Tratamento da osteoporose diminuiu dramaticamente com pandemia COVID-19

Investigação mostra que acesso a cálculos de risco de fratura pela FRAX foram muito reduzidos. Em 3 meses mais de meio milhão de pacientes foram excluídos, e muitos do tratamento para osteoporose. Portugal foi um dos países onde houve mais impacto.

0
Tratamento da osteoporose diminuiu dramaticamente com pandemia COVID-19
Tratamento da osteoporose diminuiu dramaticamente com pandemia COVID-19. Foto: © Rosa Pinto

A pandemia COVID-19 afetou gravemente a gestão do tratamento de doenças não transmissíveis, e está a impactar de forma marcante a gestão do tratamento da osteoporose, indica um novo estudo, já publicado e que antecede a celebração do Dia Mundial da Osteoporose, que ocorre a 20 de outubro.

O estudo indica que globalmente, o uso da Ferramenta de Avaliação de Risco de Fratura (FRAX) foi em média 58% menor em abril do que em fevereiro de 2020.

A FRAX é usada para gerar probabilidades de fratura no quadril ou nos principais locais do esqueleto, em 10 anos, usando fatores de risco clínicos, com ou sem valores de Densidade Mineral Óssea (DMO). Os simuladores FRAX estão disponíveis para 66 países, representando mais de 80% da população global. Uma ferramenta que é acedida pelo menos por 228 países ou territórios em todo o mundo.

A FRAX é amplamente adotada dentro das diretrizes clínicas para a osteoporose, sendo um componente-chave no início do tratamento direcionado para reduzir a carga futura de fraturas.

Eugene McCloskey, autor principal do estudo e professor em Doença Óssea em Adultos do Departamento de Oncologia e Metabolismo da Universidade de Sheffield, Reino Unido, referiu: “O site FRAX oferece uma excelente oportunidade para explorar o impacto da pandemia COVID-19 na osteoporose, uma das principais doenças não transmissíveis (DCNT) com um impacto significativo em adultos mais velhos em todo o mundo.”

“As descobertas deste estudo revelam que, desde que a pandemia foi oficialmente declarada pela OMS em 11 de março, houve uma queda dramática no uso da FRAX, com um média de 58%, mas variando até 96%, com dois terços dos 66 países ou territórios avaliados a apresentar reduções de pelo menos 50%.”

A análise do uso da FRAX mostrou:

De fevereiro a abril de 2020, a FRAX registrou 460.495 sessões oriundas de 184 países, com 210.656 sessões apenas em fevereiro.

Em março e abril, o número de sessões diminuiu 23,1% e 58,3% respetivamente, face a fevereiro de 2020, padrão não observado no mesmo período de 2019.

Na Europa, a maioria dos países, ou seja, 24 em 31, que representa 77,4%, reduziu o uso em pelo menos 50% em abril, com a Polónia, Eslováquia, República Checa, Alemanha, Noruega, Suécia e Finlândia a apresentar reduções menores na faixa de -2,85% a – 44,1%. Portugal e Espanha são dois dos países onde se verificaram maiores reduções.

Na América Latina, todos os oito países estudados apresentaram reduções superiores a 50%, sendo a menor redução observada no Brasil, com menos 54,5%, e a maior observada no Equador com 76,9%.

Houve reduções menores na Ásia do que em outros lugares, em parte relacionadas aos níveis mais baixos e menos marcados de alguns países, como a China, Taiwan, Hong Kong, Coreia do Sul e Vietnam.

Não houve relação significativa entre a redução no uso da FRAX e as medidas de carga de doenças, como mortes atribuídas a COVID por milhão da população.

As métricas de uso da FRAX capturadas pelo GoogleAnalytics (sessões em vez de cálculos individuais) subestimam o uso real em cerca de 30% e, além disso, muitas avaliações FRAX em todo o mundo são conduzidas em densitómetros ósseos e, portanto, não foram capturadas no estudo.

Como resultado, estima-se que aproximadamente 175.000 pacientes foram provavelmente excluídos da avaliação de risco de fratura em abril de 2020, sugerindo que num período de 3 meses mais de 0,5 milhão de pacientes seriam excluídos da avaliação, e uma porção significativa daqueles do tratamento necessário.

John Kanis, presidente honorário da IOF, diretor do Centro de Doenças Ósseas Metabólicas em Sheffield e professor da Universidade Católica da Austrália, afirmou: “A redução drástica no uso da FRAX ressalta a preocupação generalizada de que a pandemia COVID-19 esteja a ter um impacto prejudicial na gestão e resultados de médio a longo prazo para muitas DNTs, com sérias repercussões para os indivíduos que não têm acesso a exames e tratamento em tempo oportunos, incluindo para osteoporose.”

“A disponibilidade e o acesso à densitometria óssea em muitos países são baixos para começar, e o acesso a instalações de atendimento secundário, como Serviços de Ligação para Fraturas, foi ainda mais comprometido ou completamente inibido durante a pandemia. Esperamos que a FRAX, que pode ser acedida remotamente via telemedicina e demonstrou ter um valor preditivo para fraturas que é comparável ao uso de valores de densidade óssea por si só, pode ser capaz de desempenhar um papel significativo na abordagem deste enorme acumular de avaliações para osteoporose.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!