Universidades na Austrália e no Reino Unido são as mais afetadas pela pandemia de COVID-19

Análise do U-Multirank conclui que as universidades na Austrália e no Reino Unido são as mais afetadas financeiramente pela pandemia de COVID-19 que as na UE e nos EUA. A perda financeira é devida à diminuição dos estudantes internacionais.

0
Universidades na Austrália e no Reino Unido são as mais afetadas pela pandemia de COVID-19
Universidades na Austrália e no Reino Unido são as mais afetadas pela pandemia de COVID-19. Foto: © Rosa Pinto

Estudo de análise do U-Multirank conclui que as universidades na Austrália e no Reino Unido podem ser financeiramente mais afetadas pela crise da pandemia de COVID-19, do que outras do Mundo. Uma perda financeira que é em particular devido à diminuição do número de estudantes internacionais.

A quebra potencial da receita, das propinas dos estudantes internacionais, como percentagem do orçamento institucional total para universidades australianas é em média 20,8%; para instituições do Reino Unido é de 14%; para as universidades dos EUA quase 7%, enquanto para as instituições da União Europeia (UE) é de apenas 5,2%.

Várias publicações anteriores indicaram que deve ser esperado um efeito financeiro negativo para instituições de ensino superior em todo o mundo. Os dados do U-Multirank permitem quantificar o possível impacto negativo causado pela perda de estudantes internacionais.

Frans van Vught, líder de coprojecto do U-Multirank, referiu: “A crise da COVID-19 parece ter um efeito dramático nos padrões de mobilidade dos estudantes internacionais que pagam propinas. Eles agora hesitam em se inscrever em universidades de outros países, adiando as suas decisões ou escolhem uma instituição ‘mais perto de casa’. Como resultado, especialmente em países onde há políticas governamentais e institucionais para recrutar fortemente no mercado internacional de estudantes, como na Austrália e no Reino Unido, as universidades enfrentam um forte impacto negativo.“

Frank Ziegele, outro líder de projeto do U-Multirank, referiu: “As universidades da UE parecem estar financeiramente seguras; muitas vezes são fortemente subsidiados pelo erário público e há menos a depender de altas propinas de ensino internacionais, mas pode surgir um problema quando os governos começam a diminuir o financiamento do ensino superior em consequência das restrições orçamentárias causadas pela pandemia.”

A European University Association (EUA) alertou recentemente que o financiamento público europeu para o ensino superior pode diminuir, devido à diminuição das receitas das propinas dos estudantes nacionais e internacionais. A EUA sugeriu que, por causa de suas altas propinas de ensino, o Reino Unido e a Irlanda correm sérios riscos. O U-Multirank mostra que a dependência das receitas de propinas (incluindo receitas de propinas internacionais) é relativamente alta no Reino Unido, com 54%, na Letônia com 38%, Irlanda com 35% e na Bulgária com 35%.

O U-Multirank também mostra que as universidades de investigação podem ser financeiramente mais prejudicadas pela crise da pandemia COVID-19 do que as instituições com foco no ensino. Em comparação com as instituições de ensino, as universidades de investigação atraem um número maior de estudantes internacionais. Particularmente, as universidades de investigação com forte reputação em investigação são altamente atraentes para estudantes de pós-graduação do exterior, que muitas vezes estão dispostos a pagar mensalidades altas.

No entanto, um forte enfoque internacional das universidades não está necessariamente associado a uma alta vulnerabilidade financeira. No Ranking Readymade do U-Multirank sobre Orientação Internacional para 7 das 15 principais instituições, a receita de propinas é mais de 40% da receita institucional total, mas enquanto alguns dependem fortemente das contribuições de estudantes internacionais que pagam propinas como a Grenoble Ecole de Management, com 30,8%, para outras instituições é menor, como é o caso da Audencia Business School que é de 9,4%.

Além disso, os dados do U-Multirank indicam que numa comparação entre universidades públicas e privadas, as universidades privadas (principalmente as escolas de negócios internacionais) dependem mais das propinas do que as universidades públicas (40-80% em comparação com 7-30% de sua receita), algumas delas em grande parte com propinas pagas por estudantes internacionais. Como uma percentagem do orçamento institucional total – especialmente nos Estados Unidos – a receita de propinas internacionais de universidades privadas é mais do dobro em comparação com as universidades públicas.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!