COP25: Conferência do Clima em Madrid com grandes ambições

A Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas - COP25 é rampa de lançamento para uma significativamente maior ambição climática. Responsáveis de Governos de todo o mundo reúnem-se em Madrid de 2 a 13 de dezembro.

0
COP25: Conferência do Clima em Madrid com grandes ambições
COP25: Conferência do Clima em Madrid com grandes ambições. Patrícia Espinosa, secretária executiva da ONU para as Mudanças Climáticas. Foto: ONU

No momento em que a emergência climática global está a intensificar-se devido ao contínuo crescimento das emissões de gases de efeito estufa, os governos reúnem-se em Madrid, de 2 a 13 de dezembro, na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas – COP25, para tomarem decisões cruciais no processo de mudanças climáticas.

A conferência ocorre sob a Presidência do Governo do Chile mas é realizada com o apoio logístico do Governo da Espanha.

Patrícia Espinosa, secretária executiva da ONU sobre Mudanças Climáticas, referiu: “Este ano, vimos a aceleração dos impactos das mudanças climáticas, incluindo secas crescentes, tempestades e ondas de calor, com consequências terríveis para a erradicação da pobreza, saúde humana, migração e desigualdade”.

“A pequena janela de oportunidade do mundo para lidar com as mudanças climáticas está a fechar-se rapidamente. Precisamos de preparar com urgência todas as ferramentas da cooperação multilateral para tornar a COP25 como plataforma de lançamento de uma maior ambição climática, para colocar o mundo num caminho transformacional em direção ao baixo carbono e resiliência”, referiu a responsável da ONU.

Um dos principais objetivos da COP25 é elevar a ambição geral também ao concluir vários aspetos importantes em relação à operacionalização total do Acordo de Mudanças Climáticas de Paris.

Na COP24, na Polónia, a maior parte das diretrizes de implementação do Acordo de Paris foi acordada, com exceção do Artigo 6 do Acordo de Paris.

O artigo 6 diz respeito ao fornecimento de diretrizes sobre como os mercados internacionais de clima devem funcionar, como um componente-chave da caixa de ferramentas económicas mundiais para enfrentar as mudanças climáticas.

Mas na COP25 vão tratadas outras questões como a adaptação, perdas e danos, transparência, finanças, capacitação, questões indígenas, oceanos, florestas, género e outras. O financiamento e a tecnologia são considerados cruciais nos países em desenvolvimento para “esverdearem” as economias e desenvolverem resiliência.

“Embora se tenha visto algum progresso em relação ao financiamento relacionado ao clima para os países em desenvolvimento, continuaremos pedir aos países desenvolvidos para cumprirem sua promessa de mobilizar anualmente 100 mil milhões de dólares até 2020”, referiu Patrícia Espinosa.

A responsável da ONU acrescentou: “Também devemos ver que os fluxos financeiros globais refletem a profunda transformação em toda a sociedade de que precisamos: longe de investimentos pesados ​​em carbono e em direção a um crescimento mais sustentável e resiliente. Gotas no balde não são suficientes: precisamos de uma mudança radical”.

COP25 para definir o cenário para NDC melhorados

Em 2020, os países devem enviar novos planos de ação climáticos nacionais ou planos atualizados, chamados Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC).

Um Relatório do Programa Ambiental das Nações Unidas, publicado esta semana, indica que se as emissões globais de gases de efeito estufa caiam 7,6% por ano entre 2020 e 2030, o mundo perderá a oportunidade de seguir um caminho com o objetivo de diminuir a temperatura em 1,5°C definido no Acordo de Paris. O que exige que a ambição coletiva vai precisar de aumentar mais cinco vezes em relação aos níveis atuais para proporcionar os cortes necessários na próxima década para a meta de 1,5°C.

“Os atuais NDC permanecem inadequados”, referiu Espinosa. “Se continuarmos com a nossa trajetória atual, estima-se que as temperaturas globais possam mais possam duplicar até o final deste século, o que terá enormes consequências negativas para a humanidade e ameaçará nossa existência no planeta. Precisamos de uma mudança imediata e urgente na trajetória”.

“Para estabilizar o aumento da temperatura global em 1,5 graus Celsius até o final deste século, precisamos reduzir as emissões em 45% até 2030 e alcançar a neutralidade climática em 2050. Trata-se de um desafio extremamente difícil, mas é absolutamente necessário para o cumprimento das metas de saúde e segurança de todos, neste planeta, tanto a curto como a longo prazo”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!