Web Summit: Testes para “Condutores” de IA de veículos autónomos

“Condutores” de veículos autónomos baseados em Inteligência Artificial devem ser submetidos a “Teste de Condução”, indicou Bryn Balcombe, na Web Summit, em Lisboa'. Um novo ITU Focus Group vai definir as regras para avaliar os “Condutores”.

0
Web Summit: Testes para “Condutores” de IA de veículos autónomos
Web Summit: Testes para “Condutores” de IA de veículos autónomos. Foto: Rosa Pinto

Os veículos autónomos podem em breve ter de passar por um “teste de condução“, antes de poderem sair para a estrada, indicou Bryn Balcombe da UIT, na Web Summit, em Lisboa.

Um novo ITU Focus Group, presidido por Bryn Balcombe da Autonomous Drivers Alliance (ADA), vai estabelecer padrões internacionais para monitorar e avaliar o desempenho dos “Condutores” de Inteligência Artificial (IA) responsáveis ​​pelo controlo de veículos autónomos.

A introdução de veículos autónomos é crucial na redução de 1,3 milhão de mortes que ocorrem nas estradas todos os anos, bem como os milhões de feridos. Os acidentes nas estradas são atualmente a principal causa de morte de crianças e jovens adultos dos 5 aos 29 anos, em todo o mundo, mais que as mortes causadas pelo HIV-SIDA e pela Tuberculose.

A chave para a integração perfeita dos veículos autónomos nas estradas é a confiança do público, pelo que o objetivo principal do Focus Group é validar se o comportamento de dirigir veículos autónomos apresenta evidências para justificar essa confiança do público.

“A conectividade e a automação mostram que prometem melhorar a segurança no trânsito”, referiu o secretário-geral da UIT, Houlin Zhao. “Este novo Focus Group da UIT é uma iniciativa bem-vinda para garantir que os sistemas dos veículos autónomos exibem o comportamento necessário para cumprir esta promessa”.

“Deveria haver um equivalente a um Teste de Turing para a Inteligência Artificial nas estradas?”, questionou Bryn Balcombe, Presidente do Focus Group, da Autonomous Drivers Alliance (ADA). “Absolutamente! Especialmente quando todos os motoristas, humanos ou de Inteligência Artificial, precisam de um entendimento partilhado para prever comportamentos e riscos”, concluiu.

O projeto foi desenvolvido a partir de uma discussão na terceira edição da AI for Good Global Summit, em Genebra, em maio deste ano, onde a ADA destacou a expectativa pública de que os “Condutores” da IA sejam mantidos nos mesmos padrões legais que os motoristas humanos e essa confiança pública só poderia ser garantida se o software fosse ‘tão bom’ ou ‘melhor’ do que esperávamos que um motorista humano fosse.

O Teste de Turing para estrada que é proposto pode tornar-se a base para uma Permissão Internacional de Condução para IA. O direito a essa “carta de condução” seria avaliado continuamente com base no desempenho comportamental do “condutor” da IA ​​enquanto estiver na estrada, assim como os condutores humanos podem ser avaliados.

O objetivo final do Focus Group é atender à expectativa do público de que:

A IA nunca se envolve em comportamento de condução descuidado, perigoso ou imprudente;

A IA permanece consciente, disposta e capaz de evitar colisões permanentemente;

A IA atende ou excede o desempenho de um motorista humano competente e cuidadoso.

O Focus Group da ITU sobre “IA para condução autónoma e assistida” está aberto a todas as partes interessadas e contribuirá para o desenvolvimento de padrões técnicos da ITU em apoio aos regulamentos globais de veículos intermediados pela Divisão de Transporte da UNECE.

Os objetivos do Focus Group estão alinhados, em particular, à proposta da UNECE de certificação de Sistemas de condução automatizada / autónoma para incluir “Condutores de teste do mundo real” e “Testes de Condução” usando um limiar de desempenho comparável a um motorista humano experiente.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!