Certificados de vacinação e de testes falsos negativos aumentam 500%

Venda de certificados de vacinação e de testes falsos negativos de COVID-19 abundam na Internet e ameaçam Certificado Digital Covid ou outros Passaportes COVID. Empresa de cibersegurança Check Point alerta que sem controlo global é facilitada a vida aos cibercriminosos.

0
Certificados de vacinação e de testes falsos negativos aumentam 500%
Certificados de vacinação e de testes falsos negativos aumentam 500%. Foto: © Rosa Pinto

A empresa de cibersegurança, Check Point, alerta para a ameaça de esquemas de falsa vacinação e certificação de testes negativos à COVID-19. Um esquema que é importante para o sucesso do programa do Reino Unido e da União Europeia relativo aos passaportes COVID-19. A empresa de cibersegurança indica que é necessário tomar medidas para combater as fraudes com os certificados que dominam em fóruns de hacking, na Dark Net e até em apps oficiais, como o Telegram.

O Certificado Digital Covid da União Europeia que deve entrar em vigor no dia 1 de julho, vai ser disponibilizado através um QR Code para smartphone ou em papel, que servirá de prova de como a pessoa está vacinada, imunizada por ter tido o vírus recentemente ou apresenta um resultado negativo de um teste PCR. Os viajantes do Reino Unido que já receberam as duas doses da vacina poderão utilizar a app do NHS como passaporte de vacina e é esperado que integrem o programa da União Europeia como país terceiro.

Há outros países que pretendem lançar os seus próprios passaportes COVID, como a República Checa, França e Alemanha. Sem uma abordagem global que garanta a verificação e validação destes certificados, as regras fragmentadas e ambíguas jogarão a favor dos hackers e cibercriminosos, alertam os investigadores da Check Point Research.

Os investigadores alertam que o número de revendedores de certificados forjados aumentou 500% entre março e maio, demonstrando que a procura por soluções que escapem à fiscalização é alta e tende a aumentar à medida que nos aproximamos da época das férias de Verão. Os clientes deste tipo de ofertas podem incluir desde pessoas que testaram positivo a pessoas que se recusam a fazer o teste ou a tomar a vacina, não esquecendo os utilizadores que, por desconhecimento, vão parar a domínios fraudulentos, acabando por concretizar a compra pensando que é legítima.

A Check Point relembra a importância de utilizar apenas aplicações provindas de fornecedores oficiais. Os viajantes devem estar especialmente atentos a erros ortográficos presentes nos domínios ou websites. Também os próprios QR Codes podem servir de gateway para a informação armazenada no dispositivo. Os hackers substituem o código legítimo por um que implemente um URL malicioso ou que resulte no download de malware personalizado aquando da digitalização. Depois, através do código malicioso, poderão ser roubadas credenciais de login utilizadas noutras aplicações do telefone – como apps bancárias ou de retalho – e até fazer pagamentos.

Rui Duro, Country Manager da Check Point Software em Portugal, refere: “O nosso apelo é para que os governos ajam em conjunto e rapidamente no sentido de combater o número crescente de vendas de certificados falsos, tanto no Telegram como na Dark Net. Sem um sistema central, será muito mais fácil para os hackers passar entre os pingos da chuva”.

“Também os próprios indivíduos devem estar relembrados que o QR code não é nada mais do que uma forma rápida e conveniente de aceder a um link, um link que muitas vezes lhes passa ao lado. Assim sendo, não é possível saber com certeza que o recurso é legítimo e o ataque pode ter-se iniciado. A União Europeia diz que os seus passaportes de vacinação serão seguros, mas os hackers tentarão sempre explorar novas oportunidades. Nós aconselhamos vivamente a utilização de soluções de segurança móvel que proteja os dispositivos e respetivos dados contra phishing, apps maliciosas e malware”, conclui o responsável da empresa de cibersegurança.

Os utilizadores de dispositivos como os telemóveis, devem instalar sistemas de proteção fornecidas por empresas de cibersegurança que incluam funcionalidades anti-malware, anti-phishing, navegação segura e anti-bot, e que garantam proteção em tempo-real contra as mais avançadas ameaças, como é o caso do ZoneAlarm Mobile Security, que é igualmente útil na proteção dos telemóveis pessoais de ransomware, roubo de dados e credenciais e redes Wi-Fi.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!