Segurança Social está a recrutar 200 novos funcionários

Instituto de Segurança Social abre concurso externo para recrutar 200 novos trabalhadores para reforçar área do processamento de pensões. 150 lugares para candidatos com o 12º ano de escolaridade e 50 para licenciados.

0
Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, em Lisboa
Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, em Lisboa. Foto: Rosa Pinto

O Instituto de Segurança Social abriu concurso externo à Administração Pública, em 14 de agosto, para recrutamento 200 novos trabalhadores para os quadros. O concurso é destinado a integrar 150 assistentes técnicos e 50 técnicos superiores, prevendo-se que cerca de 70 trabalhadores sejam alocados ao Centro Nacional de Pensões.

Com a entrada dos novos trabalhadores o Ministério da Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS) considera que vai possibilitar uma melhoria global na capacidade operativa do Centro Nacional de Pensões, “reduzindo o volume de pendências e contribuindo para uma resposta mais célere aos beneficiários do sistema de pensões.”

Para os 150 assistentes técnicos é exigida na candidatura ter pelo menos 18 anos de idade e o 12º ano de escolaridade ou curso que lhe seja equiparado, conforme aviso publicado no Diário da República.

Os 50 técnicos superiores a recrutar estão divididos por 3 concursos de acordo com as funções a desempenhar e as habilitações académicas exigidas. Um concurso para dois técnicos superiores com licenciatura em Serviço Social/ Politica Social. Um concurso destinado a 36 técnicos licenciados em Direito. Um concurso para um lugar para candidatos com Licenciatura classificada com o Cód. 862 das áreas de formação da CNAEF – Classificação Nacional de Áreas de Educação e Formação (Portaria n.º 256/2005, de 16 de março) e um concurso para 11 lugares para Licenciatura nas áreas de Economia, Contabilidade, Contabilidade e Administração, Gestão e Gestão de Empresas.

O MTSSS indicou que “entre 2011 e 2015 o Instituto da Segurança Social, I.P. (ISS) assistiu a uma perda de 27% dos seus recursos humanos, o que resultou em impactos adversos na sua capacidade de resposta.”

Na área das pensões foi onde se verificou uma maior diminuição de recursos humanos naquele período, com menos 35%. “Em simultâneo, o encerramento do Centro de Contacto da Segurança Social em 2012 e o desinvestimento nos sistemas de informação, introduziram dificuldades ao nível da capacidade de resposta, com impactos negativos nos tempos de deferimento das pensões”, acrescentou o MTSSS.

“A segurança social paga mensalmente três milhões de pensões, tendo o ISS atribuído em 2017 aproximadamente 123 mil novas pensões de velhice, sobrevivência e invalidez. Trata-se de uma área de grande tecnicidade e fundamental para o sistema de pensões, que merece, do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social toda a prioridade na promoção de medidas que permitam minimizar e colmatar os constrangimentos identificados e preparar esta área para os desafios do futuro”, indicou o MTSSS em comunicado.

O MTSSS esclareceu ainda que foi definido um Plano de Intervenção Interno para a área das pensões, em três dimensões distintas:

a) Reforço de recursos humanos,
b) Sistemas de informação e infraestruturas tecnológicas;
c) Alterações de procedimentos internos de forma a melhorar os processos.

Ao nível do reforço dos recursos humanos, vão ser criados três polos desconcentrados do Centro Nacional de Pensões: Novo polo em Aveiro com 11 recursos humanos e dois novos polos em Braga com 22 recursos humanos, num total de 33 recursos humanos (já instalados), com recurso a procedimentos de contratação internos à Administração Pública.

Durante o mês de agosto, num plano de contingência até os recursos humanos contratados ao abrigo do concurso referido estejam efetivamente a trabalhar, serão afetos 44 recursos humanos à análise e tratamento de processos, através de uma aquisição de serviços.

A conclusão do processo do PREVPAP (Programa de Regularização dos Vínculos Precários na Administração Pública) vai permitir, considera o MTSSS, igualmente o recrutamento de 65 recursos humanos para o Centro Nacional de Pensões.

Com estas medidas, o MTSSS prevê um reforço de cerca de 50% dos recursos humanos afetos ao Centro Nacional de Pensões.

Ao nível dos sistemas de informação e infraestruturas tecnológicas e de alterações de procedimentos internos o MTSSS indica a tomada as seguintes medidas:

  • Novas funcionalidades no sistema que diminuirão trabalho até agora manual;
  • Projeto de digitalização micrográfica que visa a reconstituição integral de todas as carreiras contributivas diretamente no sistema de informação;
  • Novo sistema informático de pensões;
  • Redesenho de processos e procedimentos internos, diminuindo circuitos e consequentemente tempo necessário até ao deferimento;
  • Centralização dos serviços de segurança social de Lisboa num único edifício, com sinergias evidentes (previsto para final do segundo semestre de 2018);
  • Criação de novo Centro de Contacto da Segurança Social em novembro de 2017, com capacidade para um atendimento diário de 12 mil chamadas;
  • Novo Simulador de Pensões com entrada em funcionamento no passado mês de maio, diminuindo os pedidos de cálculo de montantes prováveis de pensão.
Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!