OMS e UNICEF não conseguem entregar ajuda médica aos afegãos

Organização Mundial da Saúde e UNICEF pedem livre acesso para entrega de bens de saúde no Afeganistão. Bens de saúde podem salvar vidas de milhões de pessoas, incluindo as das pessoas forçadas a deslocarem-se apenas nos últimos dois meses.

0
OMS e UNICEF não conseguem entregar ajuda médica aos afegãos
OMS e UNICEF não conseguem entregar ajuda médica aos afegãos . Foto: © UNICEF/arquivo

O Diretor Regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a Região Leste e Mediterrâneo, Ahmed Al-Mandhari, e o Diretor Regional do UNICEF para o Sul da Ásia, George Laryea-Adjei, referem que “à medida que as necessidades humanitárias aumentam no Afeganistão, a capacidade de responder a essas necessidades está a diminuir rapidamente”.

A OMS e a UNICEF pedem acesso imediato e livre para entregar remédios e outros bens de saúde que podem salvar a vidas de milhões de pessoas que precisam de ajuda, incluindo 300.000 pessoas forçadas a deslocarem apenas nos últimos dois meses.

“Embora o foco principal nos últimos dias tenha sido as operações aéreas para a evacuação de afegãos vulneráveis, as enormes necessidades humanitárias que a maioria da população enfrenta não devem – e não podem – ser negligenciadas. Mesmo antes dos eventos das últimas semanas, o Afeganistão representou a terceira maior operação humanitária do mundo, com mais de 18 milhões de pessoas necessitando de assistência.

OMS e a UNICEF empenhados em ajudar o povo do Afeganistão

“Como nenhuma aeronave comercial tem permissão para aterrar em Cabul, não temos como levar suprimentos para o país e para os necessitados. Outras agências humanitárias têm restrições semelhantes”, referem os responsáveis da OMS e da UNICEF.

Na atual situação “a OMS e a UNICEF apelam ao estabelecimento imediato de uma ponte aérea humanitária para entrega sustentada e desimpedida de ajuda ao Afeganistão. Também estamos acompanhando de perto todas as Nações Unidas e parceiros internacionais para explorar opções para agilizar os envios de ajuda”.

Nos primeiros dias da intervenção dos talibãs no Afeganistão “a OMS e a UNICEF – como todas as outras agências da ONU – deram prioridade à segurança de nosso pessoal. Mas o nosso trabalho continuou mesmo quando as hostilidades pioraram. Continuamos comprometidos em permanecer no Afeganistão” e para dar resposta “às necessidades de milhões de afegãos que permanecem no país”.

A OMS e a UNICEF alertam que o “conflito, deslocação, seca e a pandemia COVID-19 estão a contribuir para uma situação complexa e desesperante no Afeganistão. As Agências Humanitárias precisam de ser apoiadas e facilitadas para responder às enormes e crescentes necessidades do Afeganistão e garantir que ninguém morra desnecessariamente por falta de acesso à ajuda”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!