Prevenir os sintomas graves da COVID com mudanças no estilo de vida

Especialistas em doenças infeciosas têm vindo a estudar o que leva mais doentes à hospitalização e à morte quando são infetados com o novo coronavírus. Especialistas concluíram que combater a obesidade pode ajudar a reduzir a gravidade de COVID-19.

0
Prevenir os sintomas graves da COVID com mudanças no estilo de vida
Prevenir os sintomas graves da COVID com mudanças no estilo de vida. Foto: DR

À medida que continuam a estudar a COVID-19, os especialistas em doenças infeciosas têm vindo a descobrir muitos dos fatores que levam a que as pessoas tenham a sintomas mais graves da doença.

Para os especialistas está claro que as pessoas com comorbidades, ou seja, mais de uma doença ou condição presente na mesma pessoa ao mesmo tempo, tendem a apresentar sintomas da COVID-19 mais graves. E uma condição de saúde, em particular, está a contribuir para piores resultados em pessoas com a COVID-19. É a obesidade.

É conhecido que o excesso é prejudicial à saúde por aumentar os riscos de uma variedade de doenças e complicações. Agora, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos EUA, relatam que uma pessoa tem três vezes mais probabilidade de ser hospitalizada por COVID-19 se tiver um índice de massa corporal (IMC) de 30 ou superior.

A boa notícia é que controlar o peso não só diminuirá o risco de sintomas graves de COVID, como também ajudará a prevenir outras doenças crónicas, desde doenças cardíacas, diabetes, tromboses e até o cancro.

Porque é que a obesidade está associada a COVID-19 grave?

Naomi Parrella, diretora médica do Centro médico da Universidade Rush para Perda de Peso e Cirurgia Bariátrica, explicou que existem várias razões pelas quais a COVID-19 é agravada pela obesidade, referindo que “o que vemos é que os pacientes que dão entrada em unidades de terapia intensiva e usam ventiladores têm maior prevalência de obesidade. Acreditamos que esteja relacionado a essa resposta massiva do sistema imunológico ”.

Uma das principais causas é o fato de que a obesidade leva a uma série de doenças crónicas que podem piorar os sintomas da COVID-19.

A obesidade pode levar a doenças cardíacas, diabetes, cancro, pressão alta (hipertensão), tromboses e muito outras doenças. Doenças como essas podem aumentar em três vezes a probabilidade de ser hospitalizado por COVID-19.

Embora Naomi Parrella explique que seria impossível realizar estudos sobre como a perda de peso pode proteger proativamente da COVID-19, o que os médicos sabem é que perder peso pode reduzir a inflamação basal e prevenir outras comorbidades. A redução da inflamação e a prevenção dessas outras doenças crónicas podem, por sua vez, prevenir muitos dos sintomas graves que a COVID-19 pode causar.

Uma mudança no estilo de vida

Existem várias maneiras de perder peso e controlar a obesidade. Pode escolher a cirurgia para perda de peso ou não, mas precisará ajustar o estilo de vida – incluindo recorrer a dieta e hábitos de exercícios, entre outros.

Tudo sobre dieta

Um dos fatores que impulsionam a perda de peso é o tipo de alimentos que coloca no corpo. Muitas dessas mudanças na dieta podem ser simples. De acordo com Naomi Parrella, cortar açúcares, incluir vegetais sem amido e comer proteína suficiente, são ótimas maneiras de ajudar a perder peso e ser mais saudável.

Abandone bebidas açucaradas

Uma maneira fácil de reduzir a ingestão de açúcar é reexaminar o que está a beber, e como refere a especialista “não beba calorias”.

E isso não significa apenas refrigerantes. Naomi Parrella explicou que muitas pessoas cometem o erro de beber muitos sumos, como sumo de laranja, para ser “mais saudável” e obter vitamina C. “Mas o sumo de laranja é na verdade apenas um coquetel de açúcar – equivalente a até 12 laranjas por copo – isso pode fazer mais mal do que bem se estiver a tentar controlar o peso”.

Em vez disso, a especialista sugere bebidas com poucas ou nenhuma caloria. Água, chá sem açúcar e café são boas opções. E, se precisar de um pouco de sabor na água, espremer um pouco de cítrico: limão, lima ou laranja. Também pode fazer uma jarra de água com pepino ou bagas, como morangos, amoras, groselhas, mirtilos, uvas ou outras, e mantê-la no frigorífico para uma refeição saudável a qualquer momento.

