África erradica o poliovírus selvagem que causa poliomielite

Organização Mundial da Saúde declarou hoje que a África erradicou o poliovírus selvagem. “Agora as futuras gerações de crianças africanas podem viver livres da poliomielite selvagem”. Um marco histórico que teve o contributo de Nelson Mandela em 1996.

0
África erradica o poliovírus selvagem que causa poliomielite
África erradica o poliovírus selvagem que causa poliomielite. Foto: © Rosa Pinto

A Região Africana da Organização Mundial da Saúde (OMS) está livre do poliovírus selvagem, declarou a independente Africa Regional Certification Commission (ARCC) para a erradicação da Pólio. Trata-se da erradicação do segundo vírus da face do continente africano com a varíola a ser erradicada há 40 anos.

“Hoje é um dia histórico para África. A ARCC para erradicação da Pólio tem o prazer de anunciar que a Região cumpriu com sucesso os critérios de certificação para a erradicação da pólio selvagem, sem casos de poliovírus selvagem relatados na Região nos últimos quatro anos”, referiu Rose Gana Fomban Leke, presidente da Comissão Regional de Certificação da África.

A decisão da ARCC vem após um processo exaustivo de décadas de documentação e análise da vigilância da poliomielite, imunização e capacidade laboratorial dos 47 estados membros da região, que incluiu a realização de visitas de verificação em campo a cada país.

Em 1996, os Chefes de Estado africanos comprometeram-se a erradicar a poliomielite durante a Trigésima Segunda Sessão Ordinária da Organização da Unidade Africana em Yaoundé, Camarões. Na época, a poliomielite paralisavam cerca de 75.000 crianças, anualmente, no continente africano.

No mesmo ano, Nelson Mandela, com o apoio do Rotary International, deu início ao compromisso da África com a erradicação da pólio com o lançamento da campanha “Chute a Pólio para Fora de África”. O apelo de Mandela mobilizou nações africanas e líderes em todo o continente para intensificar esforços para alcançar todas as crianças com a vacina contra a poliomielite.

O último caso de poliovírus selvagem na região foi detetado em 2016 na Nigéria. Desde 1996, os esforços de erradicação da pólio evitaram até 1,8 milhão de crianças tivessem paralisia vitalícia e salvou aproximadamente 180.000 vidas.

“Este é um marco importante para a África. Agora as futuras gerações de crianças africanas podem viver livres da poliomielite selvagem”, referiu Matshidiso Moeti, Diretor Regional da OMS para África. “Essa conquista histórica só foi possível graças à liderança e compromisso de governos, comunidades, parceiros globais de erradicação da pólio e filantropos. Presto homenagem especial aos profissionais de saúde e aos que na linha da frente vacinavam as crianças, alguns dos quais perderam suas vidas, por esta nobre causa.”

“No entanto, devemos ficar vigilantes e manter as taxas de vacinação para evitar o ressurgimento do poliovírus selvagem e enfrentar a ameaça contínua da poliomielite derivada da vacina”, referiu Matshidiso Moeti.

Embora a erradicação do poliovírus selvagem da Região Africana da OMS seja uma conquista importante, 16 países da região estão a enfrentar surtos de cVDPV2, que podem ocorrer em comunidades subimunizadas.

“África demonstrou que apesar dos fracos sistemas de saúde e dos desafios logísticos e operacionais significativos em todo o continente, os países africanos colaboraram de forma muito eficaz na erradicação do poliovírus selvagem”, referiu Pascal Mkanda, Coordenador do Programa de Erradicação da Pólio da OMS na Região Africana.

“Com as inovações e experiência que o programa de poliomielite estabeleceu, estou confiante de que podemos sustentar os ganhos, pós-certificação e eliminar cVDPV2,” acrescentou o especialista.

“A experiência adquirida com a erradicação da poliomielite continuará a ajudar a região africana no combate ao COVID-19 e outros problemas de saúde que têm atormentado o continente durante anos e, em última instância, mover o continente em direção à cobertura universal de saúde. Este será o verdadeiro legado da erradicação da pólio em África ”, referiu Matshidiso Moeti.

Graças à dedicação da Iniciativa Global de Erradicação da Pólio, os casos de pólio foram reduzidos em 99,9% desde 1988, trazendo o mundo mais perto do que nunca para acabar com a pólio. A iniciativa é uma parceria global público-privada composta por governos nacionais; OMS; Rotary International; os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos; UNICEF; a Fundação Bill & Melinda Gates; Gavi, a Vaccine Alliance; e uma ampla gama de apoiantes de longa data.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!