Operação global detetou 1600 crimes de poluição marinha em 30 dias

Operação a nível global contra a poluição marinha detetou 1600 crimes no mês de março de 2021. A operação coordenada pela Interpol e ao nível europeu pela Europol e Frontex detetou 500 atos ilegais de poluição e 130 casos de tráfico de resíduos.

0
Operação global detetou 1600 crimes de poluição marinha em 30 dias
Operação global detetou 1600 crimes de poluição marinha em 30 dias. Foto: DR

Uma grande operação, que envolveu 300 agências em 67 países, incluindo Portugal, contra a poluição marinha, de 1 a 30 de março de 2021. A operação foi coordenada na parte europeia pela Europol e pela Frontex, como parte do plano de ação EMPACT sobre crimes ambientais, e a INTERPOL coordenou as atividades a nível globais.

A operação permitiu identificação de inúmeros crimes, desde descarga ilegal até tráfico de lixo e investigação de milhares de suspeitos em todo o mundo. Uma ação que ocorreu após cinco meses de recolha e análise de informação.

A operação em março levou as seguintes ações:

Foram realizadas 34 000 inspeções no mar e nas vias navegáveis ​​interiores, zonas costeiras e portos;

Verificaram-se 1 600 crimes de poluição marinha;

Foram detetados 500 atos ilegais de poluição cometidos no mar, incluindo descargas de óleo, desmantelamento ilegal de navios e emissões de enxofre de navios;

Foram Identificados 1 000 crimes de poluição nas zonas costeiras e nos rios, incluindo descargas ilegais de contaminantes;

Foram detetados 130 casos de tráfico de resíduos pelos portos.

A Europol esclarece que a partir de um largo conjunto de bancos de dados e recursos analíticos da INTERPOL, os países foram capazes de ligar o crime de poluição com outros crimes graves, como fraude, corrupção, evasão fiscal, lavagem de dinheiro, pirataria e pesca ilegal.

Criminosos aproveitam-se da pandemia

A pandemia de COVID-19 levou a que muitos recursos de fiscalização fossem ocupados no seu combate e os criminosos rapidamente exploraram as vulnerabilidades crescentes em diferentes áreas do crime, incluindo o crime ambiental.

A Europol indica que as inspeções revelaram formas típicas de crimes de poluição marinha, desde descargas de navios até o tráfico de resíduos por via marítima, mas também tendências criminais que têm crescido em meio à pandemia.

A operação permitiu expor uma importante rede criminosa de tráfico de resíduos plásticos entre a Europa e a Ásia tendo desencadeando a cooperação entre autoridades de ambas as regiões.

Até ao momento foram presos 22 suspeitos e impedidos de serem enviados ilegalmente para a Ásia milhares de toneladas de lixo, indica a Europol, que acrescenta que é muito provável que os resíduos tenham sido despejados ali, contaminando os solos e gerando considerável lixo marinho.

A Europol refere que vários países da Europa, Ásia e África relataram diversos carregamentos ilegais de resíduos de metal contaminados ou misturados falsamente declarados como resíduos de metal. A Guarda Costeira italiana apreendeu e evitou que 11.000 toneladas de resíduos de metal misturados com plástico, borracha, óleo mineral e outros contaminantes fossem carregados em graneleiros com destino à Turquia.

Também foi relatado pela Namíbia, Filipinas e Croácia casos de remessas ilegais de resíduos da Europa.

Para a Diretora Executiva da Europol, Catherine De Bolle, “a poluição marinha é uma ameaça séria, que põe em perigo não só o meio ambiente, mas também a nossa saúde e, a longo prazo, a nossa economia global.”

Catherine De Bolle refere: “Os criminosos não se preocupam com o meio ambiente; eles não pensam no amanhã, mas apenas em aumentar seus lucros à custa de nossa sociedade. Os esforços consolidados de aplicação da lei, como a operação 30 Dias no Mar, são essenciais para combater esses crimes sem fronteiras e proteger nosso patrimônio ambiental para as gerações futuras.”

O secretário-geral da INTERPOL, Jürgen Stock, esclarece: “A ameaça do crime de poluição está em constante evolução, colocando em risco o ar que respiramos, nossa água e nosso solo, e acrescentou que através da rede global “vimos o número de inspeções mais do que dobrar desde a primeira edição: um sinal claro de que a comunidade internacional não tolerará ataques criminosos ao nosso meio ambiente.”

“O crime ambiental é uma das muitas atividades criminosas alvos da Frontex como parte da nossa missão como Agência Europeia da Guarda Costeira e de Fronteiras. Esta é a nossa contribuição para a proteção do meio ambiente. Estou orgulhoso de que, como parte do 30 Dias no Mar, os ativos aéreos e marítimos da Frontex monitoraram quase 1 000 navios ”, disse o Diretor Executivo da Frontex, Fabrice Leggeri.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!