COVID-19: OMS recomenda não realizar viagens internacionais

OMS recomenda que as pessoas com 60 anos ou mais não devem fazer viagens internacionais, bem como todas as pessoas com comorbidades que aumentem o risco de COVID-19 grave, como é o caso das doenças cardíacas, diabetes e cancro, entre outras.

0
COVID-19: OMS recomenda não realizar viagens internacionais
COVID-19: OMS recomenda não realizar viagens internacionais. Foto: © Rosa Pinto

A Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou recentemente uma orientação sobre viagens internacionais no contexto da pandemia COVID-19. Fazem parte das orientações algumas recomendações e princípios para viajantes internacionais:

Não devem viajar as pessoas com confirmação de estarem infetadas, com probabilidade e suspeitos de estarem infetadas​, e contatos ou prováveis contactos de casos já confirmados

Não devem viajar as pessoas com qualquer sinal ou sintoma compatível com COVID-19, a não ser que o teste de diagnóstico COVID-19 tenha sido realizado e os sintomas não estejam relacionados com a COVID-19.

Devem adiar viagem as pessoas que não estejam perfeitamente de saúde.

Devem adiar viagem as pessoas em risco de desenvolver doença grave de COVID-19, incluindo pessoas com 60 anos de idade ou mais ou as que possuam comorbidades que apresentem risco aumentado de COVID-19 grave (por exemplo, doença cardíaca, cancro e diabetes).

Não devem ser autorizadas a viajar para fins não essenciais as pessoas que residem em áreas onde as restrições de movimento em toda a comunidade estão em vigor.

Durante ou após a viagem em caso de sintomas sugestivos de doença respiratória aguda, os viajantes devem procurar atendimento médico e compartilhar o seu histórico de viagens com o médico

As autoridades de saúde devem trabalhar com os setores de viagens, transporte e turismo para fornecer aos viajantes, incluindo de e para os países afetados pelas novas variantes, as informações completas sobre riscos e restrições.

As orientações da OMS também fornece aos países uma abordagem baseada em risco para a tomada de decisão, calibrando as medidas de mitigação de risco relacionadas a viagens no contexto de viagens internacionais, com o objetivo de reduzir a exportação associada a viagens, importação e transmissão posterior de SARS-CoV-2 enquanto evitando interferências desnecessárias no tráfego internacional.

Alguns países introduziram recentemente restrições a viagens como medida de precaução em resposta ao aparecimento de novas variantes. A OMS recomenda que todos os países adotem uma abordagem baseada no risco para ajustar as medidas no contexto das viagens internacionais, o que inclui avaliar a transmissão local, a capacidade dos serviços de saúde, o que se sabe sobre o nível de transmissibilidade de variantes específicas; impacto social e econômico das restrições; e adesão às medidas públicas de saúde e sociais. As autoridades nacionais são incentivadas a publicar sua metodologia de avaliação de risco e a lista de países de partida ou áreas às quais se aplicam restrições; e estes devem ser atualizados regularmente.

Os países também devem assegurar que as medidas que afetam o tráfego internacional sejam baseadas em riscos, baseadas em evidências, coerentes, proporcionais e limitadas no tempo.

A OMS indica que em todas as circunstâncias, viagens essenciais (por exemplo, equipas de emergência; prestadores de suporte técnico de saúde pública; pessoal crítico no setor de transporte e segurança, como marítimos; repatriações; e transporte de carga para suprimentos essenciais, como alimentos, medicamentos e combustível) identificados pelos países devem ser facilitados e ter sempre prioridade.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!