EMA: Vacina da AstraZeneca deve ser administrada como segunda dose

Agência Europeia de Medicamentos recomenda que seja administrada a segunda dose da vacina COVID-19 da AstraZeneca com a mesma vacina. Análise mostra que os benefícios da vacinação aumentam com a idade e as taxas de infeção.

0
EMA: Vacina da AstraZeneca deve ser administrada como segunda dose
EMA: Vacina da AstraZeneca deve ser administrada como segunda dose. Foto: TVEuropa/UE

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) recomenda que seja dada continuidade à administração de uma segunda dose da vacina COVID-19 da AstraZeneca (Vaxzevria), entre 4 e 12 semanas após a administração da primeira.

A EMA lembra que a vacina Vaxzevria está autorizada na União Europeia (UE) para prevenir a COVID-19. Uma doença que pode causar uma condição de saúde grave e a morte. A doença também pode ter consequências de longo prazo em pessoas de todas as idades, inclusive em pessoas saudáveis.

Os benefícios do Vaxzevria superam os riscos em adultos de todas as idades. No entanto, ocorreram casos muito raros de coágulos sanguíneos com nível baixo de plaquetas após a vacinação que a EMA analisou no contexto dos benefícios da vacina para diferentes grupos de idade e diferentes taxas de infeção. Uma análise pode mudar à medida que novos dados se tornem disponíveis, refere a Agência.

Benefícios e riscos conhecidos de Vaxzevria

É evidente que a vacina Vaxzevria é eficaz na prevenção de hospitalizações, admissões em unidades de cuidados intensivos (UCI) e mortes por COVID-19. Os efeitos colaterais mais comuns são geralmente leves ou moderados e melhoram em alguns dias. Os efeitos colaterais mais graves são casos muito raros de coágulos sanguíneos incomuns com baixo nível de plaquetas. Casos que ocorrem em 1 em cada 100.000 pessoas vacinadas. As pessoas devem procurar assistência médica se apresentarem sintomas.

Dados por grupos de idade e taxas de infeção

O estudo da EMA permitiu analisar os benefícios da vacina e o risco de coágulos sanguíneos incomuns com plaquetas baixas em diferentes grupos de idade no contexto das taxas de infeção mensal.

A análise verificou que a prevenção de hospitalizações, admissões em UCI e mortes devido ao COVID-19, com base em diferentes pressupostos da eficácia da vacina para contextualizar a ocorrência desses coágulos sanguíneos incomuns, mostrou que os benefícios da vacinação aumentam com o aumento da idade e das taxas de infeção.

A EMA indica que os dados disponíveis em toda a UE não foram considerados suficientes para fornecer um contexto mais aprofundado sobre os benefícios e riscos relacionados com o sexo.

A EMA conclui que a eficácia da vacina é de 80% ao longo de um período de quatro meses, e que a relação risco-benefício da vacina, permanece positiva para adultos em todas as faixas etárias.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!