COVID-19: Comissão Europeia quer mais restrições a viagens entre países

Comissão Europeia pretende que as viagens fiquem reduzidas apenas às essenciais. Nas viagens entre Estados-Membros deve ser exigido um teste negativo à COVID-19 nas 72 horas anteriores à viagem e em casos de maior risco a obrigação de quarentena.

0
COVID-19: Comissão Europeia quer mais restrições a viagens entre países. Didier Reynders. Foto: © UE

Devido às novas variantes do coronavírus e ao elevado número de novas infeções em muitos Estados-Membros, a Comissão Europeia considera que é necessário desencorajar fortemente as viagens não essenciais, para que se evite simultaneamente encerramentos de fronteiras ou proibições gerais de viagens e se garanta o funcionamento do Mercado Único e das cadeias de abastecimento.

A Comissão Europeia propõe uma coordenação adicional em duas áreas em que os Estados-Membros já concordaram em trabalhar em conjunto:

Uma atualização do código de cores acordado para o mapeamento das áreas de risco;
Medidas mais rígidas aplicadas a viajantes de áreas de maior risco.

O Comissário da Justiça, Didier Reynders, disse: “O acordo em outubro sobre uma abordagem coordenada da UE para as restrições de viagens foi um grande passo em frente nos nossos esforços para conter a disseminação do COVID-19, preservando as viagens essenciais e o funcionamento do Mercado Único. O mapa comum e uma abordagem comum para restrições proporcionais e não discriminatórias ainda devem guiar nossos esforços. O que precisamos agora, tendo em conta as novas variantes, é ainda mais coordenação e um esforço europeu conjunto para desencorajar viagens não essenciais. O encerramento de fronteiras não vai ajudar, mas medidas comuns vão. ”

Uma atualização para o código de cores

Para além das cores existentes de verde, laranja, vermelho e cinzento, a Comissão propõe adicionar o “vermelho escuro” para indicar as zonas onde o vírus circula a níveis muito elevados. Neste caso a uma área onde a taxa de notificação de 14 dias é superior a 500 por 100.000 pessoas.

O Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC, sigla do inglês) continuará a publicar versões atualizadas do mapa com base nos dados fornecidos pelos Estados-Membros.

Medidas mais rígidas para viajantes de áreas de alto risco

A Comissão Europeia propõe que todas as viagens não essenciais sejam fortemente desencorajadas até que a situação epidemiológica tenha melhorado consideravelmente. Isto refere-se especialmente a viagens de e para áreas “vermelhas escuras”. Ao fazê-lo, os Estados-Membros devem assegurar a coerência com as medidas que aplicam às viagens dentro do seu próprio território.

Para as pessoas que viajam de uma área “vermelha escura”, os Estados-Membros devem exigir:

um teste antes da chegada;

e sejam submetidos à quarentena, conforme recomendado pelo Comité de Segurança Sanitária e atualmente praticado por vários Estados Membros.

À medida que a capacidade de teste aumentou, os Estados-Membros poderiam fazer uma maior utilização dos testes antes da partida também para as áreas atualmente mapeadas como ‘laranja’, ‘vermelho’ ou ‘cinza’. As pessoas que regressam ao seu Estado-Membro de residência devem ser autorizadas a fazer um teste após a chegada.

Tendo em conta os riscos associados a um número muito elevado de novas infeções, a Comissão recomenda, com base nas orientações do ECDC, que os Estados-Membros concordem em adotar, manter ou reforçar as intervenções não farmacêuticas, como medidas de permanência em casa e o encerramento temporário de certas empresas, em particular em áreas classificadas como ‘vermelho escuro’, para fortalecer os testes e rastreamento e para aumentar a vigilância e o sequenciamento de casos COVID-19 para coletar informações sobre a disseminação de novas variantes mais infeciosas do coronavírus.

Pessoas que vivem em regiões de fronteira devem estar isentas de algumas das restrições de viagem. Se precisarem frequentemente de atravessar a fronteira, por exemplo por motivos familiares ou de trabalho, não devem ser submetidos a quarentena e a frequência dos testes exigidos deve ser proporcional. Se a situação epidemiológica em ambos os lados da fronteira for semelhante, não deve ser imposto a obrigatoriedade de teste.

Os Estados-Membros devem também procurar evitar perturbações nas viagens essenciais, nomeadamente para manter os fluxos de transporte em conformidade com o sistema das “Corredores Verdes” e evitar perturbações na cadeia de abastecimento.

Dado o risco aumentado, os viajantes essenciais, como profissionais de saúde, pessoas que viajam por motivos familiares ou de negócios que chegam de áreas ‘vermelho-escuro’ também devem fazer o teste e passar pela quarentena, desde que isso não tenha um impacto desproporcional no exercício das suas funções ou necessidade essencial.

Os trabalhadores dos transportes, cuja exposição à população em geral durante as viagens é normalmente limitada, não devem ser colocados em quarentena e, em princípio, devem estar isentos dos testes relacionados com viagens. As mesmas isenções devem ser aplicadas quando viajantes essenciais estão em trânsito.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!