Reabertura das escolas e o perigo da pandemia de COVID-19

Limpar as superfícies é uma medida a ser adotada pelas escolas para diminuir a propagação do coronavírus da COVID-19. Investigador da Universidade de Nevada, Las Vegas, e especialista em bioquímica aponta recomendações.

0
Reabertura das escolas e o perigo da pandemia de COVID-19
Reabertura das escolas e o perigo da pandemia de COVID-19. Foto: Josh Hawkins / UNLV Photo Services

Aproxima-se o fim das férias e a reabertura das escolas entretanto o novo coronavírus que causa a COVID-19 não dá qualquer sinal de desaparecer. Permanecer vigilante e recorrer a medidas como lavar frequentemente as mãos, manter distanciamento social, usar máscaras e proceder a higienização frequentes pode fazer toda a diferença para se proteger.

Os especialistas médicos indicam que não se conhecem todas as consequências de uma infeção por coronavírus, as pessoas infetadas assintomáticas podem desenvolver doenças graves ao longo do tempo, e os mais novos, que aparentemente vinham mostrando mais resistência ao vírus também podem sofrer consequências graves em caso de infeção.

O investigador Ernesto Abel-Santos, professor de bioquímica da Universidade de Nevada, Las Vegas (UNLV), EUA, que estuda bactérias como o antraz e infeção hospitalar, Clostridium difficile (C-diff), referiu, citado em comunicado da Universidade, que devemos continuar a ser “o mais cuidadosos possível” com as escolhas diárias que fazemos, e as atividades que participamos enquanto a pandemia continuar a persistir.

Embora o distanciamento social, a lavagem das mãos e a cobertura do rosto continuem a ser as ações mais prudentes que as pessoas podem tomar, Abel-Santos disse que estar atento à limpeza frequente também é uma ferramenta crítica no nosso arsenal de recursos, especialmente nas salas de aula com alunos a entrar e a sair. O investigador indica as melhores práticas de limpeza para manter os vírus afastados.

Qual a importância de limpar as superfícies quando se trata de se proteger contra doenças como a COVID-19? Com que frequência devem ser limpas as superfícies? É tão importante quanto lavar as mãos com frequência?

Lavar as mãos com frequência ainda é a ação mais importante que qualquer pessoa pode tomar para ajudar a prevenir a propagação da COVID-19. Isto, combinado com o distanciamento social e o uso de máscara – na ausência de um tratamento eficaz ou de uma vacina – são as três coisas mais vitais que a pessoa pode fazer.

A principal forma de contrair a COVID-19 é através do contacto de pessoa a pessoa. Então, se alguém está a espirrar, tossir, falar ou cantar, isso produz aerossóis da boca, e é assim que a maioria das pessoas o contrai a doença.

O vírus também pode permanecer nas superfícies durante horas a dias, dependendo da superfície. Devemos limpar as superfícies com frequência, mas a frequência depende do uso dessa superfície.

As salas de aula, por exemplo, onde um grupo de alunos entra, sai e, em seguida, outro grupo faz o mesmo, devem ser limpas após cada aula. Cada pessoa deve ser responsável por limpar a mesa antes de sair. E a pessoa que entra na aula deve desinfetar também, porque a que entra não sabe se a que saiu o fez.

As máscaras também devem ser descontaminadas continuamente. As pessoas devem usar máscaras descartáveis ​​de uso único ou lavar as máscaras de pano no final do dia. As máscaras de pano devem ser tratadas como roupas íntimas – troca-las diariamente.

Todas as superfícies de casa e do escritório são iguais? Algumas superfícies têm maior probabilidade de abrigar viris do que outras?

O vírus pode permanecer no papel durante 24 horas. Pode permanecer em superfícies de cobre durante quatro horas, mas pode permanecer mais de dois a três dias em superfícies de plástico e aço inoxidável. Ele pode pairar no ar ao redor da pessoa durante três horas.

