ERC atribui subvenções de Prova de Conceito a quatro investigadores portugueses

Comissão Europeia, através do Conselho Europeu de Investigação (ERC), atribuiu subvenções a quatro portugueses bolseiros ERC, num total individual máximo de 150 mil euros, para explorarem o potencial comercial dos seus projetos de investigação.

0
ERC atribui subvenções de Prova de Conceito a quatro investigadores portugueses
ERC atribui subvenções de Prova de Conceito a quatro investigadores portugueses. Foto: TVEuropa

O Conselho Europeu de Investigação (ERC, sigla do inglês) atribuiu um financiamento complementar a 50 bolseiros, dos quais quatro portugueses, com o objetivo com o objetivo de explorar o potencial comercial ou social dos resultados da investigação que tem sido financiada pelo ERC.

As subvenções de Prova de Conceito são financiadas pelo Programa Horizonte 2020, para a investigação e inovação da União Europeia (UE). Estas subvenções “desempenham um papel decisivo ao ajudar muitos beneficiários do ERC a criarem o seu próprio negócio, criarem postos de trabalhos e comercializarem as suas ideias inovadoras que mudam o quotidiano dos cidadãos europeus”, referiu Carlos Moedas, Comissário Europeu responsável pela Investigação, Ciência e Inovação e pelo programa Horizonte 2020.

Os projetos liderados por investigadores portugueses que vão receber um apoio individual de 150 mil euros de subvenção de “Prova de Conceito” são os seguintes:

CAPSEL – Integração de películas finas capacitadoras, termoelétricas e fotovoltaicas para conversão e armazenamento eficiente de energia, liderado pela investigadora Isabel Maria Mercês Ferreira, na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa;

WEAR – Bases neurais de arrancamento em subcircuitos de gânglios basais, liderado pelo investigador Rui Manuel Marques Fernandes da Costa, na Fundação Champalimaud;

VeCare – Princípios de mapeamento vascular orientados por polaridade axial, liderado pelo investigador Cláudio Franco, no Instituto de Medicina Molecular;

Inanovac4cancer – Nanovetores de silicone poroso multiestados e multifuncionais para teragnósticos direcionados, liderado pelo investigador Hélder Almeida Santos, na Universidade de Helsínquia.

Carlos Moedas indicou que foi com grande satisfação que vê “mais quatro beneficiários portugueses, em que três subvenções vão para portugueses em instituições de investigação em território nacional e outra para um investigador português a trabalhar no estrangeiro.”

Cada uma das subvenções de Prova de Conceito (PoC), são no valor máximo de 150 mil euros, um valor que pode ser utilizado para explorar oportunidades de negócio, preparar pedidos de patentes ou verificar a viabilidade prática dos conceitos científicos.

Num estudo recente o ERC indicou que este tipo de financiamento tem ajudado os cientistas bolseiros do ERC a criar novas empresas e a atrair capital para tornar os seus trabalhos de investigação comercializáveis.

As subvenções PoC estão abertas apenas a bolseiros do ERC, e desde 2011 mais de 800 bolseiros já receberam estas subvenções PoC. Os bolseiros podem candidatar-se todos os anos numa das três fases do concurso. O orçamento para 2018 é de 20 milhões de euros.

As novas subvenções foram concedidas a investigadores que desenvolvem o seu trabalho em 16 países, o que corresponde a dois bolseiros da Áustria, quatro da Bélgica, um da Croácia, um da Dinamarca, dois da Finlândia, seis da França, dois da Alemanha, um da Irlanda, três de Israel, cinco da Itália, dois dos Países Baixos, três de Portugal, um da Eslováquia, sete de Espanha, três da Suíça e sete do Reino Unido.

Futuros convites à apresentação de candidaturas e prazos

O prazo para um bolseiro do ERC se candidatar para aceder ainda este ano a subvenção termina hoje, 11 de setembro de 2018. Em outubro vai abrir o concurso PoC para 2019, com um montante suplementar de 5 milhões de euros disponíveis para as subvenções PoC do próximo ano, que vão ter também três fases de financiamento.

O ERC indicou que em 2019 vai testar a utilização de montantes fixos como modo de financiamento simplificado, a fim de comparar essa abordagem com o método atual (que é baseada na declaração de custos reais).

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!