Tortura: Conselho Europeu reforça política da União Europeia

Política da União Europeia é reforçada em relação a tortura e outros tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes. O Conselho Europeu emitiu hoje concordância com as diretivas revistas sobre política da União Europeia.

0
Tortura: Conselho Europeu reforça política da União Europeia
Tortura: Conselho Europeu reforça política da União Europeia. Foto: © Rosa Pinto

O Conselho Europeu adotou hoje várias conclusões sobre as diretrizes revistas sobre a política da União Europeia (UE) em relação a países terceiros sobre matéria de tortura e outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes:

1. O Conselho acolhe favoravelmente as diretrizes da política da UE para países terceiros em matéria de tortura e outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes e aprova as diretrizes revisadas. O Conselho continua seriamente preocupado com o uso generalizado de tortura e outros maus-tratos em todos os países do mundo.

2. O Conselho lembra que a proibição da tortura e outros tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes é absoluta no direito internacional. A luta contra a tortura e outros maus-tratos está consagrada no quadro jurídico e político da EU, e a UE continuará a opor-se a qualquer tentativa de limitar essa proibição absoluta. A este respeito, a UE e os seus Estados-Membros reafirmam o seu total empenhamento no combate à tortura e outros maus-tratos a nível mundial, em conformidade com os tratados e normas internacionais e regionais relevantes em matéria de direitos humanos, incluindo a administração da justiça e a condução de conflitos armados.

3. A UE continuará a opor-se fortemente e condenar o uso de tortura e outros maus-tratos por atores estatais e não estatais, onde quer que ocorra e seja qual for a sua forma, usando todas as ferramentas à sua disposição. O Conselho reconhece a relevância de uma abordagem abrangente para erradicar a tortura, abrangendo todos os elementos essenciais: proibição, prevenção, responsabilização e reparação das vítimas.

Neste contexto, o Conselho salienta a importância de salvaguardas processuais, especialmente nas primeiras horas de detenção, para evitar tortura e outros maus-tratos.

4. A UE apela a todos os Estados para que cumpram plenamente as suas obrigações em matéria de direitos humanos nos termos do direito internacional, inclusive no combate ao terrorismo, migração, tráfico de seres humanos e outros ambientes de gestão de crises, com especial atenção para as pessoas nas situações mais vulneráveis. A UE também destaca a importância de integrar as salvaguardas contra a tortura e outros maus-tratos em todas as ações e políticas.

5. Envolver-se com todas as principais partes interessadas e tomar ações conjuntas é fundamental para a erradicação da tortura. O Conselho salienta a importância de fortalecer ainda mais a cooperação com os mecanismos da ONU e órgãos regionais, bem como com outros atores relevantes, como o Tribunal Penal Internacional. O Conselho reconhece igualmente o papel fundamental das instituições nacionais de direitos humanos e dos mecanismos nacionais preventivos independentes, bem como das organizações da sociedade civil e defensores dos direitos humanos na luta contra a tortura e outros maus-tratos.

6. O Conselho observa com satisfação os progressos realizados pela Aliança Global para o Comércio Livre de Tortura, um esforço inter-regional que reúne mais de 60 países comprometidos com o fim do comércio de bens usados ​​para tortura e pena capital globalmente. O Conselho congratula-se com a resolução da Assembleia Geral da ONU sobre comércio livre de tortura e apoia fortemente os esforços para estabelecer padrões internacionais comuns nesse campo. Congratula-se também com o trabalho em andamento sobre a revisão do Protocolo de Istambul sobre Investigação e Documentação Eficaz da Tortura e outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes.

7. As diretrizes revistas fornecem orientações práticas para as instituições da UE e os Estados-Membros, inclusive sobre a ampla gama de ferramentas que podem ser usadas no seu envolvimento com países terceiros e em fóruns multilaterais de direitos humanos para apoiar os esforços em andamento para erradicar a tortura e outros maus-tratos em todo o mundo. O Grupo de Trabalho sobre Direitos Humanos do Conselho (COHOM) acompanhará sua implementação em estreita cooperação, quando apropriado, com outros grupos de trabalho do Conselho.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!