Uma dose das vacinas COVID-19 mostra ser eficaz em pessoas com mais de 80 anos

Uma dose das vacinas COVID-19 da Pfizer-BioNTech e da AstraZeneca- Oxford mostra eficácia de cerca de 80%, contra hospitalizações, em pessoas com mais de 80 anos, indica estudo de investigação desenvolvido no Reino Unido.

0
Uma dose das vacinas COVID-19 mostra ser eficaz em pessoas com mais de 80 anos
Uma dose das vacinas COVID-19 mostra ser eficaz em pessoas com mais de 80 anos

Resultados provisórios do estudo AvonCAP apresentados hoje, 3 de março, mostram que uma dose das vacinas Pfizer-BioNTech e AstraZeneca-Oxford possue eficácia na prevenção da hospitalização de pessoas na faixa dos 80 anos com múltiplas comorbidades.

O estudo AvonCAP foi realizado por investigadores da Bristol, University of, University Hospitals Bristol e Weston NHS Foundation Trust e North Bristol NHS Trust, e financiado pela Pfizer. O projeto AvonCAP regista informações detalhadas sobre cada paciente adulto internado em dois grandes hospitais do NHS de Bristol com sintomas, sinais e / ou evidências de raios-X de doença aguda nos pulmões.

O estudo identificou 434 casos, de 18 de dezembro de 2020 (dez dias após o início do programa de vacina COVID-19 do Reino Unido) a 26 de fevereiro de 2021, e que eram elegíveis para a vacinação por terem pelo menos 80 anos de idade no final de março de 2021.

Ao tomar os casos de doenças respiratórias agudas que tiveram teste positivo para SARS-CoV-2 na admissão hospitalar e os que tiveram teste negativo e comparando as taxas de imunização nos dois grupos, estimou-se a eficácia de uma dose das vacinas.

Para minimizar potenciais desvios que poderiam surgir devido às rápidas mudanças na epidemia e ao lançamento da vacina durante este período, a análise foi estruturada de forma que as comparações fossem feitas apenas em semanas individualizadas. Uma medida de privação social, se os pacientes eram residentes de lares de idosos e por sexo, todos os fatores que podem influenciar os riscos de obter COVID-19 e de serem imunizados também foram considerados.

Uma dose da vacina Pfizer-BioNTech, que começou a ser usada em 8 de dezembro de 2020, mostrou ser 71,4% eficaz (com um intervalo de confiança de 95%) após 14 dias da toma de uma dose, na prevenção de doenças sintomáticas graves o suficiente para resultar em hospitalização. Os pacientes estudados tinham uma idade mediana de 87 anos.
Uma dose da vacina AstraZeneca- Oxford, que começou a ser usada em 4 de janeiro de 2021, mostrou ser 80,4% eficaz (com um intervalo de confiança de 95%) após 14 dias da toma de uma dose na prevenção de doenças sintomáticas graves o suficiente para resultar na hospitalização. Os pacientes estudados tinham uma idade mediana de 88 anos.

Quando as observações foram reconciliadas para cobrir o mesmo período de tempo no início de 2021, a eficácia observada de uma dose das duas vacinas foi quase idêntica (Pfizer-BioNTech 79,3% e a AstraZeneca-Oxford 80,4%).

Os resultados do estudo são semelhantes aos de outros estudos realizados na Escócia e na Inglaterra e tornados públicos nos últimos dias. No entanto, a abordagem adotada foi diferente. Em vez de vincular grandes bancos de dados de resultados de testes, registos de imunização e códigos de diagnóstico para populações inteiras, este estudo envolveu um exame abrangente e detalhado de todas as admissões médicas em dois hospitais de admissão numa única cidade. Isso significa que as datas de início dos sintomas podem ser registadas com precisão e incluídas na análise e compensação feita para possíveis desvios devido a mudanças rápidas no lançamento da vacina e na transmissão do SARS-CoV-2 que ocorreram durante os últimos três meses.

O estudo também fornece informações muito detalhadas sobre os pacientes que foram hospitalizados e nos quais as vacinas estão a fazer efeito. Este era um grupo de pessoas muito idosas e frágeis com muitas outras doenças e vulnerabilidades e é particularmente notável que a vacinação foi capaz de proteger essas pessoas de alto risco de forma tão eficaz.

Ao fornecer evidências corroborantes usando uma metodologia diferente, a equipa de investigação oferece garantias de que as conclusões agora tiradas sobre a eficácia a curto prazo de uma dose dessas duas vacinas são válidas.

As implicações dessas descobertas para a saúde pública são significativas não apenas no Reino Unido, mas também para outros países que atualmente desenvolvem estratégias de imunização para proteger suas populações idosas vulneráveis.

Adam Finn, Professor de Pediatria e Investigador Chefe do estudo na Universidade de Bristol, referiu: “Estamos muito satisfeitos em partilhar estes primeiros resultados que mostram que o programa de vacina COVID-19 no Reino Unido está a funcionar melhor do que poderíamos esperar. Também estamos muito satisfeitos que as nossas descobertas possam reduzir o fardo de doenças graves na nossa população idosa e aliviar a pressão sobre o SNS. O estudo AvonCAP continuará a fornecer informações adicionais e mais detalhadas com o passar do tempo”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!