Paciente de COVID-19 submetida a transplante duplo de pulmão

Jovem de 20 anos, paciente de COVID-19, foi submetida a transplante duplo de pulmão no Northwestern Medicine, EUA. A paciente esteve seis semanas na Unidade de Cuidados Intensivos ligada a um ventilador e a uma máquina de suporte à vida.

0
Paciente de COVID-19 submetida a transplante de pulmão duplo
Paciente de COVID-19 submetida a transplante duplo de pulmão. Foto: Northwestern Medicine

Pela primeira vez, cirurgiões dos Hospitais da Northwestern Medicine, EUA, realizaram um transplante duplo de pulmão numa paciente em que os pulmões foram danificados pela COVID-19. A paciente, uma jovem mulher hispânica de 20 anos, passou seis semanas na Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) de COVID, presa a um ventilador e com oxigenação por membrana extracorpórea (ECMO), uma máquina de suporte à vida que faz o trabalho do coração e dos pulmões.

No início de junho, os pulmões da paciente apresentavam danos irreversíveis. A equipa de transplante de pulmão inscreveu-a para um transplante de pulmão duplo e, 48 horas depois, realizou o procedimento de transplante no Northwestern Memorial Hospital.

“Um transplante de pulmão era sua única hipótese de sobrevivência”, garantiu Ankit Bharat, chefe de cirurgia torácica e diretor cirúrgico do Programa de Transplante de Pulmão da Northwestern Medicine.

O cirurgião esclareceu: “Somos um dos primeiros sistemas de saúde a realizar com sucesso um transplante de pulmão num paciente em recuperação de COVID-19. Queremos que outros centros de transplante saibam que, embora o procedimento de transplante nestes pacientes seja tecnicamente desafiador, ele pode ser feito com segurança e oferece aos pacientes com doença terminal de COVID-19 outra opção para a sobrevivência.”

Beth Malsin, especialista em pneumologia e cuidados intensivos no Northwestern Memorial Hospital, explicou: “Durante muitos dias, ela era a pessoa mais doente da UCI de COVID, e possivelmente de todo o hospital”.

“Muitas vezes, de dia e de noite, a nossa equipa teve de reagir rapidamente para a ajudar a oxigenar e apoiar os outros órgãos da paciente para garantir que se mantivessem saudáveis ​​o suficiente para apoiar um transplante se e quando a oportunidade surgisse. Um dos momentos mais emocionantes foi quando o primeiro teste de coronavírus deu de novo negativo e tivemos o primeiro sinal de que ela poderia ter eliminado o vírus e tornando-se elegível para um transplante”, descreveu a pneumologia.

Para Ankit Bharat foi “devido à capacidade do programa ECMO da Northwestern Medicine de apoiar pacientes com insuficiência pulmonar com risco de vida” que permitiu que a paciente obteve “o tempo suficiente para remover o vírus do corpo, e permitiu considerar o transplante”.

No entanto, durante a permanência da paciente na UCI de COVID no Northwestern Memorial Hospital, enquanto o corpo eliminava o vírus, os pulmões encontravam-se danificados além da possibilidade de recuperação. “Mas como é que uma mulher saudável com 20 anos chegou a esse ponto? Ainda há muito a aprender sobre a COVID-19. E porque é que alguns casos são piores que outros? A equipa multidisciplinar de investigação da Northwestern Medicine está a tentar descobrir”, referiu Rade Tomic, pneumologista e diretor clínico do Programa de Transplante de Pulmão.

“A COVID-19 leva a danos significativos nos pulmões dos pacientes que apresentam doenças graves”, acrescentou Michael Ison, especialista em doenças infeciosas e transplante de órgãos na Northwestern Medicine. “Abrir a porta para os pacientes que recuperaram da infeção para o transplante de pulmão oferece um potencial caminho para a recuperação”.

“O fato de termos conseguido transplantar esta paciente de maneira rápida e segura é uma prova da infraestrutura e do conhecimento das nossas equipas de atendimento clínico e de investigação”, referiu Rade Tomic. “Embora esta jovem ainda tenha um longo e potencialmente arriscado caminho de recuperação, dada a doença que teve com disfunção de múltiplos órgãos nas semanas anteriores ao transplante, esperamos que ela faça uma recuperação completa”.

Os Hospitais da Northwestern Medicine realizam procedimentos de transplante de pulmão em pacientes com todas as formas de doenças pulmonares em estágio terminal. A maioria dos pacientes elegíveis para transplante de pulmão depende do oxigénio para passar o dia e se sofrem de fibrose pulmonar, fibrose cística, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), outras doenças pulmonares avançadas com recurso a um ventilador ou ECMO. Após o transplante de pulmão, mais de 85 a 90% dos pacientes têm uma sobrevivência de um ano e relatam total independência no dia-a-dia.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!