Perigos da cloroquina, hidroxicloroquina e azitromicina no tratamento de COVID-19

Não há evidências seguras que mostram a eficácia dos medicamentos cloroquina, hidroxicloroquina e azitromicina no tratamento de doentes com COVID-19. Os medicamentos têm efeitos adversos significativos e podem mesmo piorar a doença.

0
Perigos da cloroquina, hidroxicloroquina e azitromicina no tratamento de COVID-19
Perigos da cloroquina, hidroxicloroquina e azitromicina no tratamento de COVID-19. Foto: © Rosa Pinto

Os medicamentos cloroquina, hidroxicloroquina e azitromicina estão a ser usados para tratar e prevenir a COVID-19, apesar da fraca evidência de eficácia. Os médicos e pacientes devem estar conscientes dos efeitos adversos potencialmente graves da toma destes medicamentos, refere estudo publicado no Canadian Medical Association Journal.

“Médicos e pacientes devem estar cientes de vários efeitos adversos, mas potencialmente fatais, da cloroquina e hidroxicloroquina”, referiu David Juurlink, cientista da Divisão de Farmacologia Clínica e Toxicologia do Sunnybrook Health Sciences Center.

O estudo fornece uma visão geral dos possíveis danos associados a esses medicamentos, bem como a sua gestão, com base nas melhores evidências disponíveis.

Os potenciais efeitos adversos incluem:

Arritmia cardíaca;
Hipoglicemia;
Efeitos neuropsiquiátricos, como agitação, confusão, alucinações e paranoia;
Interações com outros medicamentos;
Variabilidade metabólica (algumas pessoas metabolizam mal a cloroquina e a hidroxicloroquina e uma pequena percentagem metaboliza-as rapidamente, o que afeta a resposta ao tratamento);
Sobredosagem (a cloroquina e a hidroxicloroquina são altamente tóxicas na sobredosagem e podem causar convulsões, coma e parada cardíaca);
Escassez de medicamentos (pacientes com distúrbios autoimunes, como artrite reumatoide, lúpus e outras doenças crónicas, que tomam hidroxicloroquina para tratar essas condições podem ter problemas devido à escassez do medicamento).

O estudo aponta que a baixa qualidade das evidências sugerem, no entanto, que esses tratamentos podem ser benéficos em pacientes com COVID-19 mas alerta que é possível que esses tratamentos possam piorar a doença.

“Apesar do otimismo (em alguns, até do entusiasmo) pelo potencial da cloroquina ou hidroxicloroquina no tratamento do COVID-19, pouca atenção foi dada à possibilidade dos medicamentos poderem influenciar negativamente o curso da doença”, referiu David Juurlink. “É por isso que precisamos de uma melhor base de evidências antes de usar rotineiramente estes medicamentos para tratar pacientes de COVID-19”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!