TAP, uma companhia bandeira da Lusofonia

A TAP ao inaugurar uma rota para Toronto, no Canadá, assume, indica Daniel Bastos neste seu artigo, uma estratégia de sustentabilidade assente na ligação de Portugal ao mundo com destaque para as comunidades lusófonas.

0
1
Partilhas
Daniel Bastos, Historiador e Escritor
Daniel Bastos, Historiador e Escritor. Foto: DR

A TAP Portugal, fundada em 1945 com o nome Transportes Aéreos Portugueses, detentora de um percurso que se se confunde com a história mais recente de Portugal, assume-se há 72 anos como a maior companhia aérea de bandeira nacional.

Esta ligação indissociável entre o percurso da TAP e o do país, desde o Estado Novo e a transição para a Democracia, até aos dias de hoje, impulsionou a empresa de bandeira este Verão a promover um conjunto de ações programadas que celebram a sua longa história que cruza os céus em nome de Portugal. Entre estas ações, destacam-se a recente apresentação do seu moderno avião Airbus A330 batizado de ‘Portugal’ com um emblemática pintura ‘à moda antiga’, a recordar as décadas entre os anos 50 e 70.

As iniciativas programadas decorrem num período decisivo para a companhia área portuguesa, que tem que se modernizar, e simultaneamente cimentar um modelo de sustentabilidade económico-financeira e de equilíbrio público-privado, capaz de garantir que a TAP continue um veículo essencial na aproximação e ligação de Portugal ao Mundo, e em particular à Lusofonia, aos Emigrantes e Luso-descendentes.

A ligação ao espaço lusófono e as às comunidades portuguesas, marca do passado e dos valores identitários da maior companhia aérea nacional, parecem estar igualmente consagrados na visão estratégica da nova estrutura acionista da TAP que desde fevereiro de 2016 passou a ser controlada maioritariamente pelo Estado Português.

A abertura e inauguração a 10 de junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, de uma rota de longo curso para Toronto, no Canadá, com cinco voos por semana, é sinal evidente de uma aposta estratégica na América do Norte, um imenso território onde vivem e trabalhos muitos milhares de portugueses e luso-descendentes.

O futuro e a sustentabilidade da TAP passam necessariamente pela prossecução de uma estratégia de consolidação, reposicionamento e expansão da maior e mais prestigiada companhia aérea nacional nas ligações aos espaços lusófonos, através da criação de novas rotas que aumentem os valores de tráfego, as taxas de ocupação e a projeção além-fronteiras das potencialidades de Portugal e da Lusofonia.

Autor: Daniel Bastos, Historiador e Escritor

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!

wpDiscuz