União Europeia atribui 677 milhões de euros a cientistas em início de carreira

Seis cientistas portugueses estão entre os 436 distinguidos com bolsas pelo Conselho Europeu de Investigação. O valor total das bolsas é de 677 milhões de euros. Os cientistas portugueses vão desenvolver os projetos em Portugal.

0
União Europeia atribui 677 milhões de euros a cientistas em início de carreira
União Europeia atribui 677 milhões de euros a cientistas em início de carreira. Foto: © Rosa Pinto

A Comissão Europeia concedeu um total de 677 milhões de euros a 436 cientistas em bolsas pelo Conselho Europeu de Investigação (CEI). Bolsas no âmbito do programa de Investigação e Inovação da União Europeia (UE), Horizonte 2020.

As bolsas vão ajudar os investigadores em início de carreira a construir as suas próprias equipas e a realizar projetos inovadores em todas as disciplinas científicas, desde a investigação de vacinas à adaptação às mudanças climáticas e de nanoplásticos à exploração da natureza de matéria escura no Universo.

De entre os diversos investigadores contemplados encontram-se seis cientistas portugueses que irão criar equipas de investigação em Portugal:

Ricardo Costa Algarez, Universidade de Évora, com o projeto ReARQ.IB – Conhecimento ambiental construído para comunidades resilientes e sustentáveis: Compreender a Arquitetura Moderna do Quotidiano e o Desenho Urbano na Península Ibérica (1939-1985);

Elias Barriga, Fundação Calouste Gulbenkian, com o projeto MOVE_ME – Orientação mecânica e elétrica da migração celular coletiva in vivo;

Sónia Cruz, Universidade de Aveiro, com o projeto KleptoSlug – Kleptoplastia: a lesma do mar que fugiu com cloroplastos roubados;

Barbara Gomes, Universidade de Coimbra, com o projeto EOLinPLACE – Escolha onde morreremos: uma reforma de classificação para discernir a diversidade nos caminhos individuais de fim de vida;

Albino Oliveira-Maia, Fundação Champalimaud, com o projeto CalorieRL – Aprendizagem de reforço de calorias pós-ingestivas: do corpo ao cérebro na saúde e na doença;

Paulo Rocha, Universidade de Coimbra, com o projeto green – Gerando energia a partir de algas eletroativas.

Mariya Gabriel, Comissária para a Inovação, Investigação, Cultura, Educação e Juventude, referiu: “Com as bolsas do Conselho Europeu de Investigação, a UE está a alavancar o talento e a curiosidade de alguns dos melhores jovens investigadores da Europa. As suas ideias são definidas para abrir novos caminhos e abrir novas maneiras de lidar com desafios urgentes nas áreas de saúde, energia e tecnologias digitais, bem como em muitos outros campos. Nossa ambição de enfrentar com eficácia as crises atuais e futuras depende de nossa forte vontade de apoiar continuamente e cada vez mais as investigações de ponta nas fronteiras do nosso conhecimento.”

Os laureados CEI (ou ERC, sigla do inglês) são um grupo diversificado de jovens cientistas de 40 nacionalidades que vão desenvolver os projetos em 25 países em toda a Europa. De todas as candidaturas a bolsas apenas 13% foram selecionadas para financiamento neste concurso que foi altamente competitivo, e que deve criar cerca de 2.500 empregos para bolseiros de pós-doutoramento, estudantes de doutoramento e outros funcionários nas instituições anfitriãs.

Estas bolsas iniciais do ERC apoiam investigadores individuais que estão a iniciar a própria equipa ou programa de investigação independente. As bolsas vão até 1,5 milhões de euros por 5 anos com possível financiamento adicional de até 1 milhão de euros. A análise de impacto sobre das bolsas financiadas pelo ERC, cerca de 75% resultaram em descobertas científicas ou avanços importantes.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!