OMS: É urgente reiniciar o combate global à tuberculose

Pandemia de COVID-19 agravou situação da tuberculose no mundo. Para a Organização Mundial da Saúde o uso de testes moleculares de diagnóstico rápido e deteção auxiliada por computador para interpretar radiografias de tórax podem ser recursos importantes.

0
OMS: É urgente reiniciar o combate global à tuberculose
OMS: É urgente reiniciar o combate global à tuberculose

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que em 2020 tenha aumentado 1,4 milhão de pessoas com tuberculose (TB) que não receberam tratamento, em relação a 2019. Os países com maior número são a Indonésia com 42%, África do Sul com 41%, Filipinas com 37% e a Índia com 25%.

“Os efeitos da COVID-19 vão muito além da morte e da doença causadas pelo próprio vírus. A interrupção dos serviços essenciais para pessoas com tuberculose é apenas um exemplo trágico de como a pandemia que está a afetar desproporcionalmente algumas das pessoas mais pobres do mundo, que já corriam maior risco de contrair tuberculose ”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, Diretor-Geral da OMS.

“Esses dados preocupantes apontam para a necessidade de os países fazerem da cobertura universal de saúde uma prioridade fundamental à medida que respondem e se recuperam da pandemia, para garantir o acesso a serviços essenciais para tuberculose e todas as doenças”, acrescentou o responsável da OMS.

Para a OMS é fundamental construir sistemas de saúde para que todos possam obter os serviços de que precisam. E lembra que alguns países já tomaram medidas para mitigar o impacto da COVID-19 na prestação de serviços, com o fortalecimento do controlo de infeções; expansão do uso de tecnologias digitais para fornecer aconselhamento e suporte remotos, e o fortalecimento da prevenção e tratamento da TB no domicílio.

Mas muitas pessoas com TB não têm acesso aos cuidados de que precisam. Isso leva a OMS a temer que mais de meio milhão de pessoas possam ter morrido de tuberculose em 2020, simplesmente porque não conseguiram obter um diagnóstico.

Mas a OMS refere que não se trata de um problema novo: antes da COVID-19 surgir, a diferença entre o número estimado de pessoas que desenvolvem TB por ano e o número anual de pessoas oficialmente diagnosticadas com TB era de cerca de 3 milhões. Mas a pandemia agravou enormemente a situação.

Para a OMS uma maneira de resolver a situação pode passar pelo recurso a exames de TB melhorados que permitam para identificar rapidamente as pessoas com infeção ou doença de TB.

O recurso ao uso de testes moleculares de diagnóstico rápido, o uso de deteção auxiliada por computador para interpretar a radiografia de tórax e o uso de uma gama mais ampla de abordagens para o diagnóstico de TB em pessoas que vivem com VIH, são meios que podem auxiliar no combate à TB.

Mas não serão suficientes. Em 2020, o Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas emitiu um conjunto de 10 recomendações prioritárias que os países devem seguir. As recomendações incluem a ativação de liderança de alto nível e ação em vários setores para uma redução urgente de mortes por tuberculose; o aumento de financiamento; o avançar na cobertura universal de saúde para prevenção e atenção à TB; e uma abordagem à resistência aos medicamentos, promovendo os direitos humanos e intensificando a investigação sobre TB.

“Durante séculos, as pessoas com tuberculose têm estado entre as mais marginalizadas e vulneráveis. A COVID-19 intensificou as disparidades nas condições de vida e capacidade de acesso aos serviços dentro e entre os países ”, referiu Tereza Kasaeva, Diretora do Programa Global de TB da OMS.

A especialista concluiu: “Devemos agora fazer um esforço renovado para trabalharmos juntos para garantir que os programas de TB sejam fortes o suficiente para serem atendidos durante qualquer emergência futura – e procurar maneiras inovadoras de fazer isso.”

Uma nova orientação emitida pela OMS no Dia Mundial da Tuberculose tem o objetivo de ajudar os países a identificar as necessidades específicas das comunidades, as populações com maior risco de TB e os locais mais afetados, para garantir que as pessoas tenham acesso aos serviços de prevenção e cuidados mais adequados.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!