União Europeia e a China concluem princípio de Acordo de Investimentos

União Europeia e a China chegam a princípio de Acordo de Investimentos. Um acordo para diminuir a atual assimetria entre os dois mercados através de mais abertura e regras de trabalho. Comissão Europeia indica haver várias vantagens no Acordo.

0
União Europeia e a China concluem princípio de Acordo de Investimentos
União Europeia e a China concluem princípio de Acordo de Investimentos Foto: © UE

A União Europeia (UE) e a China concluíram hoje, em princípio, as negociações de um Acordo Abrangente de Investimento (AAC). O princípio de acordo resulta do envolvimento do presidente chinês, Xi Jinping, da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, do presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e a chanceler alemã Angela Merkel, em nome da presidência do Conselho da UE, bem como do presidente francês Emmanuel Macron.

Neste princípio de acordo a China comprometeu-se a permitir um maior nível de acesso ao mercado para investidores da UE, incluindo novas aberturas a mercados importantes. A China também assumiu compromissos para garantir um tratamento justo para as empresas da UE, para que possam competir em melhores condições de igualdade na China, inclusive em termos de disciplinas para empresas estatais, transparência de subsídios e regras contra a transferência forçada de tecnologias.

Pela primeira vez, a China também concordou com disposições ambiciosas sobre desenvolvimento sustentável, incluindo compromissos sobre trabalho e a ratificação das convenções fundamentais da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Quais são os benefícios para a UE do acordo com a China?

O acordo melhorará significativamente as condições de acesso ao mercado chinês para as empresas da UE, em termos de previsibilidade e novas aberturas de mercado; ajudará a reequilibrar a atual assimetria existente em abertura de mercado; ajudará a nivelar o campo de manobra das empresas europeias que operam na China; promoverá o desenvolvimento sustentável, incluindo o respeito pelos direitos fundamentais do trabalho.

Também fornecerá uma estrutura formal e vinculativa para discutir e abordar problemas concretos que os investidores da UE enfrentam na China, bem como resolução de conflitos entre os Estados se a China não cumprir as obrigações do acordo.

Quais os compromissos da UE com o acordo?

Os compromissos em matéria de transparência, igualdade de condições e desenvolvimento sustentável são regras e princípios já incorporados na legislação da UE.

Quanto ao acesso ao mercado, o objetivo é reequilibrar a assimetria existente e aproximar a China, em termos de nível de abertura e igualdade de condições, dado que o mercado da China é muito menos aberto que o da UE.

No acordo as áreas sensíveis, como serviços públicos, infraestrutura crítica e tecnologias permanecem totalmente preservadas.

Como irá a UE garantir que a China cumpra os compromissos?

Em primeiro lugar, o acordo de investimentos incluirá um mecanismo robusto de solução de controvérsias de estado para estado.

Além disso, também está previsto um quadro institucional para monitorar a implementação dos compromissos, incluindo a supervisão política regular. Essa é uma parte importante para garantir que a China cumpra na prática os compromissos.

É também incluído um mecanismo ad hoc para envolvimento rápido a nível político em caso de questões graves e urgentes.

O diálogo regular e o envolvimento das partes interessadas (empresas, sociedade civil e outras organizações) farão parte do processo de implementação. No que diz respeito ao desenvolvimento sustentável, um mecanismo de implementação e execução especificamente adaptado abordará possíveis diferenças, com um alto grau de transparência e participação da sociedade civil.

Porque não é negociado um acordo comercial entre a UE e a China?

O Conselho da União Europeia não autorizou qualquer negociação de um acordo comercial com a China. Para a Comissão Europeia é importante cumprir plenamente os compromissos assumidos como parte da agenda bilateral antes de explorar meios adicionais para melhorar o comércio bilateral e as relações de investimento.

Além de concluir as negociações de investimentos, é necessário avançar no fortalecimento das regras internacionais no âmbito multilateral, nomeadamente sobre subsídios industriais.

Qual é a razão do Diálogo recente UE-EUA sobre a China?

O Diálogo proporcionará uma oportunidade de discutir com os EUA os desafios comuns que se enfrentam, como democracias, sociedades abertas e economias de mercado ao lidar com a China. Esse diálogo também nos permitirá explorar possíveis esforços conjuntos para envolver a China em questões-chave de interesse comum.

Qual será o impacto da recente Parceria Económica Integral Regional (PEIR) no Acordo Abrangente de Investimento?

A Parceria não tem impacto no Acordo Abrangente de Investimento.

A Comissão Europeia espera que contribua para um sistema comercial baseado em regras, para a integração do mercado asiático e para facilitar fluxos comerciais na região.

Deve beneficiar não só a Ásia, mas também os seus parceiros comerciais, como a UE.

A parceria, que é um acordo regional de livre comércio, não inclui compromissos sobre meio ambiente, clima e trabalho, nem sobre empresas estatais, nem subsídios como os incluídos no Acordo Abrangente de Investimento.

