Cancro: fumo do tabaco é a principal causa de morte

Em Portugal estima-se que 20% das mortes causadas por cancro são atribuíveis ao fumo do tabaco. Neste artigo o psicólogo e professor Paulo Vitória deixa dicas para deixar de fumar e faz desejos de uma boa viagem contra o cancro.

0
Paulo Vitória, Psicólogo e Professor
Paulo Vitória, Psicólogo e Professor. Foto: DR

Comemora-se a 4 de fevereiro o Dia Mundial da Luta Contra o Cancro, uma doença que mata, por ano, 10 milhões de pessoas no mundo e 30.000 em Portugal. Estes números tendem a agravar-se, uma vez que a incidência do cancro continua a subir em Portugal e na Europa.

Os objetivos do Dia Mundial da Luta Contra o Cancro são aumentar os conhecimentos sobre esta doença e promover ações eficazes para o seu controlo. Cerca de 40% das mortes causadas por cancro podem ser evitadas se forem adotadas as medidas adequadas de prevenção, deteção precoce e tratamento. É necessário insistir na mensagem que o cancro pode ser prevenido e que cada um deve proteger-se desta doença.

As causas evitáveis de cancro são conhecidas e o fumo do tabaco é a principal. Em Portugal estima-se que 20% das mortes causadas por cancro são atribuíveis a esta causa.

Deixar de fumar e evitar ambientes poluídos pelo fumo do tabaco são as melhores medidas individuais contra o cancro. Apresentamos a seguir algumas dicas para deixar de fumar, dirigindo-as a 4 grupos diferentes: 1) quem não pensa em deixar de fumar, 2) quem pensa em deixar de fumar nos próximos 6 meses, 3) quem pensa deixar de fumar nos próximos dias e 4) quem já parou de fumar.

Se não pensa em deixar de fumar, mas chegou até aqui na leitura deste texto, eis a sua dica: Informe-se melhor sobre as consequências de fumar e as vantagens de deixar de fumar. Não fumar é o melhor que pode fazer pela sua saúde. Mas ganha ainda bem-estar, confiança em si, facilidade em respirar e em fazer exercício, tempo e dinheiro e mais liberdade para os usar.

Se pensa em deixar de fumar nos próximos seis meses, deve estar a sentir o conflito entre esta vontade e a falta da confiança para avançar. A principal dica para si é enfrentar este conflito e resolvê-lo. Invista na motivação definindo os seus motivos para mudar. Aumente a sua confiança, informando-se sobre os métodos para deixar de fumar. Procure pessoas próximas que tenham realizado esta mudança e peça-lhes apoio.

Se pensa deixar de fumar nos próximos dias, prepare-se para dar este passo com segurança, dedicando tempo a conhecer e a controlar os seus hábitos tabágicos. Quais são os cigarros mais importantes para si? E aqueles que podia evitar sem dificuldade? Encare esta fase como se estivesse a preparar uma viagem e divirta-se. Consulte o seu médico de família. Existem medicamentos para deixar de fumar que são mais eficazes quando são tomados com acompanhamento médico.

Se já parou de fumar sinta o orgulho por ter realizado algo tão importante para si e para os seus familiares e amigos. Vai sentir vontade de fumar com alguma frequência… repita as vezes que for necessário que já não fuma e que agora é um(a) não fumador(a). Se estiver a tomar medicamentos, siga o plano terapêutico e não termine a medicação antes do tempo.

Para terminar desejamos uma boa viagem contra o cancro. Se sentir necessidade de mais informação ou apoio, não hesite em ligar para a linha do Serviço Nacional de Saúde (SNS 24: 808 242424).

Autor: Paulo Vitória, Psicólogo e Professor no Departamento de Ciências Médicas da Universidade da Beira Interior, e anterior membro do Conselho de Prevenção do Tabagismo e Coordenador da Linha SOS Deixar de Fumar.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!