Pandemia COVID-19 coloca em risco a vida de milhões de crianças

Paragens nos serviços de saúde infantil e materna devido à pandemia COVID-19 colocam milhões de vidas em risco. UNICEF, Organização Mundial da Saúde e outras agências alertam que milhões de crianças, especialmente recém-nascidas, podem morrer.

0
Pandemia COVID-19 coloca em risco a vida de milhões de crianças
Pandemia COVID-19 coloca em risco a vida de milhões de crianças. Foto: © UNICEF/Poveda

O número global de mortes de crianças com menos de cinco anos caiu para o valor mais baixo em 2019, ao atingir as 5,2 milhões de mortes quando em 1990 era de 12,5 milhões, indicam novas estimativas de mortalidade divulgadas pela UNICEF, a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Divisão de População do Departamento de Assuntos Económicos e Sociais das Nações Unidas e o Grupo do Banco Mundial.

Desde 2019, no entanto, investigações da UNICEF e da OMS revelam que a pandemia de COVID-19 levou a grandes paragens nos serviços de saúde, que ameaçam décadas de progresso devido a um árduo trabalho.

“A comunidade global foi longe demais para eliminar as mortes evitáveis ​​de crianças para permitir que a pandemia de COVID-19 pare esse caminho”, referiu Henrietta Fore, Diretora Executiva da UNICEF. “Quando as crianças não têm acesso aos serviços de saúde porque o sistema está sobrecarregado, e quando as mulheres têm medo de dar à luz no hospital por medo de infeção, elas também podem tornar-se vítimas da COVID-19. Sem investimentos urgentes para reiniciar sistemas e serviços de saúde interrompidos, milhões de crianças menores de cinco anos, especialmente recém-nascidos, podem morrer.”

Nos últimos 30 anos, os serviços de saúde para prevenir ou tratar as causas da morte infantil, como prematuridade, baixo peso ao nascer, complicações durante o parto, sepse neonatal, pneumonia, diarreia e malária, bem como vacinação, desempenharam um grande papel na economia de milhões de vidas.

Agora, países em todo o mundo estão a parar os serviços de saúde infantil e materna, como exames de saúde, vacinações e cuidados pré-natal e pós-natal, devido a restrições de recursos e um mal-estar geral com o uso de serviços de saúde devido ao medo de contrair a COVID-19.

Uma investigação da UNICEF realizada durante este verão, em 77 países, descobriu que quase 68% dos países relataram pelo menos alguma paragem nos exames de saúde para crianças e nos serviços de imunização. Além disso, 63% dos países relataram paragens nos exames pré-natal e 59% nos cuidados pós-natal.

Uma investigação recente da OMS baseada nas respostas de 105 países revelou que 52% dos países relataram paragens nos serviços de saúde para crianças doentes e 51% nos serviços de tratamento da desnutrição.

Intervenções de saúde como essas são críticas para impedir mortes evitáveis ​​de bebés e crianças. Por exemplo, as mulheres que recebem cuidados por parteiras profissionais treinadas de acordo com os padrões internacionais têm 16% menos probabilidade de perder o bebé e 24% menos probabilidade de ter parto prematuro, indicou a OMS.

“O fato de hoje mais crianças viverem para ver seu primeiro aniversário do que em qualquer outro momento da história é uma verdadeira marca do que pode ser alcançado quando o mundo coloca a saúde e o bem-estar no centro da resposta”, referiu Tedros Adhanom Ghebreyesus, Diretor-Geral da OMS. “Agora, não devemos permitir que a pandemia COVID-19 retroceda um progresso notável para nossos filhos e gerações futuras. Em vez disso, é hora de usar o que sabemos que funciona para salvar vidas e continuar investindo em projetos mais fortes e resilientes sistemas de saúde. ”

Com base nas respostas dos países que participaram das investigações da UNICEF e da OMS, os motivos mais comumente citados para paragens nos serviços de saúde incluíram: pais que evitam os centros de saúde por medo de infeção; restrições de transporte; suspensão ou encerramento de serviços e instalações; menos profissionais de saúde devido a desvios ou medo de infeção devido à escassez de equipamentos de proteção individual, como máscaras e luvas; maiores dificuldades financeiras.

Afeganistão, Bolívia, Camarões, República Centro-Africana, Líbia, Madagascar, Paquistão, Sudão e Iémen estão entre os países mais atingidos, e sete destes nove países tiveram altas taxas de mortalidade infantil de mais de 50 mortes por 1000 nascidos vivos entre crianças menores de cinco anos em 2019. No Afeganistão, onde uma em cada 17 crianças morreu antes de completar 5 anos em 2019, o Ministério da Saúde relatou uma redução significativa em visitas a unidades de saúde. Por medo de contrair o vírus COVID-19, as famílias não estão a considerar o atendimento pré e pós-natal, aumentando o risco a enfrentar por grávidas e recém-nascidos.

Mesmo antes da COVID-19, os recém-nascidos apresentavam maior risco de morte. Em 2019, um bebé recém-nascido morria a cada 13 segundos. Além disso, 47% de todas as mortes de menores de cinco anos ocorreram no período neonatal, ante 40% em 1990. Com graves interrupções nos serviços essenciais de saúde, os recém-nascidos podem correr um risco muito maior de morrer. Por exemplo, nos Camarões, onde um em cada 38 recém-nascidos morreu em 2019, a investigação da UNICEF mostrou cerca de 75% de interrupções nos serviços de cuidados essenciais ao recém-nascido, check-ups pré-natal, cuidados obstétricos e cuidados pós-natal.

Em maio, a modelagem inicial da Johns Hopkins University mostrou que quase 6.000 crianças a mais poderiam morrer por dia devido a paragens devido à COVID-19.

Esses relatórios e investigações destacam a necessidade de ação urgente para restaurar e melhorar os serviços de parto e cuidados pré-natal e pós-natal para mães e bebés, incluindo profissionais de saúde qualificados para cuidar deles no nascimento. Trabalhar com os pais para amenizar seus medos e tranquilizá-los também é importante.

“A pandemia COVID-19 colocou anos de progresso global para acabar com as mortes evitáveis ​​de crianças em sério risco”, referiu Muhammad Ali Pate, Diretor Global de Saúde, Nutrição e População do Banco Mundial. “É essencial proteger os serviços que salvam vidas, que têm sido fundamentais para reduzir a mortalidade infantil. Continuaremos a trabalhar com governos e parceiros para reforçar os sistemas de saúde para garantir que mães e crianças recebam os serviços de que precisam ”.

“O novo relatório demonstra o progresso contínuo em todo o mundo na redução da mortalidade infantil”, referiu John Wilmoth, Diretor da Divisão de População do Departamento de Assuntos Económicos e Sociais das Nações Unidas. “Embora o relatório destaque os efeitos negativos da pandemia COVID-19 sobre intervenções que são críticas para a saúde das crianças, também chama a atenção para a necessidade de corrigir as vastas desigualdades nas perspetivas de sobrevivência e boa saúde de uma criança ”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!