Coronavírus 2019-nCoV: medidas da OMS para aeroportos e portos internacionais

Organização Mundial da Saúde faz um conjunto de recomendações a serem implementadas para reforçar a prevenção na transmissão do coronavírus em viajantes, e aconselha medidas para aeroportos e portos internacionais.

0
Coronavírus 2019-nCoV: medidas da OMS para aeroportos e portos internacionais
Coronavírus 2019-nCoV: medidas da OMS para aeroportos e portos internacionais. Foto: © Rosa Pinto

A Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que, até o momento, os principais sinais e sintomas clínicos relatados no atual surto de vírus incluem febre, dificuldade em respirar e as radiografias de tórax mostram infiltrados pulmonares bilaterais.

Hoje, 24 de janeiro de 2020, a transmissão do coronavírus entre pessoas foi confirmada em grande parte na cidade chinesa de Wuhan e também noutras localidades e fora da China, no entanto, ainda “não e sabe o suficiente sobre a epidemiologia de 2019-nCoV para tirar conclusões definitivas sobre todas as características clínicas da doença, a intensidade da transmissão de humano para humano e a fonte original do surto”.

Viajantes internacionais: ter as precauções habituais

Os coronavírus são uma grande família de vírus respiratórios que podem causar doenças que variam deste uma comum constipação até à Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS) e à Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS). No caso se manifestarem sintomas sugestivos da doença respiratória aguda, antes, durante ou após uma viagem, os viajantes devem procurar atendimento médico e artilhar o histórico das viagens com o médico.

A OMS recomenda que as autoridades de saúde pública forneçam aos viajantes informações para reduzir o risco de infeções respiratórias agudas, através de profissionais de saúde, clínicas, agências de viagens, operadores de transporte e portos e aeroportos.

As recomendações padrão da OMS para o público em geral, para reduzir a exposição e a transmissão de uma série de doenças incluem a higiene das mãos e vias respiratórias e práticas alimentares seguras:

Lavar as mãos com frequência usando produtos à base de álcool ou sabão e água;

Ao tossir e espirrar, cubra a boca e o nariz com o interior do cotovelo ou com tecido, deve deitar fora o tecido e lavar imediatamente as mãos;

Evite contato próximo com pessoas com febre e tosse;

Se tiver febre, tosse e dificuldade em respirar, procurar atendimento médico com antecedência e partilhar o histórico de viagens anteriores com o médico;

Ao visitar mercados em locais com casos declarados de novos coronavírus, evite o contato direto desprotegido com animais vivos e superfícies que estão em contato com animais;

O consumo de produtos de origem animal crua ou mal cozida deve ser evitado. Carne crua, leite ou órgãos de animais devem ser manuseados com cuidado, para evitar a contaminação cruzada com alimentos não cozidos, conforme boas práticas de segurança alimentar.

Medidas de saúde relacionadas com tráfego internacional

O surto atual teve origem na cidade chinesas de Wuhan, que é um importante centro de transporte nacional e internacional. Dados os grandes movimentos populacionais, que devem aumentar significativamente durante o Ano Novo Chinês, na última semana de janeiro, é previsível que se venham a confirmar novos casos de transmissão entre pessoas em outros locais e países.

Para limitar o risco de exportação ou importação da doença pelo novo coronavírus a OMS recomenda que sejam implementadas medidas que não limitando o trafego internacional possam assegurar minimizar esse risco. As autoridades chinesas determinaram que todas as reuniões públicas desnecessárias ou não essenciais não serão aprovadas durante o Festival da Primavera, que começa em 25 de janeiro.

A OMS recomenda que sejam feitos rastreios na saída em países ou áreas com transmissão contínua do novo coronavírus 2019-nCoV, que é o que atualmente decorre na China. Fazer rastreios na saída em aeroportos e portos internacionais nas áreas afetadas, com o objetivo de detetar precoce de viajantes com sintomas para avaliação e tratamento adicionais e, assim, impedir a exportação da doença e minimizar a interferência no tráfego internacional.

Incentivar o rastreio em aeroportos domésticos, estações ferroviárias e rodoviárias

O rastreio de saída inclui a verificação de sinais e sintomas, como febre acima de 38 °, tosse, entrevista de passageiros com sintomas de infeção respiratória que saem das áreas afetadas em relação à exposição potencial a contatos de alto risco ou à fonte presumida de animais, direcionando os viajantes sintomáticos a exame médico, seguido de testes ao 2019-nCoV e manutenção de casos confirmados em isolamento e tratamento.

Os viajantes que tiveram contato com casos confirmados ou exposição direta a uma fonte potencial de infeção devem ser colocados sob observação médica. Pessoas com alto risco devem evitar viagens durante o período de incubação, até 14 dias.

Implemente campanhas de informação de saúde nos pontos de entrada para aumentar a conscientização sobre a redução do risco geral de infeções respiratórias agudas e as medidas necessárias, caso um viajante desenvolva sinais e sintomas sugestivos de infeção com o 2019-nCoV e como este pode obter assistência.

Conselho para a rastreio na entrada em países ou áreas sem transmissão do novo coronavírus 2019-nCoV

As evidências mostram que o rastreio de temperatura para detetar possíveis casos suspeitos na entrada pode deixar passar os viajantes que estão a incubar a doença ou os viajantes que escondem febre durante a viagem, e exigir investimentos substanciais. No entanto, durante o atual surto com o novo coronavírus 2019-nCoV, a maioria dos casos exportados foi detetada através do rastreio de entrada. O risco de importação da doença pode ser reduzido com a triagem de temperatura se associada à deteção precoce de passageiros com sintomas e ao encaminhamento para acompanhamento médico.

O rastreio de temperatura deve sempre ser acompanhado pela disseminação de mensagens de comunicação de risco. Isso pode ser feito por meio de pósteres, folhetos, boletim eletrónico, etc., com o objetivo de conscientizar os viajantes sobre sinais e sintomas da doença e incentivar o comportamento de procura de cuidados de saúde, incluindo quando procurar atendimento médico e relatar seu histórico de viagens.

As autoridades de saúde pública devem reforçar a colaboração com os operadores das companhias aéreas para gerir casos a bordo de aeronaves e relatórios, caso um viajante com sintomas de doenças respiratórias seja detetado, de acordo com as orientações da IATA para a tripulação de cabine para gerir suspeitas de doenças transmissíveis a bordo de uma aeronave.

Os conselhos anteriores sobre procedimentos para um viajante doente detetados a bordo de um avião e os requisitos para as capacidades de RSI nos pontos de entrada permanecem inalterados, com a que foi publicado pela OMS, em 10 de janeiro de 2020.

A OMS desaconselha a aplicação de quaisquer restrições ao tráfego internacional com base nas informações atualmente disponíveis neste evento.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!