O cobre tende a ser mais reativo, por isso é capaz de matar o vírus mais rápidamente. As superfícies rígidas como plástico, aço inoxidável e talvez até mármore fornecem um ambiente melhor para a sobrevivência do vírus na superfície. Mas ainda há muitas coisas que não sabemos, por isso temos que ser o mais cuidadosos possível e limpar com frequência.

As pessoas devem interrogar-se: qual é a probabilidade de uma determinada superfície ser exposta?

Se a pessoa está isolada em casa deve minimizar as saídas e evitar bares, igrejas, academias ou outras áreas onde as pessoas se reúnem em grande quantidade, os riscos são reduzidos e não precisa descontaminar as superfícies com tanta frequência.

Se a pessoa compartilha um escritório ou está a trabalhar num escritório onde as pessoas entram e saem continuamente, é necessário limpar com mais frequência. Um escritório no final de um corredor atrás de uma divisória não apresenta o mesmo risco que a secretária ou local de uma rececionista dado que esta entra em contacto com várias pessoas.

Quais os desinfetantes mais eficazes para matar os virus que causam a COVID-19?

O vírus da COVID-19, como outros vírus, são bastante fracos fora do corpo. Podem ser neutralizados com álcool. Detergentes com sais de amónio quaternário também são eficazes.

Qualquer desinfetante mata os vírus. Mas, novamente, uma das estratégias mais eficazes é lavar as mãos. As pessoas não se percebem quantas vezes por dia tocam no rosto com as mãos. Se tocar uma superfície e depois tocar no rosto, aumenta a probabilidade de contágio.

Uma palavra de cautela. Há que ter cuidado agora porque tem havido um grande aumento nos desinfetantes à base de álcool. Muitas novas empresas surgiram para dar resposta à procura, mas algumas empresas estão a adulterar o teor de álcool.

Algumas empresas usam metanol, que é um álcool de madeira. A exposição da pele não pode não ser tão preocupante, mas se uma criança o ingerir, pode causar cegueira.

Durante quanto tempo o produto de limpeza deve ficar na superfície antes de a limpar?

Depende do desinfetante. Os desinfetantes à base de álcool, por exemplo, evaporam muito rapidamente. Depois de alguns segundos.

Cada desinfetante deve conter as instruções no frasco indicando o uso recomendado. É importante ler as instruções do fabricante com atenção e seguir as instruções corretamente.

Devem ser usadas luvas para limpar?

Não deve ser feito, a menos que seja recomendado pelo fabricante. Podem ser usadas luvas quando se usar algo que se projeta, mas isso é para se proteger mais do que qualquer outra coisa. Usamos luvas em laboratórios, mas não é recomendado nas residências.

As luvas também são contraproducentes em situações como fazer compras no supermercado. Num ambiente de laboratório, as luvas são usadas durante todo o tempo, e são mudadas continuamente.

Ao tocar numa superfície, as luvas ficarão contaminadas. É a mesma coisa que tocar na superfície com as mãos desprotegidas. Se tocar no rosto com uma luva contaminada, haverá o mesmo risco de contaminação do o vírus como se tocasse no rosto com as mãos sem luvas.

Como se pode ter a certeza de que os materiais de limpeza que as empresas estão usar são eficazes na prevenção da COVID-19?

Simplesmente, não é possível saber. Espera-se que todos estejam a levar isso a sério e que todos sigam os procedimentos dados pelas Autoridades Nacionais de Saúde e pela Organização Mundial da Saúde sobre como desinfetar e manter as coisas seguras, mas não há uma garantia.

Quando se sai de casa é recomendado levar um pequeno frasco spray de desinfetante para limpar as eventuais áreas onde é necessário tocar. Mas em face da atual situação não é recomendado ir a lugares como ginásios, bares, cinemas ou outros espaços onde um grande número de pessoas se reúne.

Limpar as superfícies é importante, mas é secundário em relação a medidas como o distanciamento social, uso de máscaras e a lavagem das mãos.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!