Toyota P4 de condução autónoma apresentado na CES, EUA

Toyota Research Institute apresenta na CES, a 7 de janeiro, a última geração de veículos de teste para condução autónoma. O TRI-P4 é baseado no Lexus LS 500h e está dotado também do sistema automatizado Toyota Guardian.

0
Toyota P4 de condução autónoma apresentado na CES, EUA
Toyota P4 de condução autónoma apresentado na CES, EUA. Foto: DR

O Toyota Research Institute (TRI) apresenta o mais avançado veículo de teste para condução autónoma, o TRI-P4, na CES, (Exposição Internacional de Eletrónica de Consumo), Las Vegas, EUA, a 7 de janeiro. O P4 é baseado no Lexus LS e vai ser usado no desenvolvimento do sistema de condução autónoma e no sistema Guardian.

Ryan Eustice, vice-presidente sénior de condução autónoma do TRI, referiu: “O nosso desenvolvimento de Condução é focado na autonomia total, onde o condutor humano é essencialmente removido da equação, completamente em todos os ambientes, ou dentro de um domínio de condução restrito”,

“O Guardian, por outro lado, está a ser projetado para amplificar o desempenho do condutor humano ao volante, e não substituí-lo. A introdução da nova plataforma P4 pode ajudar a acelerar o desenvolvimento de ambas as linhas do objetivo”

O P4 beneficia da nova geração de tecnologia de controlo de direção e chassi da Lexus, que proporciona maior agilidade e permite manobras mais ágeis e responsivas durante a condução autónoma.

O P4 acrescenta duas câmaras adicionais para melhorar a consciência situacional nas laterais e dois novos sensores de imagem – um voltado para frente e outro para a traseira – projetados especificamente para veículos autónomos. Os sensores de imagem apresentam nova tecnologia. O sistema de radar foi otimizado para melhorar o campo de visão, especialmente para a deteção de curto alcance ao redor do perímetro do veículo. O sistema de deteção LIDAR com oito cabeças de varredura transita do modelo de teste anterior, Plataforma 3.0, transforma-se no novo design do veículo.

O P4 é um veículo de investigação muito mais inteligente que o seu antecessor. Com maior poder de computação, os seus sistemas podem operar mais algoritmos para uma aquisição de aprendizagem mais rápida. Pode processar as entradas do sensor mais rapidamente e reagir mais rapidamente ao ambiente circundante. Todo o poder do sistema de computação é agora extraído da bateria híbrida do veículo com a bateria de 12v a servir agora apenas como backup.

A caixa de computação no porta-malas serve como o “cérebro” do sistema de condução autónoma, e foi redesenhada para libertar espaço para o transporte de carga.

Scott Roller, designer-chefe sénior da CALTY Design Research, referiu: “Nós adotamos uma abordagem holística para integrar componentes autónomos no design do novo LS”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!