No Constantino Nery há Schumann e Brahms por Jorge Moyano

No Teatro Municipal de Matosinhos-Constantino Nery, o pianista Jorge Moyano traz Schumann e Brahms até Matosinhos com diversas sonatas destes grandes mestres da história da música. Uma oportunidade para assistir e escutar em 13 de abril a partir das 21h30.

0
No Constantino Nery há Schumann e Brahms por Jorge Moyano
No Constantino Nery há Schumann e Brahms por Jorge Moyano

A música dos grandes génios do romantismo regressa amanhã a Matosinhos pela mão do pianista Jorge Moyano. O recital que terá início às 21h30, no Teatro Municipal de Matosinhos-Constantino Nery, incluirá peças de Robert Schumann e do seu discípulo Johannes Brahms, dois nomes incontornáveis da história da música, nomeadamente o “Arabesque, op.18” e a “Fantasia, op.17”, de Schumann, e “Sonata em Fá menor, op.5”, de Brahms.

Na sua origem, a “Fantasia op.17” (1836) foi concebida como uma sonata e seria a contribuição de Schumann para o monumento de homenagem a Beethoven, a erigir em Bona por iniciativa de F. Liszt. Já “Fantasia” expressa a tensão resultante da separação forçada de Clara Schumann – a jovem pianista prodígio com quem viria a casar em 1840 –, cujo pai havia proibido qualquer contacto entre ambos. “Só podes compreender a ‘Fantasia’ se recuares àquele infeliz verão em que renunciei a ti (…). O primeiro andamento é aquilo que de mais apaixonado escrevi, é um lamento dilacerante pela tua ausência”, escreveu Robert a Clara, anos depois.

Em outubro de 1853, um jovem de 20 anos de idade bateu à porta do casal Schumann, levando consigo algumas sonatas para piano. Tratava-se de Johannes Brahms e, ao ouvi-lo, Schumann pressente nele um génio, palavra que anota no seu diário. Na revista de crítica musical que dirige escreve que J. Brahms (1833-1897) transforma o piano numa orquestra e que as sonatas são como que sinfonias disfarçadas. Isso é particularmente evidente na terceira sonata, op.5, a qual, pela sua dimensão e pelo modo como os temas são tratados, desenvolvidos e variados, pode considerar-se uma digna sucessora das últimas sonatas de Beethoven.

Jorge Moyano nasceu em 1951 e concluiu em 1968 o Curso Superior de Piano no Conservatório Nacional de Música de Lisboa. Detentor de diversos prémios nacionais, exerce atualmente funções docentes e mantém atividade como concertista com atuações em diversos países. Tem também atuado com variadas orquestras, nomeadamente a Gulbenkian, a Sinfónica Portuguesa, a Nacional do Porto, a Metropolitana de Lisboa, a Sinfónica de Tóquio e a Orquestra de Câmara da Comunidade Europeia. Editou um CD com obras de Robert Schumann.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!