Hubble capta imagem pormenorizada de Júpiter

Telescópio espacial Hubble aproveita proximidade de Júpiter com a Terra e capta imagem com elevado nível de pormenor de Júpiter, o que permite aos astrónomos estudar a atmosfera do planeta gasoso e a evolução da tempestade ‘Great Red Spot’.

0
1
Partilhas
Imagem de Júpiter
Imagem de Júpiter. © NASA, ESA, e A. Simon (GSFC)

Durante o mês de abril de 2017, o planeta Júpiter está em oposição, ou seja, está o mais próximo possível da Terra, e o hemisfério virado para a Terra é totalmente iluminado pelo Sol. O Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA usou esta configuração especial para captar uma imagem do que é, de longe, o maior planeta do Sistema Solar. Esta imagem, em conjunto com muitas outras recolhidas no passado, permite aos astrónomos estudarem mudanças na atmosfera gasosa.

Em 7 de abril, Júpiter vai entrar em oposição, que é o ponto em que o planeta está localizado diretamente em frente ao Sol no céu. Isto significa que o Sol, Terra e Júpiter alinham-se, com a Terra colocada entre o Sol e o gigante de gás.

Esta oposição também marca a aproximação mais próxima do planeta à Terra – cerca de 670 milhões de quilómetros, pelo que Júpiter aparece mais brilhante no céu noturno do que em qualquer outra época do ano. Este evento permite aos astrónomos usar telescópios no espaço e em terra para ver mais detalhes na atmosfera de Júpiter.

No dia 3 de abril, o Hubble aproveitou este alinhamento favorável e voltou seu olhar atento para Júpiter para adicionar mais imagens de Júpiter à coleção. O Hubble observou Júpiter usando a Wide Field Camera 3 (WFC3), que permite observações em luz ultravioleta, visível e infravermelha. A imagem final mostra uma visão detalhada de Júpiter e revela uma riqueza de recursos na sua atmosfera densa. Como ele está tão perto, o Hubble pode resolver recursos pequenos quanto cerca de 130 quilômetros de diâmetro.

A superfície de Júpiter é dividida em várias bandas distintas e coloridas, que correm paralelamente ao equador. Estas faixas são criadas por diferenças na opacidade das nuvens que têm quantidades variáveis ​​de amónia congelada. As faixas mais claras têm concentrações mais altas do que as faixas mais escuras. As diferentes concentrações são mantidas separadas por ventos rápidos que podem atingir velocidades até 650 quilômetros por hora.

O recurso mais reconhecível em Júpiter é a grande tempestade anticiclónica, chamada ‘Great Red Spot’. Esta tempestade é grande o suficiente para engolir de uma só vez um planeta do tamanho da Terra. No entanto, com as últimas imagens de Júpiter captadas pelo Hubble e por telescópios em terra, esta nova imagem confirma que a enorme tempestade que percorreu a superfície de Júpiter há pelo menos 150 anos continua a encolher. A razão ainda é desconhecida. Assim, o Hubble continuará a observar Júpiter na esperança de que os cientistas solucionem este enigma da tempestade.

Ao lado da famosa ‘Great Red Spot’, uma tempestade muito menor pode ser vista em latitudes sul mais distantes. Devido à sua aparência semelhante, mas devido ao menor tamanho foi designada por ‘Red Spot Junior’.

As observações de Júpiter fazem parte do Programa Outer Planet Atmospheres Legacy (OPAL), que permite ao Hubble dedicar tempo todos os anos à observação dos planetas exteriores. Desta forma, os cientistas têm acesso a uma coleção de mapas, que os ajuda a entenderem, não só as atmosferas dos planetas gigantes do Sistema Solar, mas também as atmosferas de nosso próprio planeta e dos planetas que têm vindo a ser descobertos em torno de outras estrelas. O programa começou em 2014 com a observação de Úrano, e tem vindo a estudar Júpiter e Neptuno desde 2015. Em 2018, começará a ser observado Saturno.

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!

wpDiscuz