Investigador da UMinho ganha bolsa para estudar ansiedade e stress crónico

Tiago Gil Oliveira, da Escola de Medicina da Universidade do Minho, ganha bolsa da Brain & Behavior Research Foundation, para estudos do hipocampo e do seu papel no contexto de ansiedade e stress crónico.

0
Investigador da UMinho ganha bolsa para estudar ansiedade e stress crónico
Investigador da UMinho ganha bolsa para estudar ansiedade e stress crónico. Tiago Gil Oliveira. Foto: DR

Tiago Gil Oliveira, do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde (ICVS) da Escola de Medicina da Universidade do Minho (UMinho), acaba de ganhar um financiamento de 70 mil dólares da Brain & Behavior Research Foundation, para apoio ao projeto de investigação, “Phospholipase D1 Ablation Disrupts Mouse Longitudinal Hippocampal Axis Organization and Functioning”.

O projeto tem como objetivo desenvolver novas metodologias da avaliação da estrutura e da função do hipocampo e perceber o seu papel no contexto de ansiedade e stress crónico.

Para Tiago Gil Oliveira este financiamento “é um bom indicador de que o projeto tem interesse e vai ajudar a equipa de investigação a atingir os seus objetivos, aliados há minha experiência com modelos animais, que utilizei em projetos anteriores, e enquanto neurorradiologista, que é a minha prática clínica”.

“É importante perceber que o hipocampo é uma estrutura do lobo temporal, no cérebro, fundamental para a aprendizagem e para a memória. A ideia é que o stress crónico e a ansiedade podem produzir alterações significativas na memória e na forma como percecionamos o espaço”, explicou Tiago Gil Oliveira.

Assim, “o que nos propomos a fazer neste projeto é tentar encontrar essas alterações no hipocampo por ressonância magnética, utilizando aparelhos de última geração, que permitem avaliar com detalhe alterações em modelos animais, a partir de diferentes metodologias, para que consigamos estudar as várias sub-regiões do hipocampo como mediadores das alterações associadas a estas patologias. Este passo importante será possível graças à parceria com o Instituto Neurospin, em Paris”, referiu o investigador.

Tiago Gil Oliveira concluiu: “No futuro, gostaríamos de aplicar estas metodologias de identificação de diferentes sub-regiões do hipocampo como biomarcadores associados ao diagnóstico de patologias de saúde mental, como a depressão, o stress e a ansiedade, e até como resposta potencial à terapêutica, o que nos pode ajudar a fazer um diagnóstico mais preciso na prática clínica. Estas são algumas das potenciais aplicações que podem abrir novas perspetivas no futuro com estudos humanos”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!