Consequências da COVID-19 no coração

COVID-19 é um teste de stress ao coração. Há relatos de complicações graves na saúde em doentes passado um longo período da infeção pela COVID-19. O que se sabe e não sabe atualmente é esclarecido por cardiologista da UC San Diego Health.

0
Consequências da COVID-19 no coração
Consequências da COVID-19 no coração. Lori Daniels, cardiologista da UC San Diego Health. Foto: UC San Diego Health Sciences

A pandemia de COVID-19 continua, e com o tempo cientistas, médicos e outros especialistas vão estudando os várias consequências para a saúde causadas pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, mas continua a saber-se pouco sobre as formas como a doença pode afetar o corpo a curto e a longo prazo.

Embora a maioria das pessoas recupere e retome a uma saúde normal após uma infeção por COVID-19, alguns indivíduos apresentam sintomas que podem durar muito tempo após a recuperação e têm vindo a ser relatados casos de complicações graves na saúde passado um longo período de terem estado infetados.

Há casos de inflamação do músculo cardíaco, que pode levar a um aumento do risco de distúrbios do ritmo cardíaco e insuficiência cardíaca – uma consequência rara, mas séria de uma infeção por COVID-19.

Lori Daniels, cardiologista da UC San Diego Health, EUA, refere que a COVID-19 parece servir como um “teste de stress” para o corpo, o que poderá explicar por que indivíduos com problemas cardíacos subjacentes correm mais risco de infeções graves por COVID-19.

Quais os efeitos da COVID-19 no coração?

A COVID-19 pode ter efeitos em muitos sistemas e órgãos do corpo, incluindo o coração e o sistema cardiovascular. A curto prazo, pode ter vários efeitos no coração.

Uma manifestação é o enfraquecimento do músculo cardíaco devido a um efeito direto do vírus à própria resposta inflamatória do corpo ou ao stress de uma doença crítica, podendo causar insuficiência cardíaca.

A COVID-19 pode resultar em enfartes do miocárdio – também conhecidos como ataques cardíacos – precipitando a rutura da placa nas artérias cardíacas ou criando um esforço excessivo no coração.

Também se está a observar um aumento nos distúrbios do ritmo cardíaco devido à COVID-19. Além disso, a COVID-19 pode causar inflamação do pericárdio, que é a bolsa que envolve o coração, o que pode levar ao acumular de fluido ao redor do coração. Finalmente, COVID-19 pode predispor o corpo a coágulos sanguíneos, que podem formar-se nas artérias do coração, no cérebro ou em outros vasos sanguíneos.

A longo prazo, há evidências de que a COVID-19 pode causar inflamação contínua do músculo cardíaco ou miocardite e, potencialmente, fibrose ou cicatrizes no coração. Mas a frequência com que isto pode acontecer e o porquê de persistir em determinadas pessoas, é um tanto controverso e está a ser estudado ativamente. Alguns pacientes após a recuperação da COVID-19 também relataram sensações contínuas de batimento cardíaco ou palpitações.

Além desses problemas, também observamos problemas cardíacos que não são devidos diretamente ao vírus em si, mas são causados ​​por atrasados no tratamento de outros problemas cardíacos, como ataques cardíacos e insuficiência cardíaca, pelo receio e medo de ir ao hospital durante a pandemia. Isso é extremamente mau, já que o tratamento no hospital é seguro, mas atrasar o atendimento para essas emergências médicas pode ser mortal.

Como a COVID-19 afeta o sistema circulatório em geral?

O vírus é capaz de afetar diretamente o revestimento dos vasos sanguíneos, também conhecido como endotélio. Esta pode ser uma das razões pelas quais os pacientes com COVID-19 são propensos a coágulos sanguíneos nas pernas, pulmões e cérebro.

Isso já aconteceu com outros vírus, como a gripe?

