Reino Unido instala maior rede de câmaras subaquáticas do mundo

Reino Unido lança primeira rede mundial de câmaras subaquáticas para proteger a vida selvagem e a biodiversidade dos oceanos. A rede, num investimento de mais de 2,3 milhões de euros, vai cobrir todo o Caribe, Atlântico Sul, Índico, Pacífico e Oceano Meridional.

0
Reino Unido cria maior rede de câmaras subaquáticas do mundo
Reino Unido cria maior rede de câmaras subaquáticas do mundo. Foto: DR

O Reino Unido está a instalar uma grande rede de câmaras subaquáticas que vai permitir monitorar a vida selvagem oceânica do mundo para ajudar a protege-la. Uma rede que cobre mais de 4 milhões de quilómetros quadrados de oceano.

Os sistemas de câmaras – conhecidos como BRUVS – vão permitir que os territórios ultramarinos do Reino Unido observem e façam a gestão da vida selvagem oceânica nos seus diversos ecossistemas.

O método não intrusivo de captura de informações sobre as espécies será usado para documentar a biodiversidade marinha nos territórios: ilhas Pitcairn, Ascensão, Santa Helena, Tristão da Cunha, Território Britânico do Oceano Índico, Ilhas Caimão, Ilhas Virgens Britânicas, Anguila, Montserrat e dentro do Território Antártico Britânico.

As plataformas estão a ser lançadas num momento em que a saúde dos oceanos está a diminuir e assim vão permitir aos cientistas melhorar a compreensão sobre o ambiente marinho para restaurar os nossos oceanos.

Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido, disse: “A vida selvagem marinha que vive ao longo da costa de nossos Territórios Ultramarinos é uma das mais espetaculares do mundo e devemos fazer mais para a proteger”.

“A tecnologia de ponta, como estas câmaras, será vital em nossa cruzada contra as mudanças climáticas. Os nossos especialistas marinhos são líderes mundiais na proteção do nosso oceano e da miríade de espécies que vivem nele”, acrescentou Boris Johnson.

Os 66 sistemas de vídeo subaquático remoto vão ser usados ​​para filmar e analisar dados sobre muitas espécies, incluindo o marlim branco, peixe-vela, tubarões-seda, peixe-porco preto, tartarugas cabeçudas, lula-de-Gould, peixe-cunha e cobras marinhas.

Esta Rede Global de Análise da Vida Selvagem do Oceano tem a duração de 4 anos e deverá custar 2 milhões de libras ou 2 milhões e 350mil euros.

A professora da University of Western Australia, Jessica Meeuwig, refere: “Os atuns, tubarões e grandes peixes de recife do mundo continuam a diminuir em número e essa tendência deve ser revertida. Este programa dará aos tomadores de decisão as evidências de que precisam para agir de forma decisiva em prol de suas economias azuis”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!