Prémio Nobel de Física 2020 para descobertas sobre buracos negros

Prémio Nobel da Física de 2020 atribuído, em metade, a Roger Penrose pela descoberta de buracos negros, com base na teoria geral da relatividade, e a outra metade a Reinhard Genzel e Andrea Ghez pela descoberta de buraco negro no centro da Via Láctea.

0
Prémio Nobel de Física 2020 para descobertas sobre buracos negros
Prémio Nobel de Física 2020 para descobertas sobre buracos negros. © instituto karolinska

A Real Academia Sueca de Ciências atribui Prémio Nobel da Física 2020 a Roger Penrose, da Universidade de Oxford, Reino Unido, pela descoberta de que a formação de buracos negros é uma previsão robusta da teoria geral da relatividade, e a outra metade em conjunto a Reinhard Genzel, do Instituto Max Planck de Física Extraterrestre, Garching, Alemanha e da Universidade da Califórnia, Berkeley, EUA, e a Andrea Ghez, da Universidade da Califórnia, Los Angeles, EUA, pela descoberta de um objeto compacto supermassivo no centro de nossa galáxia.

Os três laureados compartilham o Prémio Nobel de Física de 20202 pelas suas descobertas sobre um dos fenómenos mais exóticos do universo, o buraco negro. Roger Penrose mostrou que a teoria geral da relatividade leva à formação de buracos negros, e Reinhard Genzel e Andrea Ghez descobriram que um objeto invisível e extremamente pesado governa as órbitas das estrelas no centro de nossa galáxia. Um buraco negro supermassivo é a única explicação atualmente conhecida.

Roger Penrose usou métodos matemáticos engenhosos para provar que os buracos negros são uma consequência direta da teoria geral da relatividade de Albert Einstein. O próprio Einstein não acreditava na existência de buracos negros, esses monstros superpesados ​​que capturam tudo que entra neles. Nada pode escapar, nem mesmo a luz.

Em janeiro de 1965, dez anos após a morte de Einstein, Roger Penrose provou a existência de buracos negros e descreveu-os em detalhes; no fundo, os buracos negros escondem uma singularidade na qual cessam todas as leis conhecidas da natureza. O seu estudo inovador ainda é considerado a contribuição mais importante para a teoria geral da relatividade desde Einstein.

Reinhard Genzel e Andrea Ghez lideram, cada um, um grupo de astrónomos que, desde o início dos anos 1990, concentra-se numa região chamada Sagitário A no centro de nossa galáxia. As órbitas das estrelas mais brilhantes mais próximas do meio da Via Láctea foram mapeadas com crescente precisão. As medições desses dois grupos concordam, com ambos a encontrar um objeto invisível extremamente pesado que puxa o amontoado de estrelas, fazendo-as correr em velocidades vertiginosas. Cerca de quatro milhões de massas solares estão reunidas numa região que não é maior do que nosso sistema solar.

Usando os maiores telescópios do mundo, os Genzel e Ghez desenvolveram métodos para ver através das enormes nuvens de gás interestelar e poeira até o centro da Via Láctea. Estendendo os limites da tecnologia, eles refinaram novas técnicas para compensar as distorções causadas pela atmosfera da Terra, construindo instrumentos exclusivos e comprometendo com investigações de longo prazo. Seu trabalho pioneiro deu-nos a evidência mais convincente da existência de um buraco negro supermassivo no centro da Via Láctea.

“As descobertas dos laureados deste ano abriram novos caminhos no estudo de objetos compactos e supermassivos. Mas esses objetos exóticos ainda apresentam muitas perguntas que pedem respostas e motivam futuras investigações. Não apenas perguntas sobre sua estrutura interna, mas também perguntas sobre como testar nossa teoria da gravidade sob as condições extremas nas imediações de um buraco negro ”, referiu David Haviland, presidente do Comité Nobel da Física, citado em comunicado.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!