O que foi considerado no Acordo Abrangente de Investimento sobre desenvolvimento sustentável?

Proibição de rebaixar o padrão de proteção nas áreas de trabalho e meio ambiente para atrair investimentos.

Compromisso de apoiar a adoção de responsabilidade social corporativa e práticas comerciais responsáveis ​​por empresas da UE e da China, onde quer que operem.

Compromissos com o meio ambiente e o clima, incluindo o compromisso de implementar o Acordo de Paris para enfrentar as mudanças climáticas de forma eficaz.

Compromissos relativos à ratificação das convenções fundamentais da OIT pendentes, compromissos específicos sobre a ratificação das duas convenções fundamentais sobre trabalho forçado.

Todas essas disposições estão sujeitas a um mecanismo de aplicação especificamente adaptado, incluindo um painel independente de especialistas, bem como um alto grau de transparência e participação da sociedade civil.

Quanto tempo é dado à China para ratificar e implementar as convenções, e que medidas de retaliação podem ser tomadas se não houver a ratificação das convenções?

A ratificação é um ato soberano de cada membro da OIT que expressa a intenção do Estado de se vincular aos termos de uma Convenção Internacional do Trabalho. Esse processo está nas mãos da China; não é possível estabelecer um prazo firme para o efeito. Dito isto, a China decidiu enviar um sinal muito forte no Acordo Abrangente de Investimento para ratificar as Convenções fundamentais da OIT sobre trabalho forçado; a UE está preparada para apoiar os esforços da China neste sentido. Esses esforços serão essenciais para o sucesso da adoção e ratificação do Acordo Abrangente de Investimento.

O compromisso relevante está também sujeito a um mecanismo de aplicação como o que foi ativado no caso do ACL UE-Coreia (relativo, entre outras coisas, à não ratificação das Convenções da OIT). Obviamente, o recurso a ferramentas de fiscalização é uma questão de último recurso, que esperamos não seja necessário. A estrutura institucional fornecida pelo Acordo Abrangente de Investimento, incluindo um grupo de trabalho específico para discutir assuntos relacionados ao desenvolvimento sustentável, incluindo o trabalho, deve desempenhar neste caso um papel importante.

Como o Acordo Abrangente de Investimento tratará da questão das transferências forçadas de tecnologia?

As regras consistem em:

  • proibições diretas de transferências forçadas de tecnologia;
  • proibição de qualquer interferência estatal no licenciamento de tecnologia;
  • proteção aprimorada de informações comerciais confidenciais de propriedade intelectual e segredos comerciais nos processos administrativos.

O que foi alcançado em empresas estatais?

Consistente com a nossa prática em acordos comerciais, o Acordo Abrangente de Investimento exige das empresas estatais que atuam no mercado e que ajam de acordo com as regras comerciais.

Isto significa que devem comportar-se como qualquer empresa privada, e não discriminar as empresas da UE nas transações de compras e vendas.

Também impõe obrigações de transparência se houver problemas com o comportamento das empresas estatais.

A União Europeia será capaz de fazer cumprir as obrigações, em caso de violação, por meio do mecanismo de solução de controvérsias.

Quais são as regras sobre subsídios no Acordo Abrangente de Investimento e como isso se relaciona com a Organização Mundial do Comércio (OMC)?

O Acordo Abrangente de Investimento melhora a transparência dos subsídios, essencialmente ao estender as atuais disciplinas de transparência da OMC para bens industriais para cobrir também os setores de serviços.

A transparência é o primeiro passo para enfrentar os efeitos distorcivos dos subsídios; o Acordo Abrangente de Investimento é, portanto, uma peça importante dos esforços nesse sentido.

Além disso, também estabelece um mecanismo de consulta em duas fases entre as partes, permitindo recolher as informações necessárias para avaliar os efeitos de subsídios específicos sobre os interesses de investimento de uma parte.

Na OMC pretende-se atualizar as disciplinas para bens industriais contidas no Acordo sobre Subsídios e Medidas Compensatórias.

Ambos os processos na área de subsídios, as disposições do Acordo Abrangente de Investimento e a reforma da OMC, são complementares e reforçam-se mutuamente.

Estes compromissos não afetam a adoção de medidas autónomas pela UE para fazer face às distorções no mercado interno europeu criadas por subsídios estrangeiros.

Foram abandonadas as negociações sobre proteção de investimentos?

Não, a China e a UE assumem um compromisso claro no Acordo Abrangente de Investimento de tentar concluir as negociações sobre proteção de investimentos e solução de controvérsias sobre investimentos dentro de 2 anos a partir da assinatura do acordo. O objetivo comum é trabalhar em direção a padrões de proteção modernizados e solução de controvérsias que leve em consideração o trabalho realizado no contexto da UNCITRAL num Tribunal Multilateral de Investimentos.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!