CoolFarm leva inovação na produção de legumes à Coreia do Sul

A empresa CoolFarm, que pretende revolucionar a agricultura tradicional, vai estar durante cinco meses em Seoul, Coreia do Sul, a testar a implementação o sistema inovador CoolFarm in/store de produção de vegetais.

0
1
Partilhas
João Igor, presidente da CoolFarm, à esquerda, Jonathan Hwaseong Jeon, CEO da CNTTech, ao centro e Chong Kim, Diretor de Business e Marketing na Coreia do Sul, à direita
João Igor, presidente da CoolFarm, à esquerda, Jonathan Hwaseong Jeon, CEO da CNTTech, ao centro e Chong Kim, Diretor de Business e Marketing na Coreia do Sul, à direita. Foto: DR

A CoolFarm, empresa portuguesa que vende soluções tecnológicas para a agricultura, foi convidada pela República da Coreia do Sul e com o apoio da aceleradora CNT Tech a estar presente em Seoul durante os próximos 5 meses, para testar a implementação da inovação portuguesa, o CoolFarm in/store.

Uma inovação de tecnologia inteligente para a produção de vegetais “frescos, nutritivos e deliciosos, durante todo o ano, em ambiente limpo e interior, sem desperdícios e com máxima segurança.”

João Igor, cofundador da CoolFarm, refere, citado em comunicado da empresa, que vão estar “entre Seoul, Tokyo e Hong Kong para reuniões com empresas de prestígio internacional, como são exemplos a Samsung, o grupo Jardines e a LG. Para além das negociações de venda e distribuições do CoolFarm in/store, para o retalho e hotelaria através dessas gigantes corporações, a CoolFarm está ainda em conversações com o governo Coreano para a introdução do CoolFarm in/store nas cantinas de escolas e universidades”.

O responsável pela CoolFarm sublinha: “Na Coreia do Sul têm surgido graves problemas no setor alimentar, como, por exemplo, a recente contaminação dos ovos com o pesticida ‘fipronil’. Hoje, mais do que nunca os coreanos exigem transparência sobre a produção dos alimentos que consomem.”

Para João Igor “a má qualidade dos legumes produzidos é um facto constante e uma consequência da forte poluição do ar, dos solos, da água, e do uso abundante de pesticidas e herbicidas. Desta forma, é prioridade para o governo Coreano combater o desgaste dos recursos naturais e produzir mais e melhor comida para os seus habitantes, tendo sempre em consideração a sustentabilidade.”

“A adoção da tecnologia portuguesa CoolFarm é assim uma grande oportunidade para a nossa empresa e para a Ásia, pois vem proporcionar aos consumidores fácil acesso aos vegetais frescos de qualidade superior, produzidos localmente e em ambiente limpo, sem o uso de pesticidas e herbicidas, e poupando o máximo de recursos”, referiu o responsável pela empresa, e conclui: “O CoolFarm in/store permite aos locais de consumo menos desperdício de comida e mais rentabilidade.”

Para a CoolFarm o objetivo é permanecer na Coreia do Sul, e a partir daí expandir o negócio por toda a Ásia, uma grande região onde o consumo de legumes é de 73% do total global.

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!

wpDiscuz