentação. A improvisação é o pilar fundamental da sua proposta, com a deriva da cumplicidade entre os componentes.

28 e 29 de julho

Quinteto Luís Cunha: Luís Cunha – Trompete e composição Nuno Costa – Guitarra Óscar Graça – Piano André Rosinha – Contrabaixo André Sousa Machado – Bateria

Este grupo, que conta com alguns dos mais criativos músicos portugueses de diferentes gerações, dá corpo mais recentes criações musicais, recentemente registadas num disco que sairá muito em breve. Neste disco realizam-se duas estreias: primeiro disco como líder e primeiro álbum como trompetista.

4 e 5 de agosto

Maria João / OGRE (electric trio): Maria João – Voz João Farinha – Fender Rhodes André Nascimento – Eletrónica

OGRE é a mais recente aventura de Maria João, um híbrido musical que mistura o jazz com a eletrónica. Um projeto com instrumentação invulgar e uma abordagem artística singular, que leva o público numa travessia pelo mundo dos sons, saltando fronteiras entre o digital e o analógico com a voz de Maria João a indicar o caminho!

11 e 12 de agosto

Amplectors: André Fernandes – Guitarra Óscar Marcelino da Graça – Piano Nelson Cascais – Contrabaixo Lopes Pereira – Bateria

“A ideia é que tu, que estás a ler este texto, fiques curioso com esta palavra de aspeto tão sofisticado e vás procurar na wikipedia o seu significado. Seguidamente, ficarás ainda mais intrigado com o que poderá ser a música de uma banda que adota tal palavra para se designar. Por último, procura um grupo de bons amigos entusiastas destas coisas e convida-os para virem descobrir as mais recentes composições do contrabaixista Nelson Cascais escritas para este seu novo grupo chamado ‘The Amplectors’.”

18 e 19 de agosto

Círculo: Rita Maria – Voz Luís Figueiredo – Piano Mário Franco – Contrabaixo

Três músicos que representam três pontos na linha curva que perfaz este Círculo. Em comum têm um núcleo criativo ao qual se subjugam para criar música original, independente, libertária e contemporânea.

25 e 26 de agosto

Trio João Barradas: João Barradas – Acordeão André Rosinha – Contrabaixo Bruno Pedroso – Bateria

João Barradas é o atual vencedor do Prémio Jovens Músicos 2016 (Categoria Jazz), no “Made in New York Jazz Competition”, tendo por júris nomes como Joe Lovano, Randy Brecker e Lenny White. Publicou um álbum, em novembro, na editora nova-iorquina “Inner Circle Music”, produzido por Greg Osby. É um dos acordeonistas mais influentes da sua geração e tem colaborado com alguns dos mais importantes músicos do mundo, tais como Greg Osby, Gil Goldstein, Fabrizio Cassol, Mark Colenburg, Jacob Sacks, Rufus Reid, Federico Malaman, Philip Harper, Bobby Sanabria, Tommy Campbell, Sérgio Carolino, Pedro Carneiro, entre outros.

1 e 2 de setembro

Quebra Ensamble: Jeffery Davis – Vibrafone Tomás Marques – Saxofone Gonçalo Neto – Guitarra Nelson Cascais – Contrabaixo Paulo Bandeira – Bateria + JAM SESSIONA

Vários músicos de referência do jazz nacional juntaram-se para formar o Quebra Ensamble que, enobrecendo o programa, vai encerrar a sexta edição do QuebraJazz.Fest em apoteose, com um repertório de clássicos e originais que ficarão na memória de todos.

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!

wpDiscuz