União Europeia reage a ciberataques que vêm da China

Diversas atividades cibernéticas maliciosas oriundas da China têm afetado instituições governamentais e políticas da União Europeia, e indústrias europeias importantes, com roubo de propriedade intelectual e espionagem. União Europeia reage através do Alto Representante.

0
União Europeia reage a ciberataques que vêm da China
União Europeia reage a ciberataques que vêm da China

A União Europeia (UE) está a ser alvo de várias atividades cibernéticas maliciosas a partir da China que afetam significativamente a economia, segurança, democracia e sociedade em geral e levaram a uma declaração do Alto Representante da UE, Josep Borrell, que exorta a China a tomar medidas para fazer parar os ciberataques.

O Alto Representante refere que “o comprometimento e a exploração do servidor Microsoft Exchange minou a segurança e a integridade de milhares de computadores e redes em todo o mundo, incluindo nos Estados-Membros e nas instituições da UE”.

Este comprometimento “permitiu o acesso a um número significativo de hackers que continuaram a explorar esse comprometimento até o momento. Este comportamento irresponsável e prejudicial resultou em riscos de segurança e perdas económicas significativas para as nossas instituições governamentais e empresas privadas, e mostrou repercussões significativas e efeitos sistémicos para a nossa segurança, economia e sociedade em geral”.

O Alto Representante indica: “Detetamos atividades cibernéticas maliciosas com efeitos significativos que visam instituições governamentais e organizações políticas na UE e nos Estados-Membros, bem como indústrias europeias importantes. Essas atividades podem ser vinculadas aos grupos de hackers conhecidos como Advanced Persistent Threat 40 e Advanced Persistent Threat 31 e foram conduzidas no território da China com o objetivo de roubo de propriedade intelectual e espionagem”.

“A UE e os seus Estados-Membros denunciam veementemente estas atividades cibernéticas maliciosas, realizadas em contradição com as normas de comportamento do Estado responsável aprovadas por todos os Estados-Membros da ONU” e por isso, “continuamos a instar as autoridades chinesas a aderir a essas normas e a não permitir que o seu território seja usado para atividades cibernéticas maliciosas, e a tomar todas as medidas adequadas e razoavelmente disponíveis e as medidas viáveis ​​para detetar, investigar e resolver a situação”.

“A UE e os seus Estados-Membros reafirmam o seu forte empenhamento num comportamento do Estado responsável para garantir um ciberespaço global, aberto, livre, estável e seguro. Para tanto, continuaremos a trabalhar no estabelecimento de um Programa de Ação sob os auspícios da ONU para fazer avançar e apoiar efetivamente os Estados a aderir ao comportamento do Estado responsável no ciberespaço” refere a declaração do Alto Representante.

Josep Borrell conclui: “Reiteramos nossa determinação em continuar a combater o comportamento malicioso no ciberespaço. Continuaremos a aprimorar nossa cooperação, incluindo com parceiros internacionais e outras partes interessadas públicas e privadas, por meio de uma maior troca de informações e envolvimento diplomático contínuo, fortalecendo a resiliência cibernética e a cooperação no tratamento de incidentes, bem como por meio de esforços conjuntos para melhorar a segurança geral de software e suas cadeias de abastecimento”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!