Alimentos

Quando se trata de comida, Naomi Parrella refere que evitar alimentos processados ​​em favor de vegetais e proteínas é uma das melhores mudanças que pode fazer na dieta.

“Em termos mais simples, aumente os alimentos que a natureza criou”, explicou Naomi Parrella.

Isso significa comer vegetais de todas as cores diferentes do arco-íris – de folhas verdes a abóbora amarela e tomates vermelhos.

Não é preciso gastar uma fortuna para se alimentar de forma saudável. Vegetais congelados são económicos e podem ter mais nutrientes do que produtos frescos. Se preferir vegetais enlatados, tudo bem também. Procure as versões com baixo teor de sódio e lave-as antes de cozinhar.

Para proteínas, Naomi Parrella recomenda frango, peru, porco, cordeiro, vitela de campo, além de peixes, tofu e, sim, ovos. “Os ovos são uma excelente fonte de proteína”, referiu a especialista. “Comer alguns ovos, queijo ou iogurte é uma ótima maneira de aumentar a ingestão de proteínas.” Os legumes também são opções para proteínas.

Aumentar o nível de atividade

Junto com uma mudança na dieta, o exercício regular é uma parte importante de qualquer jornada para perder peso. Manter-se ativo pode ser um desafio durante a pandemia de COVID-19, mas todos os movimentos contam. Procure maneiras de se movimentar mais.

“O mais importante é interromper a sessão”, explicou Naomi Parrella. “Quando falamos sobre ficar preso em casa, é tão fácil ficar sentado por longos períodos de tempo.”

Uma das melhores maneiras de interromper o ato de estar sentado é caminhar. Se não quiser andar ao ar livre, então procurar no YouTube exercícios para fazer em casa. O Youtube e muitos aplicativos de smartphone têm uma variedade de exercícios de baixo impacto que pode escolher.

Procure realizar 7.500 ou mais passos todos os dias – e você não precisa fazer tudo de uma vez. Tente fazer vários intervalos para atividades ao longo do dia. Dê algumas voltas ao redor do quarteirão, suba e desça um lance de escadas 10 vezes, ou até mesmo marche ou corra no local durante 10 a 15 minutos. O segredo é aumentar a frequência cardíaca e fazer o sangue bombear.

Naomi Parrella também sugere o uso de um aplicativo de fitness, se disponível. Aplicativos como os do Apple Watch enviarão lembretes para se levantar ou se mexer se ficar sentado durante muito tempo, bem como metas de condicionamento físico diário que podem motivá-lo a praticar exercícios.

A cirurgia para perda de peso é a certa para mim?

Às vezes, a dieta e exercícios podem não ser suficientes para atingir a perda de peso desejada. Se for esse o caso, a cirurgia bariátrica pode ser uma opção.

Para muitas pessoas que são afetadas pela obesidade, a cirurgia bariátrica é a forma mais eficaz de perder peso e reduzir o risco de problemas de saúde relacionados à obesidade. A cirurgia bariátrica pode ser certa para o seu índice de massa corporal (IMC) se for de pelo menos 40, ou se seu IMC for de pelo menos 35 e tiver uma doença relacionada à obesidade, como diabetes, doença cardíaca ou pressão alta.

Se está a considerar a cirurgia para perda de peso, os Centros para Perda de Peso e Cirurgia Bariátrica oferecem uma gama completa de procedimentos, incluindo técnicas minimamente invasivas.

Uma jornada ao longo da vida

Esteja inclinado a fazer uma cirurgia para perder peso ou apenas a fazer mudanças no estilo de vida, controlar o peso é uma maratona, não uma corrida.

“Em nossa clínica, convidamos todos os nossos pacientes – independentemente de se submeterem a uma cirurgia – a continuar a se conectar connosco, mesmo depois de atingirem seus objetivos de perda de peso”, disse Naomi Parrella. “Estamos comprometidos com nossos pacientes a longo prazo. É como ser melhor amigo para o resto da vida.”

Enquanto alguns podem achar que é um desafio às vezes, comprometer-se com o controlo de peso ao longo da vida tem muitas recompensas para a saúde – incluindo ajudar a proteger contra a devastação da COVID-19.

“Embora ainda não tenhamos uma forma comprovada de prevenir ou tratar COVID-19, tomar medidas para combater a obesidade pode ajudar no caso de contrair uma infeção pelo novo coronavírus”, referiu Naomi Parrella. “Tratar a obesidade ajuda não só com a COVID 19, mas com tantas doenças crónicas e comorbidades. Não existe uma única doença que possamos tratar que faça diferença em tantas partes do corpo simultaneamente.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!