A gripe também pode ter efeitos extensos na inflamação e no sistema de coagulação, e pode ser um gatilho para eventos cardiovasculares. No entanto, em geral, esses efeitos da COVID-19 são muito mais potentes. Os distúrbios de coagulação também podem acontecer com a gripe, mas novamente parecem ser mais comuns e mais graves na COVID-19. Embora a influenza e outros vírus também possam ter efeitos desproporcionais em indivíduos com doença cardiovascular subjacente, a COVID-19 tem uma taxa de mortalidade e letalidade ainda mais alta, bem como um risco aumentado de resultados adversos na população de alto risco.

Por que os AVCs estão vinculados à COVID-19?

A COVID-19 parece causar um estado de hipercoagulabilidade no corpo, que é um risco aumentado de formação de coágulos sanguíneos. Há uma variedade de manifestações dessa condição induzida pela COVID-19, desde assintomática a coágulos sanguíneos nas veias profundas das pernas, nos pulmões ou nas artérias das extremidades, até coagulação severa generalizada. Coágulos microscópicos também foram encontrados nos pulmões quando são examinados na autópsia. Quando os coágulos sanguíneos se formam nas artérias do cérebro, isso leva a um derrame.

A razão para o estado de pró-coagulação na COVID-19 não é clara, mas pode estar relacionada com a lesão de células endoteliais pelo vírus, imobilização prolongada entre pacientes que sofrem de infeção pela COVID-19 levando a estase (estagnação) de sangue e alterações induzidas por vírus em fatores sanguíneos circulante como fatores de coagulação e ativação de plaquetas.

Por que os indivíduos com doenças cardíacas subjacentes correm mais risco de infeções graves pela COVID-19?

Existem algumas razões pelas quais as doenças cardíacas subjacentes colocam os indivíduos em maior risco de infeções pela COVID-19. Quando um indivíduo tem um músculo cardíaco mais fraco ou bloqueios nas artérias cardíacas, isso pode enfraquecer a sua capacidade de lutar e sobreviver a uma doença grave.

No cenário de uma infeção grave como a COVID-19, há menos oxigénio a entrar no sangue, bem como febres, inflamação, problemas de coagulação sanguínea e pressão arterial instável, todos eles colocam exigem hemodinâmicas significativas ao coração. Indivíduos com coração mais fraco podem não ser capazes de suportar esses fatores de stresse.

Além disso, condições como diabetes e obesidade, que estão associadas a doenças cardíacas e também a infeções graves pela COVID, são consideradas condições inflamatórias que podem enfraquecer a resposta imunológica, piorar a reação inflamatória e / ou aumentar a vulnerabilidade das células endoteliais, potencializando a infeção.

Outras razões biológicas também foram propostas, incluindo a regulação positiva por medicamentos e condições médicas subjacentes dos recetores ACE2, que o SARS-CoV-2 usa para entrar nas células. No entanto, esta é uma área de investigação em curso.

O que podemos fazer para nos proteger-mos?

As pessoas com condições médicas subjacentes podem ajudar a proteger-se e / ou prevenir casos COVID-19 graves seguindo um estilo de vida saudável, gerindo adequadamente as condições médicas como diabetes e hipertensão, entre outras, seguindo uma dieta saudável, mantendo exercícios regulares e respeitando a toma dos medicamentos prescritos.

No caso de pacientes com doença cardíaca especificamente, incluindo hipertensão, a investigação mostrou que entre os pacientes hospitalizados pela COVID-19, aqueles que estavam a tomar os medicamentos para pressão arterial, especialmente Estatinas, antes do internamento hospitalar tinham um risco significativamente menor de morrer de COVID-19 ou de desenvolver uma infeção de COVID-19 grave.

E, como sempre, a prevenção é o melhor remédio. Continuar a usar máscara em público quando estiver perto de outras pessoas, evitar ficar em ambientes fechados sem máscara com pessoas de fora de casa, lavar as mãos com frequência e logo que seja possível tomar a vacina.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!