Operação policial contra crime internacional prende 166 suspeitos

Polícia portuguesa envolvida numa operação internacional contra o crime internacional no sudeste da Europa, que levou à prisão de 166 suspeitos, dezenas de armas de fogo e vários tipos de drogas. A operação contou com o apoio da Europol e de outras agências.

0
Operação policial contra crime internacional prende 166 suspeitos,
Operação policial contra crime internacional prende 166 suspeitos, Foto: Europol

Uma operação conjunta de autoridades policiais de 34 países, que incluiu Portugal, no combate ao crime internacional organizado e grave originário do sudeste da Europa levou à prisão de 166 pessoas suspeitas de vários tipos crimes.

A operação de quatro dias apoiada pela Europol teve como objetivo combater a imigração ilegal e o tráfico de armas de fogo e drogas. Crimes que são prioridades essenciais da Plataforma Multidisciplinar Europeia contra as Ameaças Criminais (EMPACT, sigla do inglês).

A Europol, em comunicado, indicou que durante o período da operação, que decorreu na passada semana, foram controlados mais de 390 000 indivíduos e 44 000 veículos em locais transfronteiriços e em locais suspeitos de tráfico de criminosos.

A operação culminou com a prisão de 166 pessoas em vários países europeus por suspeita de várias ações ilegais:

17 por tráfico de armas de fogo ou posse ilegal de armas de fogo
72 por contrabando de migrantes ou imigração ilegal
37 por tráfico de drogas
7 por armas de fogo e tráfico de drogas
12 por fraude de documentos
1 por mandado de prisão internacional
19 por outros crimes não relacionados com a operação policial

Além disso, os investigadores apreenderam 51 armas de diferentes tipos e 47 kg de uma variedade de drogas.

Na operação estiveram envolvidos os Estados-Membros da União Europeia: Áustria, Bulgária, Croácia, Chipre, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Irlanda, Itália, Hungria, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Holanda, Polónia, Portugal, Roménia, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Suécia, mas também outros países como a Albânia, Bósnia e Herzegovina, Kosovo, Moldávia, Montenegro, Macedônia do Norte, Sérvia, Suíça, Reino Unido, Ucrânia, Estados Unidos.

Agências da União Europeia: Europol, Eurojust, Frontex, e os parceiros internacionais e institucionais: INTERPOL, UNODC, PCC-SEE, CCWP, PA / 2019 contra o crime organizado e grave nos Balcãs Ocidentais, SEESAC, também fizeram parte da operação que envolveu 8.838 agentes policiais, incluindo policias, guardas de fronteira terrestre, marítima e aérea e agentes alfandegários.

Sobre a operação o tenente da Guardia Civil espanhola, Pedro García Vázquez, que liderou a ação policial, referiu: “As agências de aplicação da lei estão preparadas para combater o crime organizado internacionalmente, conduzindo operações de alto impacto, apesar da pandemia global de COVID-19, e os cidadãos podem ter certeza de que continuamos a procurar e inovar nas investigações criminais. Esta operação mostra os resultados que alcançamos quando as autoridades policiais nacionais em toda a Europa, agências da UE como a Europol e Frontex e agências internacionais como a INTERPOL e as Nações Unidas trabalham em conjunto”.

O chefe do Centro de Crimes Organizados Graves da Europol, Jari Liukku, também referiu, citado em comunicado, que “os criminosos da região do Sudeste da Europa estão a expandir cada vez mais sua rede de influência. A Europol está empenhada em trabalhar estreitamente com esta região e apoiar uma abordagem coordenada internacional e de apoio mútuo para combater a criminalidade grave e organizada. Esta operação é um sucesso notável e exemplifica esta forte cooperação com a aplicação da lei. ”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!