In memoriam Comendador Bernardino Coutinho

Através da Fundação, Bernardino Coutinho continua nos mostrar a importância da cultura portuguesa e apoiar na integração da comunidade lusa na sociedade norte-americana. É de Bernardino Coutinho que aqui nos fala Daniel Bastos.

0
Daniel Bastos, Historiador e Escritor
Daniel Bastos, Historiador e Escritor. Foto: DR

No decurso deste ano assinalam-se os cinco anos da morte do Comendador Bernardino Coutinho (1937-2016), um dos principais mentores das celebrações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas em Newark, cidade onde se concentra uma das maiores comunidades lusas nos Estados Unidos da América (EUA).

Bernardino Coutinho nasceu em Marco de Canaveses, cidade do distrito do Porto, cujo pavilhão gimnodesportivo recebeu o nome deste filho ilustre que emigrou para a América com a esposa, Maria Coutinho, em 1967, com 30 anos, para trabalhar numa padaria.

Após seis anos de trabalho árduo, o casal marcuense lançou-se por conta própria, abrindo em 1973 o seu negócio de panificação na Chestnut Street. Rapidamente, o profissionalismo, o empenho, o esforço e a dedicação, permitiram expandir as Padarias Coutinho na cidade de Newark, designadamente no Ironbound, conhecido como o “bairro dos portugueses”, e implantar-se na cidade de Harrison e no distrito de North Arlington, ambos localizados no estado americano de Nova Jérsei.

O sucesso na área da panificação, inclusive nos anos 80 o casal Coutinho chegou a confecionar um bolo de aniversário do então presidente dos EUA, Ronald Reagan, foi amalgamado por parte de Bernardino com um profundo comprometimento com a comunidade portuguesa, tornando-se num dos seus mais extraordinários ativistas. Como espelha, o facto de ter lançando em 1980 as celebrações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas em Newark, a cujo comité de organização presidiu durante 30 anos, tendo as mesmas chegado a ser consideradas as maiores em toda a diáspora lusa.

No início da década de 90, Bernardino Coutinho criou uma fundação com o seu nome com o principal objetivo de dinamizar atividades beneméritas, sobretudo ligadas à cultura portuguesa e à integração da comunidade lusa na sociedade norte-americana. Nessa esteira, durante anos a Fundação Bernardino Coutinho proporcionou aulas de inglês e de cidadania, impeliu a criação do Rancho Folclórico Dança na Eira, e foi um dos grandes impulsionadores do Ironbound Soccer Club, uma coletividade que acolhe atualmente, no âmbito do desporto juvenil, mais de um milhar de crianças.

O compromisso e a responsabilidade de Bernardino Coutinho com a comunidade portuguesa, que levam a que ainda hoje seja recordado como o principal impulsionador das comemorações do Dia de Portugal nos EUA, estiveram na base da sua distinção com a Ordem do Infante D. Henrique, atribuída pelo então Presidente da República, Ramalho Eanes.

Ao longo da sua vida, o saudoso ativista comunitário, que foi também presidente do Sport Club Português de Newark, um dos mais antigos dos EUA, e da Luso Internacional Sports Association – LISA, recebeu inúmeras homenagens. Destacando-se, entre outras, um doutoramento Honoris Causa do Essex County College, e a Ellis Island Medal of Honor, um prémio americano fundado pela Ellis Island Honors Society (EIHS), que distingue personalidades que se destacam pelo seu conhecimento, coragem indomável, compaixão sem limites, talentos únicos e generosidade altruísta.

O percurso de vida notável do Comendador Bernardino Coutinho ficou ainda patente no alvorecer deste ano, com a inclusão da sua estátua no Monumento ao Imigrante localizado no parque Peter Francisco, na cidade de Newark, e que assim perpetua a sua memória e marcas inolvidáveis na comunidade portuguesa nos EUA.

Autor: Daniel Bastos, Historiador e Escritor.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!