“As Meninas e Mulheres, a Tradição e o Islão” em debate em Sintra

Conferência Internacional reúne lideranças religiosas na partilha de boas práticas no abandono das Práticas Tradicionais Nefastas, como a mutilação genital feminina. “As Meninas e Mulheres, a Tradição e o Islão”, decorre no Museu das Artes de Sintra, a 13 de abril.

0
“As Meninas e Mulheres, a Tradição e o Islão” em debate em Sintra
“As Meninas e Mulheres, a Tradição e o Islão” em debate em Sintra. Rosa Monteiro, Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade. Foto: © TVEuropa

Conferência Internacional com Lideranças Religiosas: As Meninas e Mulheres, a Tradição e o Islão, decorre no MU.SA – Museu das Artes de Sintra, no dia 13 de abril. Rosa Monteiro, Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, intervém pelas 9h30, na sessão de abertura da Conferência.

O objetivo da conferência é a partilha de experiências e perspetivas acerca dos direitos humanos das meninas e mulheres no contexto do Islão, com foco na erradicação da mutilação genital feminina e em outras práticas tradicionais nefastas.

A conferência é promovida pela Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade e organizada pelo Alto Comissariado para as Migrações e pela Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género, em parceria com a Câmara Municipal de Sintra e a associação P&D Factor.

Entre os participantes estão líderes religiosos ativos na Guiné-Bissau e em Portugal, bem como representantes da Comunidade Islâmica de Lisboa, da Fundação Islâmica de Palmela e do Comité Nacional para o Abandono de Práticas Nefastas da Guiné-Bissau. O programa inclui também representantes de instituições públicas e de organizações não-governamentais.

“O diálogo com as instituições religiosas é uma via para a promoção da igualdade de género. É com grande satisfação que contamos com lideranças muçulmanas de países onde a mutilação genital feminina, apesar de proibida, ainda continua a realizar-se neste trabalho de prevenção e combate às práticas tradicionais nefastas”, referiu Rosa Monteiro, citada em comunicado.

Prevenir e combater práticas como a mutilação genital feminina e os casamentos infantis, precoces e forçados é um dos objetivos estratégicos do Plano de Ação para a Prevenção e o Combate à Violência contra as Mulheres e à Violência Doméstica 2018-2021, aprovado em março de 2018 como parte integrante da Estratégia Nacional para a Igualdade e a Não-Discriminação 2018-2030 – Portugal + Igual.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!